EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Alemanha está a exportar muito pouco e 2017 poderá ser ainda pior

Alemanha está a exportar muito pouco e 2017 poderá ser ainda pior
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A maior economia europeia tem-se valido sobretudo do consumo privado, mas o impacto perspetivado pelo "Brexit" e pelas políticas protecionistas de Donald Trump não parece nada bom.

PUBLICIDADE

O volume de exportações da Alemanha recuperou em outubro a um ritmo mais baixo do que o esperado, o que leva a rever também em baixa o impacto do comércio no crescimento da maior economia europeia neste derradeiro trimestre de 2016.

Nos últimos 12 meses, as exportações germânicas revelam-se praticamente estagnadas, com um crescimento muito ténue ao ritmo médio mensal de apenas 0,1 por cento. Desta forma, percebe-se que tem sido sobretudo o consumo privado e o aumento da despesa do Estado que têm vindo a dar “gás” à economia alemã.

German exports struggle to recover in uncertain global market https://t.co/Xt4NCyO7RJ via ReutersUK</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/euro?src=hash">#euro</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/germany?src=hash">#germany</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/forex?src=hash">#forex</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/fx?src=hash">#fx</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/eurusd?src=hash">#eurusd</a> <a href="https://twitter.com/hashtag/eur?src=hash">#eur</a></p>&mdash; Jack and Jill Forex (JackAndJillFx) 9 de dezembro de 2016

Com a esperada desvalorização da libra provocada pelo “Brexit” e as anunciadas políticas protecionistas de Donald Trump, o presidente dos Estados a Unidos a partir de 20 de janeiro, o próximo ano não parece muito sorridente para as expectativas da Alemanha em manter as exportações como principal motor da respetiva economia.

Prevê-se que o consumo privado alemão venha a cair em 2016, arrastado por um aumento dos preços e uma redução generalizada dos salários, o que se prevê desencorajador para os consumidores alemães.

Mais do que nunca, a economia germânica parece vir a necessitar do apoio europeu e, por isso, não poderá virar a cara às necessidades de alguns dos seus parceiros, como Portugal, Espanha, Grécia, Itália ou até mesmo a França.

Germany will prefer to protect the EU which takes 50% of its exports rather than the UK which takes 7.5% https://t.co/o5h1gFJCZI#Brexit

— Nick Reeves – 48% (@nickreeves9876) 27 de novembro de 2016

(A Alemanha irá preferir proteger a União europeia, que absorve 50 por cento das suas exportações, do que o Reino Unido, que apenas adquire 7,5 por cento.)

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

BCE mantém as taxas de juro inalteradas, uma vez que o controlo da inflação continua a ser fundamental

O sentimento económico da Alemanha desce mais do que o esperado: A recuperação está em risco?

A reeleição de Trump poderá afetar a economia europeia em 150 mil milhões de euros