EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Crise dos requerentes de asilo na Irlanda: Serviços no ponto de rutura

Tendas ao longo do Grande Canal de Dublin.
Tendas ao longo do Grande Canal de Dublin. Direitos de autor IERTE/EBU
Direitos de autor IERTE/EBU
De  Eleanor Butler
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A falta de pessoal no sistema de saúde e a escassez de habitação são problemas que afetam a Irlanda há anos. Agora que o país se debate com um afluxo de requerentes de asilo, como é que o governo planeia apoiá-los - e aos seus residentes?

PUBLICIDADE

No início deste mês, Dublin fez manchetes internacionais. No coração da cidade, tinha surgido um acampamento ao longo da Mount Street, mesmo em frente ao Gabinete de Proteção Internacional do Estado. Durante vários meses, as tendas foram ocupadas por requerentes de asilo. Nigerianos, afegãos, paquistaneses - entre outros - tinham-se instalado ilegalmente, dormindo ao relento devido à falta de alojamento alternativo.

No dia 1 de maio, pouco depois do amanhecer, a polícia avançou para desmantelar o acampamento. De acordo com o governo, quase 300 homens não acompanhados foram transferidos de Mount Street para Citywest e Crooksling - também no condado de Dublin. Ainda em tendas, continuaram a aguardar os resultados dos seus pedidos de asilo. Esta foi a terceira vez que se registou um despejo de Mount Street. Cenas semelhantes tiveram lugar em redor do Grande Canal de Dublin.

Mudança de opinião sobre a imigração na Irlanda

De acordo com um estudo publicado pelo Instituto de Investigação Económica e Social (ESRI) em março, as atitudes em relação à imigração continuam a ser largamente positivas na Irlanda. Os dados mostram que o público se tornou mais acolhedor desde 2014, embora tenha havido uma mudança de opinião desde então.

No que diz respeito à imigração da UE, os sentimentos positivos diminuíram de um máximo de 92% em agosto de 2020 para 85% em junho de 2023. Relativamente aos imigrantes não comunitários, as atitudes mantiveram-se relativamente estáveis durante o mesmo período, mas diminuíram 6 pontos percentuais entre junho e novembro de 2023, fixando-se em cerca de 65%.

Para além disso, a imigração tem vindo a subir na agenda política. Em novembro de 2023, 14% dos inquiridos pelo ESRI afirmaram que a imigração era uma das duas questões mais importantes que a Irlanda enfrentava. Este valor é superior aos 3% registados em julho de 2022.

Porquê o aumento das frustrações?

Ao examinar as causas por detrás do aumento das frustrações, muitos especialistas apontam, em primeiro lugar, para um salto significativo nas chegadas. 5163 pessoas solicitaram proteção internacional na Irlanda durante os primeiros três meses deste ano, um aumento anual de 72%. Estes dados dão continuidade a uma tendência de longo prazo, com os pedidos do ano inteiro a quintuplicarem entre 2019 e 2023. De acordo com o Ministério da Justiça, os pedidos do ano passado diziam respeito principalmente a migrantes da Nigéria, seguidos por indivíduos da Argélia e do Afeganistão.

Os números de chegadas são ainda mais dramáticos quando se tem em conta os que fogem da guerra na Ucrânia, que são acolhidos através de um processo diferente. Entre 4 de março de 2022 e 4 de fevereiro de 2024, 104.870 refugiados ucranianos chegaram à Irlanda ao abrigo da Diretiva de Proteção Temporária, de acordo com o Gabinete Central de Estatísticas da Irlanda (CSO).

Camilla Devitt, professora assistente de sociologia no Trinity College Dublin, especializada em migração laboral, disse à Euronews que a frustração com os requerentes de asilo é parcialmente motivada pela falta de recursos. "O investimento inadequado nos serviços públicos e a dependência da prestação privada desses serviços é uma causa importante do aumento da preocupação do público em relação aos requerentes de asilo na Irlanda", afirma.

Em termos concretos, a provisão de habitação é um dos principais problemas que afetam a Irlanda, o que se verifica há muitos anos. Durante o período de expansão, a Irlanda assistiu a um forte aumento da construção privada, uma vez que os bancos estavam ansiosos por conceder empréstimos avultados. Após a crise, o Estado não investiu na habitação social, obrigando mais pessoas a recorrer ao setor do arrendamento. A falta de oferta é ainda agravada pela complexidade dos regulamentos de planeamento e pelo custo dos terrenos e da mão-de-obra, o que significa que a aquisição de casa própria - ou mesmo a procura de uma propriedade para arrendamento a preços acessíveis - se tornou um sonho impossível para muitos.

