Conheça Sandra Hüller - a estrela europeia que está a impressionar Hollywood

A Euronews Culture fala com Sandra Hüller, a estrela de Anatomia de uma Queda e de A Zona de Interesse, a estrela incontestada de 2023
A Euronews Culture fala com Sandra Hüller, a estrela de Anatomia de uma Queda e de A Zona de Interesse, a estrela incontestada de 2023 Direitos de autor Euronews - Le Pacte - A24
De  David Mouriquand
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Euronews Culture conversa com Sandra Hüller, a estrela indiscutível de 2023, que protagoniza os vencedores de Cannes "Anatomia de uma Queda" e "A Zona de Interesse" - dois dos melhores filmes deste ano. E os prémios já começaram a acumular-se...

PUBLICIDADE

Que ano foi este para Sandra Hüller.

A atriz alemã teve a sua estreia internacional em 2016 com o filme Toni Erdmann, de Maren Ade, que impressionou o público de Cannes na sua estreia e impulsionou a atriz para novos patamares fora da sua Alemanha natal. Os Óscares até bateram à porta, quando Toni Erdmann foi nomeado para um Prémio da Academia.

Mas este ano, Hüller esteve verdadeiramente no centro das atenções.

A atriz protagonizou dois dos melhores filmes de 2023: Anatomia de uma Queda, vencedor da Palma de Ouro de Cannes, no qual interpreta Sandra Voyter, uma romancista e mãe acusada de homicídio, e o drama sobre o Holocausto A Zona de Interesse, vencedor do Grande Prémio de Cannes, e um dos filmes mais importantes dos últimos tempos, no qual interpreta Hedwig Höss, a mulher do comandante de Auschwitz, Rudolf Höss, um dos assassinos em massa mais conhecidos da história.

A versatilidade que a atriz de 45 anos demonstrou no ecrã este ano é verdadeiramente impressionante, tendo suscitado comparações com Ingrid Bergman e Isabelle Hupert. Em conjunto, Anatomia de uma Queda e AZona de Interesse mostram uma atriz no auge da sua arte.

Com os dois filmes a serem muito premiados nos Estados Unidos e já com vários troféus conquistados na temporada de prémios deste ano, há todas as hipóteses de Hüller conseguir uma nomeação para o Óscar por protagonizar dois filmes em língua não inglesa.

Mas antes da entrega dos Óscares, em março, em que ambos os filmes concorrem como candidaturas oficiais de França e do Reino Unido ao Óscar de Melhor Longa Metragem Internacional, a Euronews Culture reuniu-se com a estrela indiscutível de 2023, em Berlim, para falar sobre os dois filmes, os desafios de interpretar uma nazi e o burburinho sobre os prémios que lhe são atribuídos.

Sandra Hüller
Sandra HüllerTaylor Jewell/ Invision/ AP

Euronews Culture: Comecemos por Anatomia de uma Queda. Li que não tinha a certeza se a personagem que estava a interpretar era culpada ou inocente e que a realizadora Justine Triet lhe disse que gostaria que a interpretasse como se fosse inocente. Como é que lidou com essa incerteza?

Sandra Hüller: Alguém me perguntou, quando fiz uma projeção na Roménia, se eu diria que é um filme sobre uma mulher acusada de matar o marido ou se é uma história sobre um filho cuja mãe é acusada de matar o pai. E acho que esta perspetiva é muito importante. Justine nunca quis perder o ponto de vista do rapaz. Ele não sabe. Ele também não sabe até ao fim. Portanto, trata-se apenas da nossa própria imaginação e do que somos capazes de pensar ou não pensar.

A maior parte das vezes, quando trabalho, tento não pensar apenas na personagem. Penso sempre no todo. Caso contrário, é demasiado limitado para mim. Tenho de pensar em todas as outras coisas também. É por isso que não foi tão difícil, porque queríamos contar outra coisa. Queríamos contar algo sobre como encontrar a verdade e como isso é possível. Não sei se consigo explicar melhor.

O filme brinca com histórias de detetives e é interessante quando falamos com pessoas que o viram - surge um padrão em que muitos espetadores do sexo masculino acreditam que foi ela...

