EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Da Índia à Europa: Oportunidades e desafios do novo Corredor Económico

Fotografia de ficheiro de trabalhadores num estaleiro de construção em Mumbai, Índia
Fotografia de ficheiro de trabalhadores num estaleiro de construção em Mumbai, Índia Direitos de autor Frank Augstein/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Frank Augstein/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Osama Rizvi
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Euronews Business analisa em pormenor o projeto do Corredor Económico Índia-Médio Oriente-Europa (IMEC).

PUBLICIDADE

Na cimeira dos líderes do G20, em setembro, Narendar Modi, primeiro-ministro da Índia, anunciou o Corredor Económico Índia-Médio Oriente-Europa (IMEC), que irá da Índia à Europa. Quando vai começar? E quais são as perspetivas e os desafios que vai oferecer à Europa?

O IMEC trabalhará com países como a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos (EAU), a Itália, a Alemanha e a França, bem como com a União Europeia e os Estados Unidos para fazer avançar o projeto.

A China fez algo semelhante com os seus vários mega projetos de rotas comerciais, como o Corredor Económico Regional Abrangente e a Iniciativa "Uma Faixa, Uma Rota". O país está também a construir vastas redes ferroviárias e rodoviárias para integrar ainda mais a região no comércio.

Entretanto, a Índia, uma economia global emergente (que recentemente ultrapassou o Reino Unido como a quinta maior economia) está agora a tentar competir com esta realidade - e este jogo de geopolítica representa uma oportunidade para a Europa.

O que implica o IMEC?

O projeto IMEC faz parte da Parceria para Infraestruturas e Investimentos Globais (PGII), que foi lançada em junho de 2022 e visa satisfazer as necessidades dos países de baixo e médio rendimento.

Os 4800 km do IMEC serão constituídos por um caminho de ferro, redes de transporte marítimo-ferroviário e outras vias de transporte. Será dividido em duas partes: O Corredor Leste, que ligará o Golfo Arábico à Índia, e o Corredor Norte, que ligará o Golfo à Europa.

Serão ligados portos famosos como Fujairah, Jebel Ali e Abu Dhabi nos EAU, Haifa em Israel, Mundra e Kandla na Índia, bem como portos na Grécia (Pireu), França (Marselha) e Itália (Messina).

Para ter em conta os problemas modernos e as questões políticas, será dada especial atenção ao aumento da eficiência dos transportes, à redução das emissões de gases com efeito de estufa e à criação de emprego.

Oportunidades para a Europa

A região do Médio Oriente e do Golfo tornou-se o centro do jogo das grandes potências. A influência da China é a mais forte e cresce todos os dias no Médio Oriente - uma região que não só está repleta de reservas de petróleo e de gás, como também alberga importantes pontos de estrangulamento que comandam a economia global.

Como tal, o IMEC permitirá à Europa estabelecer a sua própria influência no Golfo, frustrando quaisquer planos de influência exclusivamente chinesa. É também uma oportunidade para a Europa se libertar dos riscos de Pequim e Moscovo.

O IMEC tem também o potencial de reduzir o custo de transporte entre 30-40% dos portos europeus para as regiões a ele ligadas, como afirmou Ursula Von der Leyen nas suas observações no evento PGII, em setembro, em Deli.

"Será a ligação mais direta até à data entre a Índia, o Golfo Arábico e a Europa: com uma ligação ferroviária que tornará o comércio entre a Índia e a Europa 40% mais rápido; com um cabo de eletricidade e um gasoduto de hidrogénio limpo para promover o comércio de energia limpa entre a Ásia, o Médio Oriente e a Europa; com um cabo de dados de alta velocidade para ligar alguns dos ecossistemas digitais mais inovadores do mundo e criar oportunidades de negócio ao longo do caminho", afirmou.

O IMEC conta com um total de 8 signatários, que representam 40% da população mundial e mais de metade da economia mundial. Isto representa uma enorme oportunidade para a Europa se integrar ainda mais no futuro do desenvolvimento económico mundial.

Obstáculos a ultrapassar pela Europa

O maior obstáculo à realização do IMEC é a guerra no Médio Oriente, que deverá provocar atrasos significativos no projeto, ao pôr em causa os progressos realizados até à data no que se refere ao descongelamento das relações diplomáticas entre Israel e a Arábia Saudita. Para a Europa, será difícil navegar nestas complexas incertezas geopolíticas.

Além disso, continua a haver ambiguidade quanto ao calendário. Recentemente, os participantes não conseguiram convocar uma reunião obrigatória após 60 dias para implementar o "plano de ação" para o IMEC, tal como acordado na reunião original do G20. Também não há muitos pormenores sobre o financiamento - o desenvolvimento de ligações portuárias e ferroviárias, etc., exigirá milhares de milhões de euros, com estimativas que indicam que poderá custar até 8 mil milhões de dólares (7,4 mil milhões de euros).

PUBLICIDADE

Um dos maiores desafios para a Europa será garantir que a tecnologia, o dinheiro e outras infra-estruturas que serão criadas sob a égide do IMEC não serão utilizadas para promover ou beneficiar a influência da Rússia e da China.

Desde a guerra da Ucrânia, o papel do Médio Oriente para a Rússia aumentou significativamente. Nos primeiros cinco meses de 2023, os EAU exportaram para a Rússia componentes informáticos e equipamento eletrónico e de comunicações no valor de 233 milhões de dólares. Este é um grande aumento quando comparado com 2 milhões de dólares no mesmo período de 2022. Por outro lado, a China tornou-se o maior comprador de petróleo e gás do CCG.

A geopolítica do IMEC é complexa, uma vez que tanto a Arábia Saudita como os EAU - os países cujos portos desempenharão o papel principal na conetividade e no reforço do comércio - têm o estatuto de Parceiro de Diálogo na Organização para Cooperação de Xangai e é provável que o primeiro faça parte do bloco económico em ascensão BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), enquanto o segundo já aceitou o convite.

Numa altura em que o mundo se orienta para o minilateralismo - ou seja, pequenos grupos de países que cooperam para resolver questões coletivas ou perseguir objetivos - a IMEC oferece à Europa uma oportunidade para aumentar o seu comércio e melhorar o seu acesso aos mercados mundiais.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comissão Europeia revê em baixa crescimento económico em 2023-2024

Alemanha é a grande economia desenvolvida com o pior desempenho do mundo

Procurar apartamento para comprar: em que sítio da Europa será mais caro?