De acordo com os dados mais recentes do CSO, 13.866 adultos e crianças encontravam-se em situação de sem-abrigo na Irlanda em março deste ano - um aumento anual de 16%. Neste contexto, um relatório governamental sobre a habitação divulgado pela RTÉ no início deste mês também revelou que a Irlanda carece de 256.000 casas. Neste clima, há quem questione se o país está bem posicionado para abrir os braços aos imigrantes.

Sistemas de habitação e de saúde à beira do abismo

Não só a Irlanda se debate com a escassez de habitação, como o seu sistema de saúde está a ranger devido a limitações de capacidade. "Houve algumas melhorias dramáticas nos serviços de saúde", diz Gary Murphy, professor de política na Universidade da Cidade de Dublin, "mas é frequente ouvir falar de médicos de clínica geral que não podem receber novos pacientes, bem como de longos tempos de espera nos serviços de urgência".

Num relatório publicado pela OCDE no ano passado, 2,6% da população irlandesa declarou ter necessidades médicas não satisfeitas, acima da média da UE. As longas listas de espera foram a principal razão pela qual as pessoas não conseguiram receber cuidados adequados, sendo as pessoas com rendimentos mais baixos as mais afetadas. Apesar do aumento do investimento no sector, os especialistas afirmam que as deficiências estão, em última análise, relacionadas com o aumento da procura, o que resulta numa escassez de camas e de médicos.

À luz destas dificuldades de recrutamento, continua Gary Murphy, podemos também considerar os argumentos em torno da imigração numa outra perspetiva. Embora o aumento da população possa sobrecarregar ainda mais as instalações, "há um número significativo de imigrantes no serviço de saúde que, na verdade, o sustentam", explicou. "Não se pode ir a um hospital na Irlanda sem ser tratado, e muito bem tratado, por pessoas que não nasceram na Irlanda."

Não se pode ir a um hospital na Irlanda sem ser tratado, e muito bem tratado, por pessoas que não nasceram na Irlanda.
Gary Murphy
Professor de política na Universidade da Cidade de Dublin

Dos 29.573 médicos licenciados para exercer na Irlanda em 2023, 43,4% obtiveram a sua primeira qualificação médica fora do país. Por ordem decrescente, o Paquistão, o Sudão e o Reino Unido foram os três principais países para estes médicos formados no estrangeiro. Uma análise mais alargada da Goodbody Stockbrokers mostra que os cidadãos não irlandeses representam atualmente um quinto da força de trabalho da Irlanda.

Apesar dos argumentos económicos a favor da migração, a discussão em torno das fronteiras da Irlanda tornou-se, no entanto, particularmente espinhosa nos últimos meses. Este facto deve-se, em parte, à ascensão de actores extremistas, alguns dos quais estão agora a fazer campanha para cargos políticos com base numa plataforma anti-imigração. "Ponham-nos na rua" ou "a Irlanda está cheia" tornaram-se os gritos de guerra da extrema-direita. Nalguns casos, isto significa que as preocupações legítimas com a política de migração do governo foram confundidas com hostilidade racial.

"No contexto do agravamento da nossa crise de habitação e de custo de vida, os atores anti-imigração têm utilizado estas questões como armas contra as comunidades irlandesas desfavorecidas e promovido uma desinformação perigosa", afirma Fiona Hurley, diretora executiva do Nasc, o Centro para os Direitos dos Migrantes e dos Refugiados. Embora esta tendência se tenha verificado noutras nações europeias, a rápida ascensão de um político de extrema-direita e anti-imigração é ainda um território desconhecido para a Irlanda. Alguns explicam este facto apontando a história de migração da própria Irlanda, bem como a falta de uma distinção clara entre esquerda e direita, ao contrário do que se verifica noutros sistemas políticos.

Eleições iminentes e ascensão da extrema-direita

A 7 de junho, quando os irlandeses votarem nas eleições autárquicas e europeias, os comentadores estão céticos quanto à possibilidade de os partidos de extrema-direita virem a reunir uma percentagem significativa de votos. No entanto, quando se trata de imigração, isso não significa que estas vozes não influenciem a corrente dominante.

Precisamos de ver uma liderança corajosa que dê prioridade à habitação acessível e económica para pessoas de todos os grupos demográficos.
Fiona Hurley
CEO da ONG Nasc

"Precisamos de ver uma liderança corajosa que dê prioridade à habitação acessível e económica para pessoas de todos os grupos demográficos", diz Fiona Hurley, bem como uma "promoção da integração social através de financiamento específico". Enquanto o governo trabalha para resolver a atual crise de asilo, Hurley defende que as mensagens humanas devem ser uma prioridade quando se fala de todas as comunidades marginalizadas, locais ou migrantes.

PUBLICIDADE

A Euronews entrou em contacto com o gabinete do Taoiseach (primeiro-ministro irlandês) e com o Ministério da Justiça da Irlanda para a elaboração deste artigo. Nenhum dos dois pôde comentar o assunto.

Editor de vídeo • Ines Trindade Pereira

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa