EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Ryanair com queda de 21% nos lucros

Ryanair com queda de 21% nos lucros
Direitos de autor REUTERS/Francois Lenoir
Direitos de autor REUTERS/Francois Lenoir
De  Luis Guita
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ryanair divulgou resultados financeiros que revelam que, apesar dos 243 milhões de euros de lucros, registou uma quebra de 21%. Para o diretor executivo da empresa, os Boeing 737 MAX e o Brexit sem acordo representam muitas interrogações.

PUBLICIDADE

A Ryanair divulgou resultados financeiros dececionantes na primeira metade do período de verão.

A maior transportadora de baixo custo da Europa apresentou um lucro de 243 milhões de euros, após impostos, o que revela uma quebra de 21% .

As tarifas caíram 6% em relação ao mesmo período do ano passado, uma tendência que a companhia disse que continuaria até ao final do verão.

Os principais fatores foram a concorrência de preços em vários mercados e a redução de gastos dos consumidores britânicos, enquanto o país se prepara para deixar a União Europeia em 31 de outubro.

"Um corte óbvio. se houver um Brexit sem acordo no final de outubro, serão as três rotas domésticas no Reino Unido. Cairão imediatamente. Há um ponto de interrogação a longo prazo sobre o Brexit sem acordo," fez saber o diretor executivo da Ryanair, Michael O'Leary.

A Ryanair enfrenta outro problema, as derrapagens em relação ao regresso ao serviço dos Boeing 737 MAX que continuam no solo. A empresa é um dos maiores clientes do avião.

Este mês reduziu o número de 737 MAX que pretende colocar a voar no próximo verão de 58 para 30, reduzindo pela metade o crescimento de passageiros para o ano, para 5 milhões de passageiros.

Michael O'Leary alertou que a companhia aérea não descarta a possibilidade de despedimentos se o retorno ao serviço dos Boeing se atrasar ainda mais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Greves e despedimentos na Ryanair: o que está em causa?

Microsoft compromete-se a investir 4,3 mil milhões de dólares em França

Perspetivas económicas da OCDE: Crescimento global estável esperado para 2024 e 2025