This content is not available in your region

Viver e trabalhar como expatriado nas Maurícias

Viver e trabalhar como  expatriado nas Maurícias
Direitos de autor  euronews   -  
De  Gorkem Sifael

Penny Jones , uma coreógrafa inglesa, e Ken Annandale , autor e orador sul-africano, são um casal expatriado a viver nas Maurícias.

Visitaram pela primeira vez as Maurícias para a lua-de-mel há 20 anos, "Lembro-me de caminhar por uma das praias e de dizer a mim mesma, se eu morrer amanhã, morrerei feliz porque realmente experimentei como é o paraíso", recorda Penny.

Quando Ken expressou o seu desejo de viver nas Maurícias a tempo inteiro, começaram a estudar as opções . "Fomos sempre empreendedores. Por isso concentrámos toda a nossa atenção no nosso negócio online  e mudámo-nos para cá permanentemente", disse Penny à Euronews.

Achava que era preciso ser-se milionário para se poder viver nas Maurícias, mas ficámos gratos e satisfeitos quando descobrimos que não é preciso ser milionário para se viver aqui...
Ken

O casal tem desfrutado das vantagens de gerir o seu negócio online a partir das Maurícias, passando tempo na praia, passeando de caiaque à volta da ilha e fazendo caminhadas. "É mágico e essa é a razão pela qual viemos aqui... o estilo de vida", diz Ken.

euronews
Ilhas Mauríciaseuronews

Quando Ken torceu as costas e precisou de uma operação nas Maurícias, o casal ficou impressionado com o nível de cuidados. "Foi um serviço de primeira... foi espantoso, e o cirurgião foi formado em França. Temos algumas enfermeiras espantosas nesta ilha. Durante um período de 40 dias, conseguiram controlar a inflamação e eu comecei a sentir-me novamente normal", disse Ken.

Penny e Ken têm vindo a aumentar a sua rede de empresários locais e expatriados que vivem na ilha, "Tenho novas ideias. Estou a desenvolver um novo software em conjunto com alguém na ilha", diz Ken.

O casal continua a procurar novas aventuras neste último capítulo das suas vidas e salienta a acessibilidade da vida na ilha, acrescentando: "Achava que era preciso ser-se milionário para se poder viver nas Maurícias, mas ficámos gratos e satisfeitos quando descobrimos que não é preciso ser milionário para se viver aqui".