É engraçado, não é? Mas eu não sabia. E debati-me com isso durante alguns dias, e depois decidi que isso não era importante. Queria dizer todas as frases para que as pessoas acreditassem no que eu dizia. E mesmo que alguém fizesse uma coisa de que ela é acusada, talvez em tribunal acreditasse que estava inocente. Tentei apenas ser credível no que digo.

No filme, a sua personagem também está a ser julgada por ser mulher, por ser bissexual, por não ser simpática com as outras pessoas. E por ser bem sucedida. Para além da intriga do "quem é o culpado", o filme fala sobre ser mulher na sociedade.

Ontem à noite, encontrei-me com uma amiga e ela disse-me: "Sabes, esta palavra feminista é usada de todas as maneiras, mas neste filme é um pouco apropriada". E é isso. É um filme real e verdadeiramente feminista. Mostra o comportamento normal que as pessoas teriam, e isso é uma afirmação.

Sandra Hüller in Anatomy of a Fall
Sandra Hüller in Anatomy of a FallLe Pacte

Tive o prazer de falar com Agnieszka Holland e ela disse que, neste momento, precisamos de mais filmes audazes, filmes ousados, filmes que, como diz, façam uma declaração. É algo que procura quando escolhe os seus papéis? E, especificamente, tendo em conta os tempos tumultuosos em que vivemos, filmes que tenham algo a dizer para além do seu valor artístico.

Penso que qualquer escolha de um papel é política. Mesmo que se diga: "Não quero lidar com política agora porque preciso de uma pausa e quero fazer algo que seja fácil para mim. Isso também é uma decisão política. Por isso, sim, estou de acordo. Precisamos de filmes que arrisquem algo. E precisamos de pessoas que tenham uma voz forte e que se atrevam a articulá-la.

Justine (Triet) dá-nos muita liberdade de criação e dá-nos muitas possibilidades de talvez não fazermos a coisa certa. Mas nunca é mau. Ela nunca diria "Isso é mau, vamos fazer outra vez". E há algumas pessoas que fazem isso. Ela dá todo o tipo de possibilidades e quer encontrar o caminho da história com toda a gente. E depois, na sala de montagem, ela olha para as cenas e vê o que vai fazer com elas. Para um ator como eu, é uma coisa muito boa, porque posso fazer tudo e tornar a personagem o mais rica possível.

Sandra Hüller (second from right) with Justine Triet (center) and the cast of Anatomy of a Fall for the Cannes Palme d'Or win this year
Sandra Hüller (second from right) with Justine Triet (center) and the cast of Anatomy of a Fall for the Cannes Palme d'Or win this yearDaniel Cole/AP

Tem dito abertamente que estava relutante em interpretar uma mulher fascista, partilhando que nem sequer tinha a certeza se iria aparecer na audição para A Zona de Interesse... Como é que Jonathan Glazer a fez sentir-se à vontade e a convenceu de que a sua abordagem seria diferente da que já vimos em filmes sobre o nazismo e o Holocausto?

PUBLICIDADE

Ele foi muito honesto, mas não me fez sentir à vontade! Ele estava muito consciente do facto de que nunca haveria um "momento à vontade" durante este período de filmagens. Nunca. E mesmo agora. É uma coisa tão importante mostrar e contar, e fazer as pessoas sentirem, porque é isso que este filme faz. Faz com que as pessoas sintam realmente o horror que aconteceu e faz com que vejam como é fácil ir ao local onde a família Höss estava - fechar os olhos a tudo o que está a acontecer na porta ao lado, ou nas fronteiras europeias, sejamos muito abertos.

Vê-se toda a política de cada país. No meu país, também. Fazemos muitas coisas por conveniência, e estas foram coisas de que falámos constantemente para A Zona de Interesse. Respeitava muito o ponto de vista (de Glazer), as decisões artísticas que tomava, e o facto de não fazer uma história dramática sobre um casal fascista, ou usar o Holocausto como tela para uma história emocional sobre uma família. Isso é algo que me enoja, para ser sincera. Ele escolheu outro caminho. Mostrou as vidas mais aborrecidas, básicas e banais que se pode imaginar - pessoas que só querem um pouco mais, sabe, só para ter um bom jardim, as crianças em paz, e que não se importam com o que se passa na casa ao lado. Foi isso que ele fez, e achei-o apropriado.

