EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Mulheres palestinianas denunciam abusos por parte das forças israelitas

Nabela, que foi detida pelas forças israelitas, posa para um retrato na escola da ONU onde está abrigada em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024.
Nabela, que foi detida pelas forças israelitas, posa para um retrato na escola da ONU onde está abrigada em Rafah, no sul da Faixa de Gaza, sexta-feira, 23 de fevereiro de 2024. Direitos de autor Fatima Shbair/Copyright 2023 The AP All rights reserved
Direitos de autor Fatima Shbair/Copyright 2023 The AP All rights reserved
De  Euronews com AP
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Todos os últimos desenvolvimentos da guerra entre Israel e o Hamas.

"Queriam humilhar-nos": Mulheres palestinianas denunciam abusos sob custódia israelita

PUBLICIDADE

Nabela pensava que a escola das Nações Unidas na cidade de Gaza era um porto seguro. Depois, chegou o exército israelita.

Os soldados invadiram o local, ordenando aos homens que se despissem e arrastando as mulheres para uma mesquita para serem revistadas, contou. Assim começaram seis semanas sob custódia israelita que, segundo a palestiniana, incluíram repetidos espancamentos e interrogatórios.

"Os soldados eram muito duros, batiam-nos e gritavam-nos em hebraico", disse a mulher de 39 anos da Cidade de Gaza, que falou com receio de ser presa, caso revelasse o seu apelido. "Se levantássemos a cabeça ou disséssemos alguma palavra, batiam-nos na cabeça".

Uma mulher detida em Gaza, que também falou sob condição de anonimato, disse à agência noticiosa AP que, antes de ser transferida para a prisão Damon de Israel, as forças israelitas lhe ordenaram que beijasse uma bandeira israelita. Quando ela se recusou, um soldado agarrou-a pelos cabelos, esmagando-lhe o rosto contra uma parede, afirmou.

Outra mulher, cujo nome foi suprimido para sua proteção, disse que os guardas urinaram para cima dela, na prisão de Ketziot, no sul de Israel. A vítima também testemunhou revistas corporais em que os guardas obrigavam as detidas a aproximarem-se umas das outras nuas e inseriam dispositivos de revista nas suas nádegas.

Não se sabe quantas mulheres ou menores foram detidos pelas forças israelitas, embora os detidos do sexo masculino também tenham alegado abusos físicos generalizados.

Grupos de defesa dos direitos humanos afirmam que Israel está a fazer "desaparecer" palestinianos, detendo-os sem acusação ou julgamento e não revelando à família ou aos advogados o local onde se encontram detidos.

Os serviços prisionais de Israel afirmam que todos os "direitos básicos exigidos são plenamente aplicados por guardas prisionais profissionalmente treinados".

Os militares israelitas afirmam que obrigam os detidos a despir-se para procurar explosivos, trazendo-os para Israel antes de os libertarem em Gaza se forem considerados inocentes.

Derramamento de sangue em comboio de ajuda humanitária da ONU

Uma equipa das Nações Unidas documentou "um grande número de ferimentos de bala" entre as pessoas que ainda estão a ser tratadas na sequência de um ataque a um comboio de ajuda humanitária em Gaza.

No Hospital al-Shifa da cidade de Gaza, os observadores internacionais viram cerca de 200 pessoas feridas no incidente mortal de quinta-feira, que ocorreu quando os palestinianos procuravam comida e ajuda num comboio humanitário.

O Hamas afirma que as forças israelitas dispararam contra a multidão. Israel afirma que as pessoas morreram numa debandada.

Thursday, Feb. 29, 2024, Palestinians surround aid trucks in northern Gaza in what officials described the day before as the first major delivery in a month.
Thursday, Feb. 29, 2024, Palestinians surround aid trucks in northern Gaza in what officials described the day before as the first major delivery in a month.AP/AP

Na sexta-feira, o porta-voz da ONU, Stephane Dujarric, afirmou que al-Shifa terá recebido mais de 700 feridos e mais de 70 cadáveres após o derramamento de sangue.

Com a fome a aproximar-se na Faixa de Gaza, os palestinianos desesperados têm assaltado e saqueado comboios de ajuda nas últimas semanas.

Grupos de defesa dos direitos humanos e organizações internacionais acusaram Israel de utilizar a fome como arma de guerra, obstruindo a distribuição de recursos essenciais, impedindo a ajuda humanitária e destruindo infraestruturas essenciais de que dependem o abastecimento de alimentos e água.

PUBLICIDADE

Biden: EUA vão enviar ajuda humanitária para Gaza

O presidente dos Estados Unidos declarou na sexta-feira que o seu país vai começar a enviar ajuda humanitária por via aérea para Gaza.

O anúncio de Joe Biden foi feito um dia depois de testemunhas terem afirmado que as tropas israelitas dispararam contra multidões de palestinianos que corriam para retirar mercadorias de um comboio de ajuda humanitária, causando dezenas de mortes.

O líder dos EUA disse que os lançamentos aéreos começarão nos "próximos dias".

Pelo menos 115 palestinianos foram mortos na quinta-feira e mais de 750 ficaram feridos, segundo o Ministério da Saúde de Gaza.

PUBLICIDADE

Israel disse que as suas tropas dispararam contra alguns elementos da multidão que, segundo eles, se dirigiam a eles de forma ameaçadora.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Israel e Hamas fazem cair por terra esperanças de Biden num cessar-fogo na próxima segunda-feira

Ataque israelita ao campo de refugiados de Nuseirat faz dezenas de mortos

Pelo menos 17 palestinianos mortos num ataque israelita a escola que servia de refúgio