#Brexit: Serviços britânicos e irlandeses acompanham otimismo económico da indústria

#Brexit: Serviços britânicos e irlandeses acompanham otimismo económico da indústria
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Depois dos bons resultados já revelados pelo etor da produção industrial, também o PMI nos serviços se distanciou da contração, fechando o ano no Reino Unido nos 56,2 e na Irlanda nos 59,1.

PUBLICIDADE

Depois da produção industrial do Reino Unido se ter revelado imune ao “Brexit”, agora é também o setor dos serviços a dar mostras de não ter sido beliscado pelo resultado do referendo não vinculativo de junho passado.

De acordo com a Markit/CIPS, os serviços britânicos chegaram em dezembro aos 56.2, no índice de gestores de preços das empresas (PMI) do setor.

#UK service sector ends 2016 with strong expansion as #PMI hits 17-month high of 56.2 (Nov'16 – 55.2). https://t.co/vvB4UZQrc1pic.twitter.com/3dw8me2DoJ

— Markit Economics (@MarkitEconomics) 5 de janeiro de 2017

Para o responsável do gabinete de investimentos da CCLA, “o que estamos a observar é a recuperação do setor face aqueles dias mais aborrecidos que rodearam o referendo do ‘Brexit’ quando toda a gente parecia muito pessimista”. “Agora, existe uma expetativa mais realista de que todos podem continuar razoavelmente bem num contexto pós-‘Brexit’”, acreescenta James Bevan.

Também na Irlanda, o setor dos serviços registou a mesma reação positiva no final do ano passado depois do pessimismo revelado por alturas do referendo do vizinho Reino Unido.

Tida como o Estado-membro mais ameaçado pela saída britânica da União Europeia, a Irlanda revelou uma subida do PMI nos serviços para os 59.1, bem longe do nível de contração do setor (abaixo dos 50 pontos).

#Ireland services #PMI climbs to 59.1 in December (up from 56.0 in November), as new order growth hits 5-month high. https://t.co/a7Di2ZuH2ipic.twitter.com/lwHZb1btup

— Markit Economics (@MarkitEconomics) 5 de janeiro de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ataques ucranianos às refinarias de petróleo russas: qual é o impacto?

Onde é que na Europa existe maior desigualdade de riqueza?

Institutos alemães baixam para 0,1% perspetiva de crescimento do PIB deste ano