EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Trump torna-se o primeiro ex-presidente dos EUA a ser condenado por crimes dolosos

O ex-presidente Donald Trump deixa o tribunal depois de um júri o ter considerado culpado de todos os 34 crimes do seu julgamento criminal, 30 de maio de 2024
O ex-presidente Donald Trump deixa o tribunal depois de um júri o ter considerado culpado de todos os 34 crimes do seu julgamento criminal, 30 de maio de 2024 Direitos de autor Justin Lane/AP
Direitos de autor Justin Lane/AP
De  Euronews com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

Trump poderá, em teoria, ser condenado a uma pena de prisão, embora os juristas digam que o mais provável seja uma multa.

PUBLICIDADE

O antigo presidente dos EUA, Donald Trump, foi considerado culpado das 34 acusações de falsificação de registos comerciais num esquema de suborno para influenciar o resultado das eleições de 2016.

Trump é o primeiro ex-presidente de sempre a ser considerado culpado de crimes na história dos Estados Unidos. Foi acusado de ocultar um pagamento feito pelo seu advogado à antiga estrela de filmes para adultos Stormy Daniels para comprar o seu silêncio antes das eleições presidenciais.

Em declarações à margem do tribunal, Trump considerou o julgamento uma “vergonha”.

“Não fizemos nada de errado. Sou um homem muito inocente, e está tudo bem. Estou a lutar pelo nosso país. Estou a lutar pela nossa Constituição. Todo o nosso país está a ser manipulado neste momento. Isto foi feito pela administração Biden visando ferir ou magoar um adversário, um adversário político”, declarou o ex-presidente após conhecido o veredito.

Entretanto, o procurador distrital de Manhattan refutou que “a única voz que importa é a voz do júri”.

“Embora este arguido possa ser diferente de qualquer outro na história americana, chegámos a este julgamento e, em última análise, a este veredito, da mesma forma que qualquer outro caso que chega às portas do tribunal, seguindo os factos e a lei e fazendo-o sem medo ou favor”, disse o procurador Alvin Bragg.

No centro das acusações estão os reembolsos ao ex-advogado de Trump, Michael Cohen, num total de 130 mil dólares (cerca de 120 mil euros) para manter o seu silêncio, e Trump também pagou à atriz pornográfica Stormy Daniels em troca de não vir a público com a sua alegação sobre um encontro sexual com Trump em 2006.

Os procuradores disseram que os reembolsos foram falsamente registados como “despesas legais” para esconder a verdadeira natureza das transações.

Poucos minutos depois de Trump ter sido condenado, a administração Biden divulgou um comunicado em que afirmava que “ninguém está acima da lei”.

Até 20 anos de prisão

As acusações que Trump enfrenta são puníveis com penas de até quatro anos de prisão cada, embora o estado de Nova Iorque limite a pena para este tipo de crime a 20 anos de prisão. O ex-presidente sempre negou ter cometido qualquer ato ilícito, alegando inocência e que está a ser vítima de perseguição política. Este julgamento é apenas um dos seis casos - quatro criminais e dois civis - que Trump enfrenta.

No dia 11 de julho será conhecida a condenação que será a pena de prisão, embora os peritos jurídicos digam que o mais provável seja uma multa.

A condenação vai afetar a candidatura de Trump à presidência?

O advogado de Trump declarou que irá requerer o recurso da decisão do juiz em breve, mas Trump deverá candidatar-se à presidência no outono como criminoso condenado, uma condição que não impede a candidatura nos EUA.

No entanto, se for eleito, o novo presidente não poderá utilizar o poder de indulto para si próprio, uma vez que o crime pelo qual foi condenado em primeira instância é de natureza estadual e não federal (apenas a governadora do Estado de Nova Iorque, a democrata Kathy Hochul, o poderá fazer).

Trump vai transformar o veredito de culpado para conquistar o seu eleitorado

Trump vai voltar à campanha nesta sexta-feira com uma conferência de imprensa anunciada desde a Trump Tower em Manhattan.

A sua equipa de campanha já estava a preparar-se para um cenário de culpado há dias, mesmo quando mantinham a esperança. Na terça-feira, Trump disse que nem mesmo a Madre Teresa de Calcutá poderia vencer as acusações, que ele rotulou repetidamente de “manipuladas”.

Na quarta-feira, os seus principais assessores divulgaram um memorando em que insistiam que o veredito não teria qualquer impacto nas eleições, quer Trump fosse condenado ou absolvido.

Campanha de Trump recebe pico de donativos logo após a sentença

Após a condenação na sexta-feira, a campanha de Trump lançou uma série de apelos à angariação de fundos e os aliados do Partido Republicano juntaram-se-lhe. Uma mensagem de texto chamou-lhe “prisioneiro político”. A campanha também começou a vender bonés pretos “Make America Great Again” para refletir um “dia negro na história”.

PUBLICIDADE

Segundo os assessores relataram, uma onda imediata de contribuições tão intensa que a WinRed, a plataforma que a campanha utiliza para angariar fundos, caiu.

O porta-voz da campanha de Trump, Brian Hughes, citou a efusão de apoio como um sinal “de que os americanos viram este julgamento falso como a interferência política eleitoral que Biden e os democratas sempre pretenderam”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Regresso de Donald Trump pode deixar a Europa "sozinha", alerta De Croo

Milhares de túmulos iluminados não deixam apagar a memória do Dia D

Biden anuncia restrições aos pedidos de asilo para "controlar a fronteira" com o México