Agência Internacional de Energia Atómica apoia operações em Fukushima

Central nuclear de Fukushima
Central nuclear de Fukushima Direitos de autor Eugene Hoshiko/AP
Direitos de autor Eugene Hoshiko/AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Depois de uma visita à central, o diretor da agência disse que as descargas estão a ser efetuadas "sem qualquer impacto para o ambiente, para a água, para os peixes”.

PUBLICIDADE

O diretor da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA) deu luz verde à continuação das descargas de águas residuais radioativas tratadas da central nuclear de Fukushima. Foi a primeira visita de Rafael Grossi ao local desde julho, altura em que recomeçaram as descargas de volumes de água no mar.

Confirmando um relatório preliminar da AIEA, Grossi disse que as operações de Fukushima cumpriam as normas internacionais.

"Estou muito confiante no processo em curso e muito confiante de que o diálogo com a China e com outros países será construtivo e que seremos capazes de dar todas as garantias necessárias", disse Grossi_._

Depois de uma reunião com ministros japoneses, diretor da Agência Internacional de Energia Atómicajuntou-se às autoridades locais e aos representantes de grupos de pesca e de empresas e garantiu-lhes que as descargas estão a ser efetuadas "sem qualquer impacto para o ambiente, para a água, para os peixes”.

Trabalhos de limpeza vão durar várias décadas

O desastre de 2011 danificou as funções de fornecimento de energia e de arrefecimento dos reatores da central japonesa, provocando a fusão de três reatores e a acumulação de grandes quantidades de águas residuais radioativas.

Após mais de dez anos de trabalhos de limpeza, a central começou a descarregar a água depois de a ter tratado e diluído com grandes quantidades de água do mar, dando início a um processo que deverá demorar décadas.

As descargas têm merecido a oposição de grupos de pescadores e de países vizinhos, incluindo a China, que proibiu todas as importações de marisco japonês imediatamente após o início da libertação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataques em Zaporíjia: "Estamos perigosamente perto de um acidente nuclear"

Chéquia quer apostar na energia nuclear e deixar carvão até 2033

Rússia diz que Ucrânia atingiu central de Zaporíjia. Kiev nega, ONU critica ataque imprudente