Israel diz ter descoberto túneis do Hamas debaixo da sede da UNRWA

O tenente-coronel Ido, cujo apelido foi ocultado pelos militares, caminha no interior de um túnel por baixo do complexo da UNRWA, onde os militares descobriram túneis na sede principal
O tenente-coronel Ido, cujo apelido foi ocultado pelos militares, caminha no interior de um túnel por baixo do complexo da UNRWA, onde os militares descobriram túneis na sede principal Direitos de autor SERGEI GRITS/AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os militares israelitas convidaram jornalistas estrangeiros a inspecionar o que se diz ser uma rede alargada de túneis do Hamas por baixo da sede principal da agência UNRWA, em Gaza.

PUBLICIDADE

O exército israelita (IDF) afirma ter descoberto túneis por baixo da sede da agência da ONU para os refugiados palestinianos (UNRWA) na cidade de Gaza.

A revelação dos túneis marcou o mais recente capítulo da campanha de Israel contra a agência, que acusa de colaborar com o Hamas.

As recentes alegações israelitas, de que uma dúzia de membros do pessoal participou no ataque do Hamas a Israel, a 7 de outubro, mergulharam a agência numa crise financeira, levando os principais países doadores a suspender o seu financiamento, bem como a realizar duas investigações.

Jornalistas visitaram o túnel na quinta-feira

A IDF não provou definitivamente que os militantes do Hamas operavam nos túneis sob as instalações da UNWRA, mas mostrou que pelo menos uma parte do túnel passava por baixo do pátio das instalações. Os militares afirmaram que o quartel-general alimentava os túneis com eletricidade.

A UNWRA afirma que não tinha conhecimento das instalações subterrâneas, mas as descobertas merecem um "inquérito independente", que a agência não pode efetuar devido à guerra em curso.

Um soldado israelita corre por um buraco semelhante a uma cratera que dá acesso a um pequeno túnel de entrada no complexo da UNRWA
Um soldado israelita corre por um buraco semelhante a uma cratera que dá acesso a um pequeno túnel de entrada no complexo da UNRWASERGEI GRITS/AP

Pelo menos 44 mortos em ataques israelitas em Gaza

Os ataques aéreos israelitas mataram pelo menos 44 palestinianos - incluindo mais de uma dúzia de crianças - na cidade de Rafah, no sul de Gaza, no sábado, horas depois de o primeiro-ministro israelita ter dito que tinha pedido aos militares para planearem a evacuação de milhares de pessoas antes de uma invasão terrestre.

Benjamin Netanyahu não forneceu pormenores ou um calendário, mas o anúncio desencadeou o pânico e os avisos dos diplomatas.

Mais de metade dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza estão concentrados em Rafah, muitos deles depois de terem seguido as ordens de evacuação israelitas, que cobrem agora dois terços do território. Não se sabe para onde poderão fugir a seguir.

Israel afirma que Rafah, que faz fronteira com o Egipto, é o último reduto do grupo militante Hamas em Gaza.

Palestinianos choram familiares mortos nos bombardeamentos israelitas em Rafah, Faixa de Gaza
Palestinianos choram familiares mortos nos bombardeamentos israelitas em Rafah, Faixa de GazaSERGEI GRITS/AP

Ataques israelitas continuam a alastrar

Um drone israelita atingiu um carro perto da cidade portuária de Sidon, no sul do Líbano, no sábado, matando pelo menos duas pessoas e ferindo outras duas, segundo as autoridades de segurança.

O ataque ocorreu num momento em que as tensões no Médio Oriente aumentam com a guerra entre Israel e o Hamas: um ataque de drone no mês passado matou três soldados americanos no nordeste da Jordânia, perto da fronteira com a Síria, e ataques dos rebeldes Houthi do Iémen, apoiados pelo Irão, a navios que atravessam o Mar Vermelho, marcam a escalada do conflito.

O ataque com drone perto da cidade costeira de Jadra ocorreu a cerca de 60 quilómetros da fronteira israelita, o que o torna um dos mais distantes dentro do território libanês desde o início da violência.

Um oficial de segurança israelita, que falou sob condição de anonimato, de acordo com os regulamentos, disse que o alvo do ataque em Sidon era o oficial do Hamas Basel Saleh, que foi "ferido numa extensão desconhecida". O oficial disse que Saleh era responsável pelo alistamento de novos recrutas do Hamas em Gaza e na Cisjordânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mais ataques israelitas na Síria enquanto aumenta preocupação pelos refugiados em Rafah

Israel prepara evacuação de Rafah antes do assalto à cidade

Segundo maior hospital de Gaza não está operacional. Israel quer reféns libertados até ao Ramadão