Tribunal de Belfast contraria lei britânica de amnistia a autores de atos de violência

Irlanda do Norte foi abalada por décadas de violência, até aos acordos de Sexta-Feira Santa em 1998
Irlanda do Norte foi abalada por décadas de violência, até aos acordos de Sexta-Feira Santa em 1998 Direitos de autor AP/1977
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A lei poderia conceder imunidade condicional contra ações judiciais a autores de atos de violência no território. O Supremo Tribunal considera-a contrária à Convenção Europeia dos Direitos Humanos.

PUBLICIDADE

O Tribunal Supremo da Irlanda do Norte decidiu que uma lei do Reino Unido que poderia conceder imunidade condicional contra ações judiciais a autores de atos de violência viola a Convenção Europeia dos Direitos Humanos. A legislação visava proibir futuras ações judiciais contra pessoas, incluindo ex-soldados, acusadas de crimes durante o conflito que assolou a Irlanda do Norte durante décadas.

O caso foi apresentado por vários familiares de vítimas de violência na região. Numa resposta inicial, o governo disse que levaria algum tempo a considerar a decisão, mas que, entretanto, iria avançar com a legislação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rishi Sunak saúda recuperação das instituições autónomas na Irlanda do Norte

Unionistas terminam bloqueio: parlamento da Irlanda do Norte pode retomar atividade no fim de semana

Vítimas da violência na Irlanda do Norte põem governo em tribunal