Ataque a Odessa durante visita do primeiro-ministro grego. Zelenskyy e Mitsotakis escapam ilesos

O primeiro-ministro grego acompanhava o Presidente ucraniano numa visita à cidade portuária de Odessa
O primeiro-ministro grego acompanhava o Presidente ucraniano numa visita à cidade portuária de Odessa Direitos de autor AP/Ukrainian Presidential Press Office
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Rússia bombardeou o porto de Odessa durante a visita do primeiro-ministro grego. Zelenskyy diz que há vários mortos. Líderes europeus condenam ataque "vil" e "cobarde".

PUBLICIDADE

O som de uma grande explosão ecoou no porto ucraniano de Odessa quando o presidente ucraniano e o primeiro-ministro grego terminaram uma visita à cidade devastada pela guerra na quarta-feira. Os dois escaparam ilesos do ataque.

De acordo com Kyriakos Mitsotakis, ambas as comitivas estavam a entrar nos respetivos carros quando a explosão foi ouvida. Um "alerta vívido", segundo o chefe do executivo grego, que Odessa vive sob o domínio da guerra com a Rússia.

De acordo com Volodymyr Zelenskyy, a explosão causou um número indeterminado de mortes e feridos. Segundo informações divulgadas pela Marinha ucraniana, pelo menos cinco pessoas foram mortas.

A presidente da Comissão Europeia descreveu o ataque como "vil", nas redes sociais. Ursula von der Leyen considera que esta é uma "nova tentativa de terror" por parte da Rússia.

"Eu condeno fortemente o ataque vil a Odesa pela Rússia durante a visita de Volodymyr Zelenskyy e Kyriakos Mitsotakis. Ninguém está intimidado com esta nova tentativa de terror - certamente nem os dois líderes no terreno nem o corajoso povo da Ucrânia. Mais do que nunca, apoiamos a Ucrânia", escreveu no X.

Charles Michel, presidente do Conselho Europeu, disse que este foi mais um "sinal das táticas cobardes da Rússia" nesta guerra.

"O ataque a Odesa durante a visita do presidente Zelenskyy e do primeiro-ministro grego é outro sinal das táticas cobardes da Rússia na sua guerra de agressão contra a Ucrânia. Isso é repreensível e está até mesmo abaixo das habituais jogadas do Kremlin. O apoio total da UE à Ucrânia e ao seu povo corajoso não vacilará", declarou também numa publicação na rede social X.

O chefe de Estado ucraniano tem visitado regularmente cidades e unidades militares na linha de frente. Vários líderes estrangeiros, incluindo europeus, fizeram inúmeras viagens à Ucrânia e alguns deles foram forçados a refugiar-se em abrigos quando as sirenes soaram em aviso sobre ataques aéreos russos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia lança ataques com drones contra várias regiões da Ucrânia

Drones navais abrem nova fase na guerra da Ucrânia

Chanceler alemão Olaf Scholz tornou-se um grande problema para a Ucrânia