Relógio do Apocalipse está mais próximo da meia-noite do que nunca

O "Relógio do Juízo Final" está mais próximo da meia-noite do que nunca - o que significa tudo isto?
O "Relógio do Juízo Final" está mais próximo da meia-noite do que nunca - o que significa tudo isto? Direitos de autor Jacquelyn Martin/AP
De  David Mouriquand
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Relógio do Apocalipse - Doomsday Clock, em inglês - está a 1,5 minutos da meia-noite. O que é que isso significa? E como é que um nomeado aos Óscares entra no assunto?

PUBLICIDADE

O filme Oppenheimer, de Christopher Nolan, pode estar a liderar a corrida aos Óscares, mas o célebre físico está nas manchetes por uma razão muito mais sombria esta semana, uma vez que a organização que J. Robert Oppenheimer co-fundou em 1945 emitiu mais um aviso severo à humanidade.

Pelo segundo ano consecutivo, a Terra está perto do apocalipse.

Oh, peço desculpa! Onde estão as nossas maneiras? Espero que estejam a ter um bom dia.

Estamos condenados.

O Boletim de Cientistas Atómicos, apontando para o seu famoso Relógio do Apocalipse, que mostra que faltam 90 segundos para a meia-noite, fez o anúncio anual esta terça-feira, 23 de janeiro. O boletim cita a ameaça nuclear na guerra da Rússia contra a Ucrânia, o ataque de 7 de outubro em Israel, o agravamento das catástrofes climáticas e o perigo da inteligência artificial generativa.

"Os focos de conflito em todo o mundo acarretam a ameaça de uma escalada nuclear, as alterações climáticas já estão a causar morte e destruição e as tecnologias disruptivas, como a IA e a investigação biológica, avançam mais rapidamente do que as suas salvaguardas", afirmou Rachel Bronson, presidente e CEO do Boletim.

"No ano passado, expressámos uma preocupação acrescida ao passar o relógio para 90 segundos para a meia-noite, o mais próximo de uma catástrofe global que alguma vez esteve", continuou. "Os riscos do ano passado continuam a ser inabaláveis e continuam a moldar este ano".

Bronson acrescentou que manter o relógio inalterado em relação ao ano anterior "não é uma indicação de que o mundo está estável".

Não é uma grande surpresa, mas não é nada animador, pois não?

O que é o Relógio do Apocalipse?

George e Lin, membros do Boletim de Cientistas Atómicos; o educador científico Nye, a CEO Bronson e Glaser e Holz, membros do Boletim.
George e Lin, membros do Boletim de Cientistas Atómicos; o educador científico Nye, a CEO Bronson e Glaser e Holz, membros do Boletim.AP Photo/Jacquelyn Martin - Jan 2024

A resposta a esta pergunta remonta à fundação do The Bulletin of Atomic Scientists.

A organização foi criada em 1945 por cientistas como J. Robert Oppenheimer e Albert Einstein. Tinham visto os efeitos devastadores das armas nucleares dois anos antes, no final da Segunda Guerra Mundial, nas cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki. Queriam alertar o público e pressionar os líderes mundiais para que as armas nucleares nunca mais fossem utilizadas.

O grupo concebeu o Relógio do Apocalipse (ou do Juízo Final) em 1947, como forma de simbolizar a proximidade e a probabilidade de a humanidade estar sujeita a uma catástrofe provocada por ameaças de origem humana. O ponteiro dos minutos mudava em resposta à evolução dos acontecimentos mundiais, com a meia-noite a representar a aniquilação total.

O relógio, cujo nome original é Doomsday Clock, em inlgês, foi originalmente concebido para a capa de uma revista, desenhado pelo artista Martyl Langsdorf, que era casado com um físico, Alexander Langsdorf, que trabalhou no Projeto Manhattan enquanto esteve na Universidade de Chicago. O desenho foi reimaginado em 2007 pelo designer gráfico Michael Bierut.

Science educator Bill Nye, looks at his watch next to the "Doomsday Clock," shortly before the Bulletin of the Atomic Scientists announces the latest decision
Science educator Bill Nye, looks at his watch next to the "Doomsday Clock," shortly before the Bulletin of the Atomic Scientists announces the latest decisionAP Photo/Jacquelyn Martin

A definição inicial do relógio metafórico era de sete minutos para a meia-noite e, desde 1947, temos vindo a aproximar-nos da extinção.

