EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Migração e falta de casas formam "tempestade perfeita" na Irlanda

Polícia mandou tirar as tendas de Dublin no mês passado
Polícia mandou tirar as tendas de Dublin no mês passado Direitos de autor Euronews
Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A onda migratória, aliada à falta de casas e à divulgação de notícias falsas, pode fazer crescer os populismos no país. Para já, ainda não apareceu nenhum político influente nesta área.

PUBLICIDADE

Na Irlanda, a onda de imigração, sobretudo de migrantes que antes estavam no Reino Unido e querem evitar a política do governo conservador britânico, que está a realojar estes requerentes de asilo no Ruanda, está a preocupar o país. Este problema vem juntar-se ao da falta de alojamento, o que faz com que milhares de migrantes não tenham para onde ir.

A polícia de Dublin retirou as tendas do centro da cidade no mês passado. Os requerentes de asilo, sem terem para onde ir, tinham-se instalado à porta do Gabinete de Proteção Internacional. Cenas semelhantes têm-se passado em redor do Grande Canal da capital irlandesa.

Há anos que a Irlanda se debate com falta de habitação e um sistema de saúde com falta de pessoal.

Diz Gary Murphy, professor de política na Universidade da Cidade de Dublin: "Há talvez aquilo a que se pode chamar uma tempestade perfeita. Há uma escassez de habitação no estado e há uma imigração significativa, que estão agora a colidir, e o governo está a ter dificuldade em lidar com isso”.

Há aquilo a que chamamos uma tempestade perfeita. Há uma escassez de habitação no estado e uma imigração significativa que estão a colidir.
Gary Murphy
Professor de política na Universidade da Cidade de Dublin

A Irlanda tem falta de 256.000 casas. De acordo com os números mais recentes do Gabinete Central de Estatísticas, 13.866 adultos e crianças estavam sem casa na Irlanda em março deste ano - um aumento anual de 16%.

Neste clima, há quem questione se o país está bem posicionado para acolher migrantes.

"É uma questão complicada, porque não se podem construir mais casas. Algumas questões são: A) o planeamento, B) o preço dos terrenos. Estes são dois dos principais problemas. O problema C) é o preço da mão-de-obra. Há pessoas que estão em listas de espera para casas do município ou do Estado há mais de uma década. Estas pessoas são inundadas por histórias, sobretudo falsas, de refugiados a quem foi concedida habitação antes deles. Portanto, isso está certamente a alimentar um elemento de extrema-direita", explica Gary Murphy.

Ao contrário de Le Pen, em França, ou de Meloni, em Itália, a Irlanda ainda não tem nenhum político influente com uma agenda anti-imigração. As próximas eleições europeias e locais irão testar o sentimento público.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Irlanda enfrenta cada vez mais protestos contra a imigração

Irlanda vai promulgar legislação para retomar envio de requerentes de asilo de volta ao Reino Unido

Crise imobiliária na Europa: O caso da Irlanda