Grécia aprova fim do monopólio estatal sobre o ensino universitário, apesar dos protestos dos estudantes

A polícia de choque está em frente ao Parlamento enquanto se vê ao fundo o fogo de um cocktail molotov durante uma manifestação de estudantes em Atenas, Grécia, 8 de março de 2024
A polícia de choque está em frente ao Parlamento enquanto se vê ao fundo o fogo de um cocktail molotov durante uma manifestação de estudantes em Atenas, Grécia, 8 de março de 2024 Direitos de autor Associated Press
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Apesar dos protestos dos estudantes, os deputados gregos aprovaram reformas profundas no ensino universitário que quebram o monopólio do Estado sobre o ensino universitário.

PUBLICIDADE

Os legisladores gregos aprovaram, na sexta-feira à noite, reformas profundas que vão acabar com o monopólio estatal sobre o ensino universitário, quebrando o que os poderosos grupos de estudantes de esquerda há muito consideram um grande tabu.

Horas antes da votação, que começou na sexta-feira e prolongou-se até à madrugada de sábado, os manifestantes atacaram a polícia à porta do parlamento com "cocktails molotov" e petardos, enquanto cerca de 18.000 pessoas se manifestavam no centro de Atenas contra a legislação proposta.

A polícia atacou algumas dezenas de manifestantes violentos e disparou gás lacrimogéneo. Segundo um comunicado da polícia, nove pessoas e sete agentes ficaram feridos, tendo sido detidos três presumíveis desordeiros.

A manifestação de sexta-feira seguiu-se a semanas de manifestações que incluíram dezenas de ocupações de edifícios universitários por estudantes. No entanto, as sondagens de opinião indicam que a maioria dos gregos concorda com a criação de universidades de gestão privada.

Os deputados presentes no Parlamento de 300 lugares votaram 159-129 a favor do projeto de lei. O anúncio do resultado foi adiado para depois da meia-noite por três deputados de um pequeno partido de esquerda, que insistiram em analisar uma cópia impressa do projeto de lei durante mais de duas horas, depois de todos os outros terem votado e saído. O partido tinha dito anteriormente que iria votar contra o projeto de lei.

O governo grego de centro-direita argumentou que a reforma ajudaria a atrair trabalhadores qualificados de volta ao país.

"Devemos dizer um rotundo 'sim' a esta medida... como garantia de maior liberdade e maior acesso ao conhecimento para todos os estudantes gregos", disse o primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis ao parlamento antes da votação.

Na manifestação de ontem à noite - que foi maioritariamente pacífica - juntaram-se aos estudantes um pequeno grupo de manifestantes pró-palestinianos e participantes de um evento que assinalou o Dia Internacional da Mulher.

"Este governo quer privatizar tudo... mas, ao mesmo tempo, o custo de vida está a subir cada vez mais e os nossos salários continuam a ser miseráveis", disse Anna Adamidi, estudante de filosofia, à Associated Press. "O setor privado entra e desmantela o ensino público, utilizando recursos pelos quais não paga nada".

Os partidos da oposição opuseram-se amplamente ao projeto de lei, argumentando que viola a Constituição e pode criar um sistema de dois níveis para os estudantes.

As reformas educativas na Grécia têm muitas vezes uma carga política, com o ativismo universitário historicamente ligado a movimentos pró-democracia, mas também mais tarde utilizado como refúgio para grupos de protesto violentos.

Embora o ensino superior privado já seja legal na Grécia, a nova lei tornará os diplomas de instituições privadas aprovadas equivalentes aos das universidades públicas. As universidades estrangeiras poderão abrir filiais na Grécia sem fins lucrativos, apesar de cobrarem propinas.

Mais de 650.000 estudantes estão atualmente inscritos em universidades públicas na Grécia e outros 40.000 estudam no estrangeiro, segundo funcionários do Ministério da Educação que informaram os deputados antes do debate desta semana.

O Governo de Mitsotakis, no início do seu segundo mandato e com uma grande vantagem nas sondagens de opinião, levou a cabo várias reformas importantes nas últimas semanas, incluindo a legalização do casamento entre pessoas do mesmo sexo e a introdução do voto por correspondência para as próximas eleições para o Parlamento Europeu, em junho.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Grécia e países do Mar Negro desenvolvem plataforma contra terramotos

Grécia aposta no desenvolvimento da produção de biometano em parceria com Itália

Grécia mais acessível para os turistas turcos