EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Brexit: Lloyd's of London relocaliza atividade europeia em Bruxelas

Brexit: Lloyd's of London relocaliza atividade europeia em Bruxelas
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com Reuters, Ansa, EFE
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A seguradora Lloyd’s of London vai instalar a sede europeia em Bruxelas.

PUBLICIDADE

A seguradora Lloyd’s of London vai instalar a sede europeia em Bruxelas. O anúncio foi feito um dia depois do Reino Unido ter iniciado o processo de saída da União Europeia.

O grupo vai transferir cem funcionários e pretende que o escritório esteja operacional no início de 2019, por forma a manter o acesso ao mercado único europeu.

Our new #European insurance company in #Brussels should be ready to write business for 1 January 2019 renewal season https://t.co/S8CQbur5Mi

— Lloyd's of London (@LloydsofLondon) 30 March 2017

Our HQ will continue to remain in #London. We are only moving our #EU business to #Brussels. More info here: https://t.co/vyZfPz8gxu#Brexit

— Lloyd's of London (@LloydsofLondon) 30 March 2017

O banco JP Morgan pondera também relocalizar as operações e cerca de mil funcionários de Londres para em Dublin, para continuar a operar na UE. Segundo fontes próximas do dossiê, o banco estará a negociar a compra de um edifício na capital irlandesa.

#brexit#Dublin#JPMorganhttps://t.co/Nx1hh3Vn73

— Patricia Forcén (@Pippipat) 30 de março de 2017

O analista Ralf Witzler, da Frankfurt Main Finance, estima: “As relocalizações poderão ser muito ambiciosas, sobretudo, da parte dos bancos americanos ou suíços, que operam na corretagem. Será muito complicado. Para os bancos comerciais a mudança é menos complicada, têm mais margem de manobra em termos de decisões. Já para a gestão de ativos a relocalização é rápida. A pressão é maior para os grandes bancos de investimento”.

O Brexit afeta também as companhias aéreas, como Ryanair, easyJet ou British Airways.

#Brexit: a rischio i voli Londra-Ue. I pericoli per #Ryanair, #easyJet, #BritishAirways e #Vuelinghttps://t.co/8Fm3csQHhH

— Andrea Marini (@marini_andr) 30 de março de 2017

Para a Ryanair o Reino Unido é o principal mercado, e além disso, mesmo se a companhia é irlandesa, poderá perder o acesso ao céu único europeu, devido à estrutura acionista.

Situação complicada também para a britânica easyJet, que nos últimos meses evocou a hipótese de pedir uma licença de voo num outro país da UE.

Segundo o jornal The Guardian, Bruxelas avisou as companhias aéreas de que não haverá exceções quando o Reino Unido deixar a UE. As empresas terão de relocalizar atividades na Europa ou perderão o acesso às grandes rotas.

#Brexit: a rischio i voli Londra-Ue. I pericoli per #Ryanair, #easyJet, #BritishAirways e #Vuelinghttps://t.co/8Fm3csQHhH

— Andrea Marini (@marini_andr) 30 de março de 2017

#easyJet may seek operating licence in #Malta or #Ireland, to be able to fly freely across the #EU after #Brexithttps://t.co/EPSB5zEBl1

— MaltaChamber (@Malta_Chamber) 14 de março de 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O mundo está a ficar mais rico, mas quem é que está a beneficiar?

Classificação dos salários médios europeus: qual é a posição do seu país?

Quais são os desafios económicos da segunda volta das eleições em França?