Extrema-direita separatista lidera intenções de voto na Bélgica

De acordo com um inquérito Euronews/Ipsos, Vlaams Belang tem 23,5% dos eleitores na Flandres
De acordo com um inquérito Euronews/Ipsos, Vlaams Belang tem 23,5% dos eleitores na Flandres Direitos de autor Virginia Mayo/Copyright 2019 The AP. All rights reserved.
De  Vincenzo Genovese
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Vlaams Belang, partido de extrema-direita separatista, lidera as intenções de voto na Bélgica, para as eleições de junho, nas quais os cidadãos escolherão os representantes regionais, nacionais e europeus.

PUBLICIDADE

O Vlaams Belang tem 23,5% dos eleitores na Flandres, a parte norte do país, de língua neerlandesa, mais rica e mais populosa do que a Valónia (francófona, no sul), de acordo com um inquérito da IPSOS para a Euronews. O partido tem um objetivo claro: fazer da Flandres um Estado independente.

"A Flandres é a potência demográfica, política, financeira e económica da Bélgica. O problema é que só temos 50% do poder político e há uma transferência financeira da região, de direita, da Flandres para a região, de esquerda, da Valónia, onde falam francês e que é próxima da França. Estamos fartos de pagar as suas contas", disse Tom Vandendriessche, eurodeputado eleito pelo Vlaams Belang, partido que pertence à bancada Identidade e Democracia no Parlamento Europeu, em declarações à Euronews.

O sucesso de Vlaams Belang enquadra-se no aumento do populismo e do extremismo por toda a Europa, mas as razões de natureza económica são há muito invocadas.

“Muitos flamengos consideram que estão a ser prejudicados pela Valónia, a parte sul do país, e que fariam melhor se fossem independentes. É o mesmo fenómeno que vimos com o Brexit, por exemplo", refere François Gemenne, politólogo da HEC Paris.

A separação "negociada"

A estratégia do Vlaams Belang é aliar-se ao partido conservador flamengo Nova Aliança Flamenga (NVA), após as eleições. Juntos, poderiam alcançar a maioria dos assentos no Parlamento Flamengo e, eventualmente, declarar a Flandres como um Estado soberano.

Algo que poderia ser feito de forma negociada e ordenada com o governo da Valónia, alegam. 

No entanto, as pessoas na cidade flamenga de Mechelen entrevistadas pela Euronews não parecem concordar.

"Na verdade, sinto-me belga. O nosso país já é bastante pequeno, por isso seria uma pena dividi-lo", disse  Sandrine, funcionária.  "Acho que não está bem porque a Bélgica já é um país pequeno. Não quero que seja muito menor", afirmou o estudante Jordy. A estudante Emily disse que prefre "continuar na Bélgica, como está agora".

O Vlaams Belang afirma que o eventual novo país continuaria a ser membro da União Europeia e da NATO. Contudo, outra das suas ambições é transformar a UE numa organização de cooperação económica entre nações soberanas, sem qualquer  integração federalista.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Milhares de pessoas manifestam-se contra a extrema-direita na Áustria

Líder de extrema-direita Geert Wilders anuncia que não será primeiro-ministro dos Países Baixos

Portugal reforça expansão da extrema-direita na paisagem da UE