EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

"Nebel im august": a história do programa de eutanásia nazi para eliminar doentes mentais e pessoas "inúteis"

"Nebel im august": a história do programa de eutanásia nazi para eliminar doentes mentais e pessoas "inúteis"
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

“Nebel im august” retrata o programa de eutanásia do regime nazi.

PUBLICIDADE

“Nebel im august” retrata o programa de eutanásia do regime nazi. O filme conta a história verídica de Ernst Lossa, assassinado aos 14 anos, num hospital psiquiátrico. O objetivo dos nazis era eliminar todos os doentes mentais. O ator Sebastian Koch incarna o papel do médico Valentin Faltlhauser, responsável pela morte de pelo menos 1200 pessoas.

“Para mim enquanto ator trata-se de incarnar a lógica e o ponto de vista da minha personagem. Por isso o espetador não me vê com um sorriso demoníaco. A minha personagem levanta-se de manhã, olha-se ao espelho e pensa que está a fazer um grande trabalho em prol do povo alemão, acredita na missão dele. É um dos aspetos fascinantes deste papel. O que hoje vemos como um crime, para ele não era nada de mal”, disse o ator alemão.

Não é a primeira vez que Kai Wessel retrata o nazismo. O realizador alemão é o autor de “Die Flucht” um telefilme de 2007 sobre a fuga dos refugiados da Prússia Oriental para escapar ao exercito vermelho em 1944. A obra foi vista por 2,4 milhões de espetadores no canal franco-alemão Arte.

Kai Wessel afirma que um dos grandes desafios para a produção do novo filme foi a escolha da personagem principal, o jovem Ernst Lossa.

“Fizemos um enorme trabalho ao nível do casting, e desde o início tornou-se claro que ele era um excelente candidato. Improvisámos bastante durante o casting. Queríamos ter a certeza absoluta de que era a pessoa certa para o papel. No final, tivemos a certeza de que o Ivo Pietzcker era a melhor escolha”, sublinhou o realizador.

“Gosto muito de história e leio muitos livros, incluindo livros de história e já sabia coisas sobre o programa de eutanásia antes de começar o filme”, contou Ivo Pietzcker.

O programa de eutanásia organizado de forma centralizada pelo regime nazi foi interrompido em 1941 e reorganizado a nível local, em vários hospitais psiquiátricos.

“Estou convencido de que o doutor Veithausen nunca se viu como um criminoso. Achava que fazia parte de um movimento científico de vanguarda e acreditava na sua missão. Acreditava por exemplo na missão de criar comida sem nutrientes para que os pacientes acreditassem que estavam a comer. Essas pessoas morriam de malnutrição e aos olhos dele é uma forma relativamente humana de morrer. Ele sentia-se orgulhoso pela sua invenção e foi aplaudido pelos nazis. Ele podia decidir após 1941 quem podia morrer e pensava poder matar de uma forma alemã ou seja eficaz, o que é perverso”, afirmou Sebastian Koch

Valentin Faltlhauser acabou por nunca ser preso e morreu em 1961. Estima-se que o programa de eutanásia nazi concebido para eliminar as pessoas consideradas doentes ou inúteis terá feito 300 mil vítimas mortais na Europa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

As gerações futuras vão poder manter uma conversa virtual com sobreviventes do Holocausto

"Denial": a batalha legal contra o negacionismo do Holocausto estreia no Brasil em março

Os grandes filmes dos Prémios do Cinema Europeu 2023