Jonathan Glazer disse que não gosta destas narrativas dramáticas nos filmes de Hollywood sobre o Holocausto. Disse que é muito fácil simpatizar com a vítima . Qual é a sua opinião sobre os filmes de Hollywood que abordam este tema?

Penso que o que ele quis mostrar é quão ténue é a linha que nos separa deles. Porque, como disse antes, temos muita ignorância nas nossas vidas para podermos viver uma vida cómoda e tranquila. Temos tendência para desviar o olhar. Quando olho para o filme de Agnieszka Holland, Green Border, isso é algo em que devíamos pensar todos os dias. O que era importante para (Glazer) não era mostrar os sentimentos destas pessoas, mas mostrar o quanto temos em comum com elas. Assim, quando olhamos para o que ele fez, para o que nós fizemos lá, fazemos uma ligação a nós próprios. Algumas pessoas com quem falei já fizeram essa ligação. E sentiram-se, não diria culpadas, mas estavam muito conscientes da quantidade de trabalho que tiveram para desviar o olhar. E acho que é muito importante que ele tenha tentado fazer isso.

Sandra Hüller in The Zone of Interest
Sandra Hüller in The Zone of InterestA24

Tendo em conta que estamos a falar de Anatomia de uma Queda e de A Zona de Interesse em simultâneo, porque são lançados na mesma altura e está nomeada para prémios por ambos os filmes, falar de ambas as personagens fá-la refletir sobre a forma como pensa sobre elas? E estabelece algum paralelo entre as duas - o facto de serem personagens bastante inescrutáveis, por exemplo?

PUBLICIDADE

Não. (risos) Este período de trabalho foi um período longo. Começou com A Zona de Interesse. Depois fui para um filme alemão chamado Sissy and I. E depois foi Anatomia de uma Queda. Por isso, tive de fazer uma ligação interna, ou uma ligação de tarefas, entre os três. Caso contrário, não teria sido possível. Porque quando se está num projeto que lida com o fascismo e, depois disso, se passa por uma peça de época sobre Sissi, uma personagem que é completamente livre e que não julga nada, que sente tudo, que diz tudo o que lhe vem à cabeça... Tentei usar isto para me livrar do primeiro. E depois, ficar feliz por passar para uma mulher completa e madura que assume a responsabilidade por tudo o que faz e sente. Sandra Voyter é uma mulher que não está a pedir desculpa por nada. Talvez isso seja uma ligação, agora que penso nisso, porque acho que ela não estava a fazer nada de errado.

Sandra Hüller (second from left) for the premiere of Jonathan Glazer's The Zone of Interest
Sandra Hüller (second from left) for the premiere of Jonathan Glazer's The Zone of InterestVianney Le Caer/Invision/AP

Foi nomeada para vários prémios, por vezes duas vezes na mesma categoria por estes dois papéis - algo que não acontece muitas vezes. Muitos estão mesmo a prever que está a caminho de uma nomeação para um Óscar...

Onde está a minha bola de cristal? (risos) O que é que eu posso dizer sobre isto? Não conheço a história das nomeações duplas. Não procurei saber. Ambos os trabalhos são extremamente importantes para mim - a nível pessoal, artístico e profissional. Levaram-me a um lugar como atriz que nunca pensei ser capaz de alcançar. Por isso, tenho muita sorte por ter conhecido estas duas equipas e por termos sido capazes de fazer estes dois tipos de filmes tão diferentes um do outro e ambos tão sérios - talvez seja também isso que os liga! Estou muito feliz por as pessoas reconhecerem isso e por me darem a oportunidade de viajar com estes filmes pelo mundo.

Esse tipo de reconhecimento de prémios é importante para si?

