Marcha em Roma pelas vítimas das máfias

Marcha juntou mais de 40 mil pessoas
Marcha juntou mais de 40 mil pessoas Direitos de autor Gregorio Borgia/AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Pela 29ª vez, celebrou-se o Dia da Memória e do Compromisso para com as vítimas, uma data reconhecida como dia nacional pelo Estado italiano.

PUBLICIDADE

Mais de 40 mil pessoas juntaram-se no centro de Roma para lembrar as 1081 pessoas mortas pelas máfias italianas desde 1861 até hoje.

Foi a 29ª vez que se celebrou o Dia da Memória e do Compromisso para com as vítimas inocentes do crime organizado, uma iniciativa de duas associações, a Libera e Avviso Pubblico.

A procissão "Roma cidade livre" partiu da Piazza Esquilino às 9 horas e chegou ao Circus Maximus, onde foram lidos os nomes de todas as 1081 pessoas que morreram às mãos das máfias. A marcha foi conduzida por centenas de familiares de vítimas, a que se juntaram vários grupos e representantes de instituições estatais, sindicatos, escolas, cultura e desporto. 

As vítimas incluem cidadãos comuns, juízes, jornalistas, polícias, padres, empresários, sindicalistas, políticos e administradores públicos.

Mario Esposito Ferraioli viu o irmão ser assassinado pela máfia e participou na marcha: "A máfia hoje é mais forte do que antes, já não mata. Hoje, basta-lhe o poder económico e a corrupção. A corrupção é a arma mais afiada", disse.

Há milhares e milhares de pessoas que fazem o seu trabalho honestamente todos os dias e são muitos, muitos mais do que os poucos criminosos
Antonio Decaro
Presidente da Câmara Municipal de Bari

O presidente da Câmara de Bari, uma das cidades do sul de Itália mais afectadas pelo crime organizado, também participou: "Em Bari, há 14 clãs criminosos. É verdade que a máfia existe em Bari, mas também é verdade que Bari é uma cidade que resiste, que não baixa a cabeça e não vira as costas. Por outro lado, há milhares e milhares de pessoas que fazem o seu trabalho honestamente todos os dias e são muitos, muitos mais do que os poucos criminosos", disse Antonio Decaro.

A data é reconhecida como dia nacional pelo Estado italiano desde 2017.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líder de grupo criminoso internacional detido em Espanha

Mais de 200 membros da máfia condenados num trinunal da Calábria

Ex-chefe da "Cosa Nostra" morreu no hospital