Investigadores estudam a principal hipótese para o incêndio de Valência

Edifício incendiado em Valência.
Edifício incendiado em Valência. Direitos de autor Alberto Saiz/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Alberto Saiz/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em espanhol

Suas Majestades o Rei e a Rainha de Espanha visitarão o local na segunda-feira. As famílias afetadas serão realojadas na quinta-feira. Vários dos residentes deste edifício eram refugiados ucranianos.

PUBLICIDADE

Após o incêndio devastador que consumiu um prédio inteiro de 14 andares em Valência em quase meia hora, a Polícia Científica continua a investigar os factos para tentar esclarecer como é que o fogo pode ter deflagrado e como é que as chamas se propagaram tão rapidamente por todo o quarteirão.

Esta segunda-feira, os agentes vão entrar no apartamento número 86. Foi nesta casa que as primeiras chamas deflagraram e devoraram todo o edifício. Não se sabe o que terá acontecido porque, na altura do incêndio, não estava lá ninguém.

Uma possível sobrecarga elétrica, a principal hipótese do incêndio em Valência.

O inquilino da casa explicou aos investigadores que não tinha deixado nada ligado à rede elétrica nesse dia. No entanto, estão a tentar determinar se algum outro vizinho poderá ter tido um problema elétrico. Uma das principais hipóteses que estão a ser consideradas é uma possível sobrecarga.

Não estão a ser considerados outros tipos de combustão porque se trata de uma construção domótica que só tinha alimentação elétrica e não de gás. Sabe-se que há dois anos houve problemas com um aquecedor que provocava faíscas.

O que acontecerá ao edifício incendiado em Valência?

Apesar da virulência do incêndio, sabe-se agora que não há risco de derrocada. Segundo explicou o porta-voz do Conselho Geral de Arquitetura Técnica de Espanha, Jerónimo Alonso, à Euronews, o facto de as vigas não serem de aço permitiu que o edifício se mantivesse de pé, mas não está excluída uma posterior demolição controlada.

Sabe-se também que o edifício ardido tinha um seguro de mais de 26 milhões de euros. A apólice, de acordo com o que foi tornado público, inclui a cobertura de incêndio. Isto sugere que irá compensar os afetados pela perda das suas casas.

Cerca de 300 famílias perderam as suas casas neste incêndio. Inicialmente, as autoridades locais transferiram-nas para hotéis, para que pudessem passar as noites seguintes à tragédia.

Trabajos de limpieza en la calle del edificio incendiado.
Trabajos de limpieza en la calle del edificio incendiado.Ayuntamiento de Valencia

A Câmara Municipal já colocou à disposição destas famílias habitações sociais para que se possam instalar. Poderão fazê-lo a partir de quinta-feira. Por seu lado, as pessoas afetadas agradeceram a resposta rápida de todas as administrações e a onda de solidariedade que receberam.

Lançaram também um plano especial de limpeza para remover os escombros causados pelo incêndio. Uma equipa de 14 trabalhadores está a trabalhar arduamente para tentar restabelecer a normalidade na rua.

Esta segunda-feira, Suas Majestades o Rei e a Rainha de Espanha visitarão o local para ver em primeira mão como estão a decorrer as investigações e para expressar o seu apoio às centenas de pessoas afetadas.

No edifício incendiado viviam vários refugiados ucranianos da guerra

Desde o primeiro momento, a Casa Real esteve a par da coordenação entre as administrações e da situação dos residentes do bloco ardido, tendo tornado público o seu apoioàs vítimas logo que o incêndio deflagrou.

Entre os residentes deste bloco encontravam-se várias famílias ucranianas que vieram para Espanha fugindo da guerra na Ucrânia. Pelo menos uma dúzia de refugiados vivia no edifício.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Porque é que o incêndio de Valência devorou 138 casas numa hora?

Incêndio de grandes dimensões consome prédio residencial de 14 andares em Valência

Sismo em Taiwan faz pelo menos nove mortos e mais de 900 feridos