Não posso dizer nada sobre isso. Está realmente fora do meu controlo. Quero dizer, seria muito, muito emocionante. Mas não sei como lidar com isto na minha cabeça, e este é um sistema que não compreendo. Não conheço as regras. Não sei o que é preciso fazer para ser visível. Há muitos estúdios envolvidos neste tipo de percurso e são eles que tomam as decisões. Por isso, não posso dizer nada!

PUBLICIDADE
Sandra Huller
Sandra HullerVianney Le Caer/Invision/ AP

Já que estamos a falar de Óscares e de Hollywood, um acontecimento importante que ocorreu este ano foi a greve dos atores, que já terminou. No passado, falou muito abertamente sobre o seu papel na indústria, especificamente no que diz respeito ao teatro durante a COVID. Teme que uma situação semelhante possa acontecer na Europa, com o papel invasor da IA e o facto de alguns estúdios parecerem ver os atores essencialmente como veículos de conteúdos?

Não me parece. É interessante porque estava a pensar na possibilidade de greve e se seria possível na Europa ou em qualquer país europeu. O fenómeno da união foi realmente impressionante para mim, e o facto de terem levado a coisa até ao fim até conseguirem o que queriam. Penso que na Europa não temos este tipo de cultura cinematográfica das grandes produções, em que se pode simplesmente substituir alguém. Tenho a sensação de que está muito ligado às personalidades dos atores. Para já. Não sei como é que isto vai evoluir, mas, por enquanto, não tenho medo.

Mas em relação à IA... Está a gravar esta entrevista com o seu telefone em cima da mesa e o seu pequeno dispositivo mais antigo, mas estamos todos ligados a estes dispositivos. Um dia veremos que já não podemos viver sem eles, o que de certa forma já está a acontecer. Portanto, já somos uma espécie de "borgs", se preferir. Não sei onde é que isto vai dar, mas por agora sinto que a indústria cinematográfica europeia não depende da inteligência artificial.

A sua filmografia é incrivelmente variada. Há algum género que ainda não tenha explorado e que gostasse muito de fazer?

Isso é algo que não posso dizer. Estou sempre curiosa sobre o que me está a acontecer e isso mantém-se. Nunca coloquei nenhuma direção nisso. Se o fizer, sinto que é como se estivesse a limitar alguma coisa. Quando aceito um papel, é uma espécie de decisão instintiva que não consigo descrever. Quando aceito um papel, estou completamente empenhada nele e não há nada que me possa impedir ou que eu possa impedir. Mas o caminho para essa decisão é por vezes um pouco acidentado. Por vezes, é apenas o sítio para onde quero ir. Por vezes, como já disse, é sempre uma decisão política e a história em que se quer participar. Por vezes, é um realizador que quero mesmo conhecer. Por vezes, é um parceiro. Acho que, na maioria das vezes, é algo que nunca tinha visto ou pensado antes, ou uma história que, ao fim de duas páginas, não acho que já saiba ou consiga adivinhar o final.

PUBLICIDADE

Tendo em conta que estes dois filmes fizeram de 2023 o seu ano, há alguma coisa que leve consigo ou que tenha aprendido com estas duas mulheres tão diferentes?

Aprendi muito com a Sandra Voyter. Adoraria ter a coragem de fazer as coisas como ela faz. Acho que talvez seja preciso um pouco mais de prática. E com a Hedwig Höss, aprendi um pouco sobre ela. Houve muitas conversas entre mim e o Jonathan sobre esta pessoa, sobre alguém que consegue aceitar a morte de milhões de pessoas na porta ao lado. Será que essa pessoa consegue amar os seus filhos, o seu jardim ou o seu cão? E eu acho que não. Se alguém não pode amar uma parte da humanidade e desejar a morte da outra parte, isso não é compatível. Foi isso que aprendi.

Anatomia de uma Queda está em exibição nos cinemas e em DVD/ BluRay em alguns territórios europeus. A Zona de Interesse será lançado nos cinemas europeus em janeiro.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Martin Scorsese recebeu Urso de Ouro honorário na Berlinale

Ridley Scott pode realizar filme biográfico dos Bee Gees

"Oppenheimer" foi o grande vencedor dos prémios de cinema britânicos