EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Crise migratória domina início da cimeira da UE

Crise migratória domina início da cimeira da UE
Direitos de autor REUTERS/Yves Herman
Direitos de autor REUTERS/Yves Herman
De  Rodrigo Barbosa com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Arrancou em Bruxelas aquela que promete ser a mais divisiva cimeira europeia dos últimos tempos, com a crise migratória a dominar o debate

PUBLICIDADE

Está em curso em Bruxelas aquela que é talvez uma das mais complexas cimeiras europeias dos últimos tempos. Apesar de não ser o único tema da agenda, a crise migratória acabou por dominar a ordem do dia e, desde a chegada dos chefes de Estado e de governo, as declarações sobre a questão serviram para frisar as profundas divisões.

Angela Merkel, chanceler alemã: "É claro que vamos falar de assuntos como a Frontex, gestão das fronteiras ou a imigração secundária - a questão, por um lado, dos Estados que tem de lidar naturalmente com um grande número de refugiados e que devem receber apoio e proteção e, por outro lado, dos refugiados e migrantes, que não podem escolher em que país pedem asilo."

A Itália está na primeira linha dos países do Mediterrâneo que exigem uma maior colaboração do resto da Europa para lidar com a vaga de migrantes e refugiados.

Giuseppe Conte, primeiro-ministro italiano: "A Itália já não precisa de garantias verbais, mais de ações concretas. É o momento de agir e, para nós, esta cimeira é o momento crucial. Para mim, pessoalmente, estou preparado para tirar todas as conclusões necessárias."

O primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, deu voz ao núcleo duro de países que prometem dificultar o debate, ao propôr simplesmente o fecho total das fronteiras:

"Espero que agora avancemos na direção da reconstrução da democracia europeia, fazendo finalmente o que pede o povo. E penso que o povo pede duas coisas: primeiro, que não entrem mais migrantes, que os paremos. E, segundo, que os que entraram, sejam reenviados."

Se, pelo menos em teoria, o debate sobre a crise migratória deverá centrar-se sobretudo no primeiro dia da cimeira, para o segundo ficam questões como o ponto da situação das negociações do Brexit - que têm atualmente como principal obstáculo o futuro da fronteira irlandesa - e a proposta franco-alemã para um orçamento da Zona Euro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Novo indício de que o BCE poderá vir a reduzir as taxas de juro na reunião de junho

O que está em alta e o que não está para as viagens e o turismo este ano?

Comissário europeu para a Economia sem arrependimentos apesar da reação negativa ao Pacto Ecológico