EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Petróleo: AIE prevê excesso de oferta até meados de 2017

Petróleo: AIE prevê excesso de oferta até meados de 2017
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com Reuters, EFE
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Agência Internacional de Energia estima que um acordo entre países produtores permitiria estabilizar rapidamente o mercado.

PUBLICIDADE

O excesso de petróleo no mercado deverá prolongar-se até meados de dois mil e dezassete. A Agência Internacional de Energia é menos otimista do que a petrolífera saudita, Aramco.

Este estima que o mercado já está a recuperar e deverá melhorar ainda mais no próximo ano, a tempo da sua entrada na bolsa, talvez, em 2018.

Dois anos de preços baixos debilitaram as empresas do setor. O presidente da Aramco, Amin Nasser, adianta: “A indústria do petróleo e do gás tem sido abalada pelo colapso das receitas, pelos cortes laborais e pelos encerramentos. De facto, se o mercado continuar frágil, estimamos que cerca de um bilião de dólares de investimento seja adiado ou cancelado até ao final da década”.

Os cortes no investimento, segundo Nasser, terão consequências no futuro. O chefe da Aramco alerta para os riscos de um colapso da produção na próxima década.

Segundo a AIE, um acordo entre os países da OPEP e a Rússia permitiria estabilizar rapidamente o mercado. Mas a Rosneft, que produz 40% do petróleo russo, não parece disposta a compromissos.

O presidente do grupo, Igor Setchin, declarou que não pretende baixar a produção no quadro de um eventual acordo da OPEP. Uma declaração dura depois de Vladimir Putin ter aberto a porta a um entendimento.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

BCE mantém as taxas de juro inalteradas, uma vez que o controlo da inflação continua a ser fundamental

O sentimento económico da Alemanha desce mais do que o esperado: A recuperação está em risco?

A reeleição de Trump poderá afetar a economia europeia em 150 mil milhões de euros