EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

O que está por trás da última polémica de Milei com o governo espanhol?

Javier Milei
Javier Milei Direitos de autor AP Photo/Manu Fernandez
Direitos de autor AP Photo/Manu Fernandez
De  Aleksandar Brezar
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

As relações entre a Espanha e a Argentina atingiram o ponto mais baixo da história depois de o presidente populista argentino, Javier Milei, ter lançado acusações contra o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, e a mulher, Begoña Gómez, num comício de extrema-direita em Madrid, no domingo.

PUBLICIDADE

O presidente da Argentina, Javier Milei, não se coíbe de fazer declarações que chamam a atenção, mas desta vez, o Governo espanhol considera que foi longe demais.

Num comício de extrema-direita nos arredores de Madrid, no domingo, Milei gritou acusações ao primeiro-ministro Pedro Sánchez e à mulher deste, Begoña Gómez.

“Quando se tem uma mulher corrupta, digamos, a coisa fica suja, (mas Sánchez) leva cinco dias a pensar nisso”, exclamou Milei, perante os militantes do Vox, de Santiago Abascal, e Marine Le Pen, do partido francês Rassemblement National.

No início de abril, o primeiro-ministro espanhol anunciou que iria “parar e refletir” sobre o seu futuro político, depois de um tribunal local de Madrid ter aberto um inquérito preliminar contra Gómez devido a alegações de tráfico de influências.

Sánchez rejeitou as alegações contra Gómez como parte de uma campanha de difamação desencadeada por um meio de comunicação de extrema-direita conhecido por atacar políticos de esquerda.

O comentário enfureceu o governo socialista de Madrid, que exigiu um pedido de desculpas público e provocou a retirada do embaixador de Espanha em Buenos Aires “por um período indefinido”.

O Ministro dos Negócios Estrangeiros espanhol, José Manuel Albares, descreveu as palavras de Milei como um “ataque frontal à nossa democracia, às nossas instituições e à própria Espanha”.

“Um chefe de Estado estrangeiro não visita um país para insultar as suas instituições”, disse Albares à RTVE. Albarest também convocou o embaixador argentino em Madrid na segunda-feira.

“Insultaste-me primeiro"

O líder argentino ainda não apresentou um pedido de desculpas a Sánchez.

Em vez disso, o seu ministro do Interior, Guillermo Francos, afirmou que Madrid iniciou a polémica no início de maio, quando o ministro espanhol dos Transportes, Óscar Puente, acusou publicamente Milei de consumir “substâncias” durante a campanha presidencial do ano passado.

O próprio Milei criticou a acusação como “calúnia e insultos”, acusando o governo de Sánchez de provocar alegada “morte e pobreza” com as suas políticas socialistas.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros espanhol respondeu, rejeitando “as palavras infundadas” que “não correspondem às relações entre os dois países e povos irmãos”. 

Embora a Argentina seja uma antiga colónia espanhola, os dois países mantêm relações amistosas desde o Tratado de Paz e Amizade de 1863, assinado poucas décadas após a independência de Buenos Aires.

As relações historicamente fortes entre os dois países vieram ao de cima durante a Guerra das Malvinas, em 1982, causando receios no Reino Unido de que a Espanha pudesse ficar do lado da Argentina e invadir Gibraltar, um território britânico na Península Ibérica.

O estatuto de Gibraltar só foi resolvido a 31 de dezembro de 2020 através de um acordo conjunto entre Londres e Madrid.

Discussões no estrangeiro, problemas em casa

Os ataques a Sánchez são os últimos de uma longa série de declarações incendiárias de Milei contra líderes que considera de esquerda.

No passado, Milei denunciou o Papa Francisco como “um esquerdista nojento” e disse que o presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva era um “comunista zangado”.

A situação mais grave, até domingo, fora o facto de Milei ter classificado o presidente colombiano Gustavo Petro como “terrorista assassino”, o que levou o país sul-americano a expulsar vários diplomatas argentinos de volta a Buenos Aires.

PUBLICIDADE

Milei, um autodenominado “anarco-capitalista” conhecido pelas suas acrobacias publicitárias, como vestir-se de super-herói, brandir motosserras e esmagar piñatas, tudo para ilustrar os seus planos de “esmagar o sistema”, chegou ao poder em dezembro de 2023.

Desde que tomou posse, instituiu centenas de alterações às leis e regulamentos numa tentativa de travar a crescente taxa de inflação da Argentina - uma das mais elevadas do mundo.

Embora as medidas tenham dado alguns resultados a curto prazo, persistem os receios de que o abrandamento económico, a subida dos preços e o aumento da pobreza sejam um mau presságio para a nação sul-americana de cerca de 46 milhões de habitantes.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

André Ventura insiste no combate ao “socialismo e à corrupção” em evento do Vox em Espanha

Presidente da Argentina recebido em Madrid com protestos. Milei vai participar em evento populista

Argentina fora dos BRICS por decisão de Milei