EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Despesas militares na Europa mais elevadas do que no final da Guerra Fria

Tropas polacas e outras tropas da NATO participam nas manobras militares Steadfast Defender 24 em Korzeniewo, na Polónia, segunda-feira, 4 de março de 2024.
Tropas polacas e outras tropas da NATO participam nas manobras militares Steadfast Defender 24 em Korzeniewo, na Polónia, segunda-feira, 4 de março de 2024. Direitos de autor Czarek Sokolowski/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Czarek Sokolowski/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Tamsin Paternoster
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As despesas com a defesa e a segurança em toda a Europa aumentaram 16% entre 2022 e 2023, com a Polónia a mais do que duplicar o seu orçamento de armamento desde 2014.

PUBLICIDADE

As despesas militares na Europa Central e Ocidental são agora mais elevadas do que no último ano da Guerra Fria, segundo um novo relatório.

De acordo com os novos dados divulgados pelo Instituto Internacional de Investigação para a Paz de Estocolmo (SIPRI), a Europa assistiu a um aumento generalizado das despesas militares desde o início de 2022, atingindo um total de 552 mil milhões de euros em 2023.

O aumento é 16% mais do que os países em causa gastaram em 2022 e 62% mais em comparação com 2014, onde as despesas foram de 330 mil milhões de euros.

Com exceção de três países europeus membros da NATO - Grécia, Itália e Roménia - todos aumentaram as suas despesas militares em 2023.

Lorenzo Scarazzato, assistente de investigação do SIPRI, explicou à Euronews que a despesa militar na Europa tem vindo a aumentar todos os anos consecutivos desde 2014, quando a Rússia anexou a Crimeia.

Esta ação inicial e a invasão total da Ucrânia em 2022 levaram os governos europeus a aumentar os seus orçamentos de defesa a um ritmo sem precedentes.

"Não há dúvida de que, em 2023, o principal fator de aumento da despesa militar na Europa continuará a ser a invasão total da Ucrânia pela Rússia", afirmou Scarazzato.

Despesas mais elevadas na Europa Ocidental e Central

De acordo com o SIPRI, a tendência dos países da Europa Ocidental e Central para aumentarem os seus orçamentos militares é, em grande medida, uma reação ao aumento das despesas russas.

O Reino Unido foi o maior gastador militar da Europa em 2023, com as compras de armas a representarem 2,3% do seu produto interno bruto (PIB).

O Ministério da Defesa britânico anunciou este ano que iria aumentar este valor para 2,5%, embora o Chanceler do Tesouro, Jeremy Hunt, tenha admitido que as condições económicas internas significam que ainda não atingiu este objetivo.

A Alemanha também aumentou as suas despesas militares, com um enorme crescimento de 48% entre 2014 e 2023.

Em 2022, o governo alemão criou um fundo extra-orçamental para cumprir a meta da NATO de gastar anualmente 2% do seu PIB em defesa - uma meta que o país assinou em 2014, mas que não alcançou até este ano.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, comprometeu-se publicamente a transformar a atitude do seu país em relação à defesa e à segurança três dias após a invasão da Ucrânia.

Num discurso no parlamento que descreveu o momento como "Zeitenwende" (ponto de viragem), Scholz comprometeu-se a aumentar drasticamente as despesas de defesa do seu país e a reformar o seu exército.

A fronteira oriental

Enquanto os países da Europa Ocidental continuam a representar a maior parte das despesas militares totais do continente, os países da Europa Central estão a dar a sua maior contribuição para as despesas de defesa da Europa desde o fim da Guerra Fria.

A Polónia registou o maior aumento proporcional da Europa nas suas despesas com a defesa entre 2022 e 2023, gastando 3,8% do seu PIB em defesa em 2023 - ainda aquém do seu objetivo declarado de 4%.

Há muito que a Polónia faz do aumento das suas despesas com a defesa uma prioridade. O presidente polaco, Andrzj Duda, apelou aos membros da NATO para que aumentassem as suas despesas no início deste mês, citando preocupações de que o presidente russo, Vladimir Putin, estivesse a preparar-se para atacar a NATO nos próximos anos.

"Há uma tendência que mostra que os países que fazem fronteira ou que estão próximos da Rússia e da Ucrânia registaram alguns dos aumentos mais acentuados da década", diz Scarazzato. "Seria seguro assumir que isto se deve à perceção de ameaça acrescida face à anexação da Crimeia e à invasão em grande escala da Ucrânia."

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O dilema da Defesa da Europa: quanto dinheiro é preciso gastar?

Von der Leyen: "A despesa europeia com a defesa tem de ser acelerada"

Ataque russo com mísseis faz seis mortos em subúrbio de Kharkiv