Todos os anos, a nova posição do relógio é anunciada no final de janeiro pelo Conselho de Ciência e Segurança do Boletim. Este é um grupo dos cientistas e especialistas mais proeminentes do mundo, com diversas formações. Reúnem-se duas vezes por ano para debater acontecimentos, políticas e tendências, para melhor consultar os colegas de várias disciplinas e para obter os pontos de vista do Conselho de Patrocinadores do Boletim, que inclui vários laureados com o Prémio Nobel.

De acordo com o website do grupo, a sua missão é "reunir um conjunto diversificado das vozes mais informadas e influentes que acompanham as ameaças provocadas pelo homem", a fim de informar o público e o mundo em geral.

A organização sem fins lucrativos sediada em Chicago sublinha também que o Relógio do Apocalipse pretende ser um apelo à ação e um aviso aos políticos de que o perigo está a chegar, mas que está ao seu alcance fazer alguma coisa para o evitar. O Bulletin também faz questão de sublinhar que o relógio não pretende ser uma previsão do futuro, mas sim uma indicação do ponto em que nos encontramos atualmente. No seu site, compara-se a um "médico que faz um diagnóstico".

E, para o caso de estar a pensar nisso, o verdadeiro Relógio do Apocalipse está localizado nos escritórios do Bulletin, no átrio do Keller Center, sede da Harris School of Public Policy da Universidade de Chicago.

PUBLICIDADE

Quão condenados estaremos em 2024?

The January 2024 issue of The Bulletin of Atomic Scientists magazine
The January 2024 issue of The Bulletin of Atomic Scientists magazineThe Bulletin of Atomic Scientists

Muito. Os ponteiros do relógio moveram-se 25 vezes desde a sua criação, e nunca estivemos tão perto da nossa morte.

Mais uma vez, espero que estejam a ter um dia fantástico.

O relógio aproximou-se da meia-noite pela primeira vez em 1949, na sequência do primeiro teste nuclear soviético, que iniciou oficialmente a corrida às armas nucleares.

Uma mudança notável ocorreu em 1953, quando os EUA testaram o seu primeiro dispositivo termonuclear no âmbito da Operação Ivy. Esta continuou a ser a aproximação mais próxima do relógio à meia-noite (empatada em 2018) até 2020, altura em que passámos de minutos para segundos.

Nesse ano, foi referido que o fracasso dos líderes mundiais em lidar com o aumento das ameaças de guerra nuclear, como o fim do Tratado sobre Forças Nucleares de Alcance Intermédio (INF) entre os EUA e a Rússia, bem como o aumento das tensões entre os EUA e o Irão, fez com que o tempo passasse de 2 minutos para 100 segundos para a meia-noite.

PUBLICIDADE

A isto juntou-se a contínua negligência em relação às alterações climáticas, o que levou o The Bulletin a concluir que as questões que causaram o ajustamento de 2020 eram "a situação mais perigosa que a humanidade alguma vez enfrentou".

Três anos mais tarde, cortámos mais 10 segundos, em grande parte devido à invasão russa da Ucrânia, à retoma da retórica nuclear da Coreia do Norte, às ameaças contínuas colocadas pela crise climática e ao colapso das normas e instituições globais criadas para mitigar os riscos associados ao avanço das tecnologias e às ameaças biológicas como a COVID-19.

Em 2024, o relógio continuava a marcar 90 segundos para a meia-noite - o mais próximo do colapso global que alguma vez esteve - e, embora nenhuma alteração pudesse ser ligeiramente reconfortante, os cientistas avisaram que não era uma indicação de estabilidade.

O Bulletin afirmou que o relógio poderia ser atrasado se os líderes e as nações trabalhassem em conjunto e referiu especificamente os países poderosos que têm capacidade para o fazer, incluindo os EUA, a China e a Rússia.

A esperança é eterna.

PUBLICIDADE

Qual foi o ponto mais distante a que estivemos do Armagedão nuclear?

A década de 90 foi muito boa - a música era óptima, 1999 continua a ser um excelente ano para o cinema, e esses anos representaram algum progresso do juízo final.

Anos como 1990 e 1995 viram a humanidade atingir os dois dígitos (10 e 14 minutos, respetivamente). A queda do Muro de Berlim e da Cortina de Ferro, juntamente com a reunificação da Alemanha, significou que a Guerra Fria estava a chegar ao fim.

