Ucrânia diz ter afundado navio de guerra russo no Mar Negro

Ucrânia reclama ter afundado navio russo no Mar Negro
Ucrânia reclama ter afundado navio russo no Mar Negro Direitos de autor AP/Russian Defense Ministry Press Service
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Kiev publica vídeo que alegadamente mostra um drone ucraniano a afundar um navio de guerra russo, com 40 pessoas a bordo, perto da Crimeia. Moscovo recusa-se a devolver corpos dos prisioneiros de guerra ucranianos que terão sido mortos em acidente de avião perto de Belgorod.

PUBLICIDADE

Os serviços de inteligência da Ucrânia publicaram um vídeo em que presumivelmente se vê um drone naval ucraniano a abater um navio de guerra russo perto da Crimeia. Segundo Kiev, trata-se de um "Ivanovets", navio de guerra com capacidade de lançamento de míssil que estava em patrulha no Mar Negro perto do Lago Donuzlav.

De acordo com a imprensa ucraniana, as operações russas de busca e salvamento na área não tiveram sucesso, o que pode indicar que toda a tripulação - 40 pessoas - morreu. Moscovo não confirma o abate.

Entretanto, a Ucrânia acusa a Rússia de se recusar a entregar os corpos dos prisioneiros ucranianos que terão morrido no acidente de avião perto de Belgorod. O porta-voz dos serviços de inteligência de Kiev refere que o estatuto dos 65 soldados em causa permanece inalterado, ou seja, são dados como prisioneiros e não como mortos. 

Por sua vez, o Kremlin acusa a Ucrânia de ter abatido deliberadamente o avião, um IL-76, com recurso a mísseis americanos Patriot. Embora não negue diretamente as acusações, Kiev expressa sérias dúvidas sobre a versão apresentada por Moscovo.

Nações Unidas acusam Rússia de ter atacado centro humanitário

Esta quinta-feira, as Nações Unidas (ONU) declararam que o recente ataque russo à cidade ucraniana de Kherson  atingiu, entre outros alvos, um centro humanitário mantido por uma organização não governamental local. 

A ONU adianta que, não obstante os desafios do trabalho na linha da frente da guerra, as agências de ajuda humanitária continuam a fornecer assistência, dando o exemplo das atividades realizadas em várias regiões ucranianas, nomeadamente Dontesk.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cidades ucranianas atingidas por múltiplos ataques russos com drones

Lisboa juntou-se a milhares de europeus no apoio à Ucrãnia dois anos depois da invasão russa

Dirigentes da UE estão em Kiev para assinalar dois anos da invasão russa