EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Brexit: Ministro das Finanças britânico reconhece consequências negativas para economia

Brexit: Ministro das Finanças britânico reconhece consequências negativas para economia
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O ministro das Finanças britânico reconhece que o “Brexit” vai ter consequências bem visíveis no dia a dia dos britânicos e na economia.

PUBLICIDADE

O ministro das Finanças britânico reconhece que o “Brexit” vai ter consequências bem visíveis no dia a dia dos britânicos e na economia. Mas Philip Hammond acredita que ser vai chegar a um acordo aduaneiro que garanta uma circulação fluida nas fronteiras. Hammond, em entrevistas dadas esta quarta-feira, lembrou que “ninguém na Europa continental quer que haja filas de camiões com produtos para tentar chegar ao Reino Unido.

Philip Hammond garantiu que “estamos focados em conseguir os melhores acordos para a futura relação do Reino Unido com a União Europeia, como parte do nosso plano para construir um futuro global do Reino Unido, ambos em relação ao nosso comércio internacional e ao parceiros de negócios, mas também em relação ao nosso plano ambicioso de reformar a nossa economia e a nossa sociedade”.

Mas entretanto continua a ser muito difícil de prever como vai reagir a economia britânica nos próximos meses.
Logo após o referendo mostrou alguma resistência e os efeitos negativos não foram sentidos. Mas uma sondagem publicada esta semana mostra que a percentagem de britânicos a prever uma melhoria da situação económica por causa do “Brexit” baixou de 39% para 29%. Já a percentagem daqueles que prevêem uma deterioração subiu de 42% para 53%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa