EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Ataques contra políticos generalizam-se na Europa

Atentado contra Fico deu visibilidade ao fenómeno dos ataques a políticos
Atentado contra Fico deu visibilidade ao fenómeno dos ataques a políticos Direitos de autor Captura de vídeo de AP
Direitos de autor Captura de vídeo de AP
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O atentado contra o primeiro-ministro eslovaco Robert Fico foi o último de uma série de episódios. Em França e na Alemanha, as agressões têm-se multiplicado.

PUBLICIDADE

A violência política está a aumentar na Europa. O atentado de quarta-feira contra o primeiro-ministro eslovaco Robert Fico marca um ponto de viragem que não se registava há muitos anos. Desde há vários anos, os Estados-membros têm vindo a observar um aumento dos atos de violência e do seu grau de gravidade. O clima político geral, com a ascensão dos extremos, tanto à direita como à esquerda, e a aproximação das eleições europeias explicam em parte estes acontecimentos, mas as raízes do mal são mais profundas, dizem os peritos.

Explica Éric Maurice, investigador do Centro de Política Europeia: "É verdade que, por um lado, podemos ver nos resultados eleitorais um aumento dos extremos, das forças radicais, tanto à direita como à esquerda, com uma linguagem política cada vez mais desinibida, com violência verbal, com ataques ad hominem também no debate político. Depois, há uma radicalização, uma polarização da sociedade e uma dificuldade em debater com adversários políticos que muitas vezes se tornam inimigos."

Desde o início do ano, 22 políticos foram atacados na Alemanha, incluindo o eurodeputado social-democrata Matthias Ecke. A violência física ou verbal contra representantes eleitos quase duplicou na Alemanha nos últimos cinco anos. Segundo a polícia federal alemã, houve 2.790 incidentes no ano passado.

O fenómeno é idêntico em França. De acordo com o Ministério do Interior, haverá 2.265 queixas ou relatórios em 2022, um aumento de 32% em relação a 2021. Segundo as autoridades, o ano de 2023 é ainda mais preocupante, com 2387 ataques, alguns dos quais violentos, registados nos três primeiros trimestres. No entanto, os fatores subjacentes a esta violência são multidimensionais.

Diz Éric Maurice: "No fundo, há também as condições sociais em que esta atmosfera se desenvolve. Porque é que tantas pessoas são suscetíveis à desinformação ou às teorias da conspiração, por exemplo? Porque já não confiam nas autoridades. Essa é uma questão muito complexa. Há o sentimento de vulnerabilidade, há o facto de não se sentirem consideradas pelas autoridades. Pode ser a sua situação económica pessoal, pode ser a sua situação pessoal em termos de coisas muito mais íntimas, mas que se traduzem numa desconfiança em relação à humanidade e às autoridades".

O perigo para a democracia europeia é também o facto de cada vez menos cidadãos se envolverem na política, ou muitos evitarem recandidatar-se por medo desta violência.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Violência contra políticos mancha campanha para as eleições europeias na Alemanha

Guarda-costas de Fico cometeram erros, diz perito em segurança

Senadora de Berlim agredida e levada para o hospital