EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Estará a economia russa à beira do abismo?

Transeuntes posam à porta de boutiques de luxo no centro de Moscovo, apesar das sanções e da guerra. 21 de agosto de 2023.
Transeuntes posam à porta de boutiques de luxo no centro de Moscovo, apesar das sanções e da guerra. 21 de agosto de 2023. Direitos de autor AP Photo/Alexander Zemlianichenko
Direitos de autor AP Photo/Alexander Zemlianichenko
De  Andrey Poznyakov
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em russo

Apesar das previsões e declarações positivas das autoridades, os analistas prevêem uma deterioração acentuada da situação económica na Rússia.

PUBLICIDADE

O Presidente russo Vladimir Putin afirma que a economia russa é estável e fiável, apesar das sanções, da inflação e das flutuações da taxa de câmbio da moeda nacional. Muitos indicadores económicos podem, de facto, parecer relativamente bons, mas isso pode refletir os problemas fundamentais da Rússia", alertam os especialistas.

Alexandra Prokopenko, do Centro de Estudos Internacionais e da Europa de Leste (ZOiS), em Berlim, salienta o carácter mobilizador da economia do país:

"A economia russa está a trabalhar no limite, no limite absoluto das suas capacidades. E isso pode ser verificado, em primeiro lugar, por um indicador como o desemprego, que está a níveis historicamente baixos. Isto significa que não há literalmente ninguém para trabalhar no país. Quando não há ninguém para trabalhar, isso significa que as capacidades de produção estão esgotadas. Por isso, a economia russa está a fazer o seu melhor para ultrapassar a pressão que sofreu depois de Vladimir Putin ter decidido invadir a Ucrânia".

A situação vai piorar

As previsões de inflação, que parecem excessivamente optimistas, e a situação dos rendimentos estão também a preocupar os especialistas. O próximo ano pode ser muito mais difícil para os cidadãos e para a economia do país no seu conjunto", adverte Ruslan Grinberg, diretor do Instituto de Economia da Academia das Ciências da Rússia:

"Penso que vai ser pior, como se pode ver na balança comercial. Em primeiro lugar, vemos que as receitas de exportação estão a diminuir seriamente. E as receitas da exportação de petróleo são a nossa fonte de rendimento mais importante. Estas receitas já diminuíram 40-45% e parece que esta tendência vai continuar.

Greenberg chama a atenção para a baixa taxa média de crescimento anual da economia russa nas últimas duas décadas, em comparação com outros países e regiões, como os EUA e a UE. Atribui este facto à política das autoridades, que tendem a interferir ativamente nos processos económicos e a recorrer à "regulação manual".

De crise em crise

Prokopenko, por seu lado, observa que a Rússia já está a viver a sua quarta crise em 15 anos. Consequentemente, os gestores russos tornaram-se bons gestores de crises. "Mas será que conseguem gerir a economia em tempos de não-crise? - pergunta.

A analista espera uma grave deterioração da situação financeira e social do país após o fim dos combates activos na Ucrânia e a cessação dos contratos públicos que mantêm as empresas de defesa ocupadas. No entanto, diz, a hiperinflação e as prateleiras vazias das lojas, como nos anos 90, são improváveis na Rússia.

O governo russo melhorou recentemente a sua previsão de crescimento económico em 2023 para 2,8%, prevendo-se que o PIB aumente 2,3% no próximo ano. A taxa de desemprego, de acordo com os dados oficiais, caiu para 3,1% no verão, um recorde na história da Rússia moderna.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos

Eleições europeias: será que a onda de extrema-direita vai pressionar o sector das energias renováveis?