EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Forte criação de empregos nos EUA e Japão pode dar uma ajuda adicional

Forte criação de empregos nos EUA e Japão pode dar uma ajuda adicional
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com Reuters, AFP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A economia norte-americana criou 227 mil postos de trabalho no mês de janeiro.

PUBLICIDADE

A economia norte-americana criou 227 mil postos de trabalho no mês de janeiro. O número é o maior em quatro meses e supera as expectativas dos analistas. Estes esperavam 170 mil novos empregos.

Vendas a retalho, construção e serviços financeiros foram os setores onde houve maior criação de postos.

No entanto, a taxa de desemprego subiu uma décima para 4,8%, já que milhares de norte-americanos regressaram ao mercado do trabalho.

#US headline surprised: 227k #jobs created vs 180k expectations, however, #wage growth dropped to 2.5% from 2.8% – EnriqueDiazAlva</a></p>&mdash; Ebury (EburyUK) 3 de fevereiro de 2017

Trata-se do último relatório do emprego da era Obama e o primeiro da presidência de Donald Trump que, durante a campanha, tinha criticado as estatísticas oficiais estimando que não refletem a realidade.

Na conferência de imprensa de 11 de janeiro, Trump reiterou a promessa de criar empregos e declarou mesmo que “será o maior produtor de empregos que Deus já criou”.

Trump poderá vir a contar com a ajuda do Japão.

O governo nipónico está, segundo fontes internas, a preparar um plano que poderá criar 700 mil empregos nos Estados Unidos, com um investimento de 150 milhões de dólares em infraestruturas, durante dez anos.

O plano deverá ser apresentado pelo primeiro-ministro Shinzo Abe, na próxima semana, durante a visita aos Estados Unidos.

Ainda esta semana, Shinzo Abe afirmava que pretendia explicar a Trump que “só a indústria automóvel japonesa emprega um milhão de pessoas, sem contar com outros setores”.

Os países asiáticos e as respetivas multinacionais tentam manter o acesso ao importante mercado norte-americano, numa altura em que Trump retirou os Estados Unidos da Parceria Trans-Pacífico e ameaçou impôr taxas aduaneiras elevadas a produtos importados. São algumas medidas da política protecionista de Trump, cujo lema é “Primeiro a América”.

Meeting with biggest business leaders this morning. Good jobs are coming back to U.S., health care and tax bills are being crafted NOW!

— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) 3 de fevereiro de 2017

Thank you, Samsung</a>! We would love to have you! <a href="https://t.co/r5nxC9oOA4">https://t.co/r5nxC9oOA4</a></p>&mdash; Donald J. Trump (realDonaldTrump) 2 de fevereiro de 2017

These are the statistics that best underline the idiocy of our current president's economic policies. https://t.co/uxgcgr4oAs

— Francis Fukuyama (@FukuyamaFrancis) 31 de janeiro de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa