EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Extrema-direita cresce em toda a Europa. O que pode acontecer?

Extrema-direita cresce em toda a Europa. O que pode acontecer?
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Monica Pinna
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A extrema-direita está a crescer em toda a Europa e pode perturbar o equilíbrio político nas próximas eleições europeias. Porquê? Quais são as consequências desse crescimento?

PUBLICIDADE

A euronews esteve na Alemanha e em Portugal para descobrir os rostos e os programas do AfD e do Chega. Dois partidos, dois países, um objetivo: mudar a Europa por dentro.

As sondagens sugerem que os partidos de extrema-direita e ultra-conservadores poderão tornar-se a terceira maior força no próximo Parlamento Europeu.

A Alemanha elege o maior número de deputados europeus entre os Estados-Membros da União Europeia, 96. O partido de extrema-direita alemão Alternativa para a Alemanha (AfD) poderá eleger 20 deputados para o Parlamento Europeu.

Segundo as sondagens, a popularidade da AfD continua em alta, apesar dos vários escândalos que envolvem os seus membros.

Recentemente, o partido foi excluído do grupo de extrema-direita Identidade e Democracia do Parlamento Europeu devido ao facto de o seu principal candidato, Maximilian Krah, ter dito a um jornal italiano que nem todas as SS nazis eram criminosas.

“Precisamos de mais poder para os Estados nacionais e de menos competências em Bruxelas. Precisamos de mais competitividade. Mas precisamos de uma abordagem comum no que diz respeito aos acordos comerciais, às alfândegas e às orientações da política externa”, disse à euronews Maximilian Krah, cabeça de lista da AfD às eleições europeias.

"Os populistas autoritários estão a tentar mudar as regras da democracia a partir de dentro"

No Estado da Turíngia, a AfD tem fortes hipóteses de se tornar a principal força política no novo Parlamento regional, apesar de estar a ser vigiada pelas suas ligações aos neonazis.

Björn Höcke, líder da AfD na Turíngia e principal candidato às eleições regionais, foi recentemente condenado a uma multa por ter usado deliberadamente um slogan nazi proibido num discurso de campanha. Há cinco anos, um tribunal considerou que ele podia ser, justificadamente, chamado de “fascista”.

De acordo com os especialistas do “Projeto Turíngia”, a democracia está sob pressão em toda a Europa, uma vez que os populistas autoritários estão a tentar mudar as regras da democracia a partir de dentro:

“Na Turíngia, um ministro-presidente da AfD pode abolir o serviço público de radiodifusão com uma assinatura. Pode influenciar a política cultural nas escolas e estabelecer prioridades de forma diferente. E tudo isto são opções formalmente legais, mas que estão a causar problemas à nossa democracia como um todo”, disse Friedrich Zillessen, editor do Blogue da Constituição e do Projeto Turíngia.

Comemoração do 25 de abril em Lisboa
Comemoração do 25 de abril em LisboaPinna, Monica

O caso português

Em Portugal, um voto de protesto levou um grupo de direita radical para o centro do palco político.

Nas eleições legislativas de março, o partido de extrema-direita Chega conquistou 50 lugares no Parlamento. Tornou-se a terceira força política de Portugal.

O partido foi fundado por André Ventura em 2019. Em apenas cinco anos, o Chega passou de 1,3% dos votos para 18% nas eleições legislativas.

“A melhor maneira de defender a Europa não é desmantelar a União Europeia, mas não podemos deixar que a UE destrua a identidade de todos os países e defina coisas como a imigração, a nossa política fiscal, a nossa política económica. O que comemos, o que podemos comer ou não”, disse à euronews André Ventura.

Apesar das divisões e fissuras, a extrema-direita europeia parece ter vindo para ficar.

Será que os partidos radicais vão ter votos suficientes nas próximas eleições europeias para influenciar as políticas da UE?

Uma coisa é certa: as eleições de junho serão um teste à democracia liberal e à Europa tal como a conhecemos.

clique no vídeo acima para ver reportagem completa

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Geórgia numa encruzilhada à medida que lei da influência estrangeira aprofunda divisões

Polónia quer estar pronta caso haja um ataque da Rússia e pede à UE para dar mais armas à Ucrânia

O futuro da Europa: dos combustíveis fósseis à dependência dos metais?