EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

World Travel Market: em busca de um novo modelo para o turismo

World Travel Market: em busca de um novo modelo para o turismo
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Damon Emblingeuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Numa altura em que o setor atravessa um período de mudança, os participantes do World Travel Market debateram e discutiram as novas tendências de consumo.

PUBLICIDADE

O World Travel Market, em Londres, reuniu milhares de representantes da indústria global das viagens. 

Numa altura em que o setor atravessa um período de mudança, os participantes debateram e discutiram as novas tendências de consumo.

Tóquio volta a abrir portas aos turistas

O gabinete de turismo de Tóquio marcou presença no evento para anunciar que a cidade está de novo aberta ao turismo, depois das restrições associadas à pandemia de Covid-19, que estiveram em vigor nos últimos anos.

Com a abertura das fronteiras, os visitantes já começaram a regressar ao Japão. Uma das estratégias para atrair turistas é promover os lados menos conhecidos de Tóquio.

"A maioria das pessoas pensa que Tóquio é uma cidade grande, uma zona urbana. Temos de mostrar o outro lado de Tóquio. As pessoas podem apreciar a cidade, mas também apreciar outras zonas menos conhecidas", afirmou Masashi Imai, diretor de marketing, do Gabinete de Turismo da cidade.

A sustentabilidade do turismo

Um dos temas em debate foi a sustentabilidade do turismo. Face à crise, muitos defendem que é preciso unir a indústria e pôr fim à rivalidade.

"O sol, o mar e a areia foram complementados com três outros motes: serenidade, espiritualidade e sustentabilidade. Em geral, há um determinado número de turistas. Se continuarmos a competir com Banguecoque, Kuala Lumpur e Singapura, ninguém vai ganhar. Temos de colaborar, pensar no Sudeste Asiático como um destino único. Acreditamos que com uma abordagem adequada em relação a um tipo de turismo personalizado e localizado, de menor dimensão, seremos capazes de oferecer melhores experiências e memórias", afirmou Sandiaga Salahuddin Uno, ministro do Turismo da Indonésia.

Uma nova geração que compra "experiências"

" Os Millennials estão a tornar-se progressivamente na geração que possui orçamentos maiores, e essa geração compra experiências, não compra apenas destinos. Por isso penso que determinados destinos vão continuar a atrair as pessoas mas vão propor outro tipo de coisas”, sublinhou Juliette Losardo, diretora de exposições do WTM.

As novas tecnologias e a recolha de dados dos consumidores ajudam a indústria das viagens a personalizar experiências, para atrair os mais jovens. As Filipinas propõem experiências na área do mergulho, com uma dimensão ecológica e educativa.

"Não é apenas o mergulho, dois dias de mergulho, duas ou três noites de mergulho nocturno, queríamos fazer uma operação de limpeza com mergulhadores. As pessoas podem ajudar a limpar as nossas águas. Podemos fazer sessões fotográficas debaixo de água para publicar no Instagram. E gostaríamos também de contar a história da vida marinha", contou Margarita Montemayor Nograles, responsável do Gabinete de Turismo das Filipinas.

A importância dos nichos de mercado

A Arábia Saudita quer atrair turistas e aposta na Internet para captar nichos de mercado.

"Se você e eu somos fãs do K-Pop, quer estejamos em Riade ou em Paris, fazemos parte da mesma comunidade. Por isso, as pessoas que apreciam a gastronomia ou fazer compras fazem parte de comunidades digitais. A ideia é compreender esses fenómenos e essas comunidades. Penso que é a forma como devemos abordar o turismo no futuro. São viagens movidas pela paixão", frisou Fahd Hamidaddin, presidente da Autoridade Saudita de Turismo.

Em 2023, Malta acolhe o EuroPride, pela primeira vez e espera tirar partido do evento a nível turístico.

"Malta tem sido classificada como um destino LGBTIQ de topo nos últimos sete anos. É uma prova do trabalho árduo que tem sido feito na área dos direitos civis. As nossas projeções iniciais indicam que haverá mais de 25 mil visitantes apenas para o EuroPride, no próximo ano. Tendo em conta que Malta é uma ilha tão pequena, significa que vamos receber muita gente", considerou Clayton Bartolo, ministro do Turismo, de Malta.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Setor do turismo procura esquecer pandemia de covid-19 em Berlim

Batumi aposta no turismo da natureza

Turismo português procura mão de obra em África