EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Cannes: Contagem decrescente para conhecer vencedor da Palma de Ouro

Cannes: Contagem decrescente para conhecer vencedor da Palma de Ouro
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
PUBLICIDADE

A contagem decrescente para conhecer o grande vencedor da Palma de Ouro na 70.ª edição do Festival de Cannes prossegue. As dúvidas dissipam-se este domingo mas até lá mantém-se a luta cerrada entre os vários filmes em competição.

A longa “120 batimentos por minuto”, do francês Robin Campillo, foi reconhecida, este sábado, pela crítica internacional como o melhor trabalho da competição oficial. Os jornalistas da imprensa estrangeira também tecem rasgados elogios.

“Em 120 batimentos por minuto sente-se a experiência apaixonante que o realizador teve com o movimento gay e pode perceber-se que está totalmente empenhado em criar uma vivência para o espetador de forma bastante vivaz. Foram duas horas e meia fantásticas”, lembra Karin Badt, do The Huffington Post.

As atenções concentram-se ainda em nomes como os de Naomi Kawase e Sergei Loznitsa.

“Descobrimos Naomi Kawase há precisamente 20 anos graças a ‘Suzaku’, a primeira longa-metragem que conquistou a Câmara de Ouro. Reencontrámo-la em Cannes há dez anos com ‘A Floresta dos Lamentos’, que venceu o Grande Prémio Especial do Júri. Se fosse o único elemento do júri seria ao filme ‘Hikari’ (Vers La Lumiére em francês) que atribuiria a Palma de Ouro”, diz Jean-Michel Frodon, da revista online Slate.fr.

Ben Croll, do website The Wrap.com, acrescenta: “Ao longo dos anos vi filmes bastante intensos em Cannes. Uma das razões porque gosto do filme ‘A Gentle Creature’, de Sergei Loznitsa, deve-se ao facto de tratar uma história que vimos ser abordada anteriormente em muitos filmes. Uma pessoa inocente é despedida e vê-se envolvida num mundo de burocracia e corrupção. No filme tudo é tratado de uma forma surrealista.

Entre os favoritos, também na luta pela Palma de Ouro, a par de outros 17 filmes, está “The Square”, uma crítica satírica à burguesia sueca.

A “Fábrica do Nada”, do realizador português Pedro Pinho, conquistou este sábado, o prémio da Federação Internacional de Críticos de Cinema (FIPRESCI).

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiros dois prémios do Festival de Cannes

Os grandes filmes dos Prémios do Cinema Europeu 2023

Monica Bellucci leva Maria Callas ao Festival de Cinema de Salónica