Artista russo julgado por divulgar vídeo sexual de candidato à Câmara de Paris

O artista russo Piotr Pavlenski (à direita) e a sua companheira Alexandra de Taddeo (à esquerda)
O artista russo Piotr Pavlenski (à direita) e a sua companheira Alexandra de Taddeo (à esquerda) Direitos de autor AFP
De  Jonny Walfisz com AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O polémico artista russo Pyotr Pavlensky defendeu a divulgação de imagens explícitas do candidato de Macron à presidência da Câmara de Paris, Benjamin Griveaux, como "liberdade artística".

PUBLICIDADE

O controverso artista russo Pyotr Pavlensky e a sua companheira Alexandra de Taddeo começaram a ser julgados num tribunal francês por terem divulgado vídeos íntimos do político francês Benjamin Griveaux. Pavlensky defendeu-se perante a imprensa, alegando a sua "liberdade artística".

Em 2018, a estudante Alexandra de Taddeo, atualmente com 32 anos, teve uma relação com Griveaux, um político do partido La République En Marche! (LREM). Quando Griveaux se candidatou à presidência da câmara de Paris em 2020, Pavlensky publicou imagens do político a enviar mensagens íntimas a uma jovem e um vídeo explícito dele a masturbar-se num site chamado Pornopolitique.

A polémica em torno das imagens fez com que Griveaux abandonasse a sua candidatura a Presidente da Câmara de Paris. O site deixou de estar online três dias depois e Pyotr Pavlensky e Alexandra de Taddeo foram detidos. O julgamento, que começou na quarta-feira (28 de junho), coloca Pavlensky em risco de ser condenado a uma pena de prisão. Os advogados de acusação de Griveaux pediram seis meses de prisão para o artista de 39 anos e uma pena suspensa de seis meses para Alexandra de Taddeo.

Um dos artistas mais polémicos da Rússia

Pavlensky é um artista performativo bem conhecido e controverso, reconhecido pelas suas peças políticas infames que envolvem automutilação. Em 2012, Pavlensky coseu a boca para protestar contra a prisão da banda punk russa Pussy Riot. Em 2013, pregou os testículos em frente ao Mausoléu de Lenine, em Moscovo, para protestar contra as forças policiais russas.

O projeto artístico Pornopolitique, de 2020, é a tentativa de Pavlensky de lançar luz sobre os políticos que "impõem o puritanismo à sociedade ao mesmo tempo que a desprezam". Quando Pavlensky publicou as imagens de Griveaux no site, denunciou o político do LREM por "hipocrisia nojenta" e por fazer "propaganda dos valores tradicionais da família".

Ao chegar, na quarta-feira, ao tribunal de Paris, Pavlensky disse que a "liberdade artística" devia ser "o maior valor", antes de exclamar perante o tribunal que: "Hoje será o julgamento do meu oitavo evento artístico sujeito-objeto, o evento pornopolítico..."

VASILY MAXIMOV/AFP
Pavlensky a sair de um tribunal moscovita em 2016VASILY MAXIMOV/AFP

De Taddeo, atualmente estudante de História da Arte, afirmou que, durante "40 meses", as suas palavras foram "manipuladas e ridicularizadas". Declarando ter "exprimido tudo" no seu romance autobiográfico, acrescentou que "em momento algum quis apanhar" Griveaux.

Os juízes de instrução concluíram que Alexandra de Taddeo esteve diretamente envolvida na publicação dos vídeos. Durante o primeiro dia de julgamento, Pavlensky manteve-se em silêncio. Três atores representaram excertos da peça de Molière "Tartufo", enquanto uma curadora explicou que estava a expor o trabalho de Pavlensky em Amesterdão porque "questionar os códigos normativos é uma das forças e funções da arte contemporânea".

O advogado de Griveaux argumentou que ele está a apelar à "proteção" da privacidade como um "pilar da nossa civilização" e que: "Na realidade, o modelo que estão a pedir é o terror 2.0 nas mãos dos mais violentos". "A arte nunca foi um instrumento de denúncia para destruir vidas, um instrumento de totalitarismo, de puritanismo".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Como motivar a geração mais jovem a votar nas eleições europeias?

Exemplar raro de banda desenhada com a estreia do Super-Homem vendido por valor recorde de 5,5 milhões de euros

Alec Baldwin "não tinha controlo" sobre as suas emoções no cenário de "Rust", dizem os procuradores