1991 representa o nosso ano de menor pânico, com uns impressionantes 17 minutos para a meia-noite, o ano mais distante da meia-noite em que o Relógio esteve desde a sua criação. Isto deveu-se, em parte, ao facto de os EUA e a União Soviética terem assinado o primeiro Tratado de Redução de Armas Estratégicas e à dissolução da União Soviética.

Quanto ao já mencionado 1995, podemos ter perdido 3 minutos em relação a 1991, mas um quarto de hora de distância do Armagedão parece reconfortante em comparação com os nossos actuais 90 segundos.

Relógio do Apocalipse na cultura pop

Extract from Alan Moore and Dave Gibbons's Watchmen graphic novel
Extract from Alan Moore and Dave Gibbons's Watchmen graphic novelDC Comics

A metáfora do Relógio do Apocalipse infiltrou-se na cultura popular ao longo dos anos.

PUBLICIDADE

Desde os livros de banda desenhada à música, passando pelas séries de televisão e filmes, é provável que já tenha visto a imagem.

Algumas das primeiras menções na música foram num single de 1980 dos Wah! Heat, "Seven Minutes to Midnight", de 1980, seguido da canção dos Iron Maiden "2 Minutes to Midnight", quatro anos mais tarde.

Muito mais tarde, os Linkin Park deram ao seu álbum de 2007 o nome de "Minutes To Midnight", em referência ao Relógio do Apocalipse. O seu videoclipe para "Shadow of the Day" representa o Relógio do Apocalipse como um relógio real, atingindo a meia-noite no final do vídeo.

O relógio foi mencionado na literatura mais de uma vez, nomeadamente no romance de Stephen King de 1987 "The Tommyknockers", no qual King escreveu, em homenagem ao trabalho do The Bulletin: "O Médio Oriente estava a preparar-se para explodir novamente e, se houvesse tiros desta vez, alguns deles poderiam ser nucleares. A União dos Cientistas Preocupados, aquela gente feliz que mantém o Relógio Negro, adiantou os ponteiros para dois minutos para a meia-noite nuclear de ontem, informou o jornal."

Também é difícil ignorar o tema visual recorrente do Relógio do Apocalipse na série seminal de novelas gráficas "Watchmen" de Alan Moore e Dave Gibbons (1986-87), sua adaptação cinematográfica de 2009, bem como sua sequência de minissérie de televisão de 2019. O relógio está em todo o lado no material de origem e nas suas adaptações, uma lembrança sinistra do destino inevitável da humanidade.

PUBLICIDADE

Outros exemplos famosos na cultura popular incluem dois médicos. Dr. Strangelove ou: Como Aprendi a Deixar de me Preocupar e a Amar a Bomba, a obra-prima satírica de Stanley Kubrick de 1964, e Doctor Who.

O bom Herr Doktor faz referência ao relógio, e toda a narrativa gira em torno do MacGuffin da máquina do juízo final, que é suposto ser um dissuasor nuclear. Os dispositivos do dia do juízo final estiveram incrivelmente presentes na literatura e na arte ao longo do século XX, devido aos avanços da ciência e da tecnologia que tornaram a destruição do mundo um cenário credível. O termo "máquina do dia do juízo final" é conhecido desde 1960, mas foi Strangelove que o introduziu na linguagem comum.

Quanto ao senhor do tempo preferido de todos, o título do episódio de Doctor Who de 1982 "Four to Doomsday" faz referência ao Relógio do Apocalipse e, no episódio de 2017 "The Pyramid at the End of the World", os Monges alteraram todos os relógios do mundo para três minutos para a meia-noite como aviso do que acontecerá se a humanidade não aceitar a sua ajuda.

Mais recentemente, o fenómeno K-pop BTS fez referência ao Relógio do Apocalipse na canção "Zero O'Clock" do seu álbum "7" de 2020.

Se estes deliciosos patifes musicais conseguem seguir o programa, nós também conseguimos. E se eles não conseguirem pôr a humanidade no bom caminho, que esperança haverá?

PUBLICIDADE

Boa sorte para si, caro leitor, e até ao próximo ano para mais uma mudança de hora.

Esperemos que desta vez andemos para trás, pois não nos podemos dar ao luxo de perder mais segundos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Oppenheimer" lidera corrida aos Óscares com 13 nomeações

Coreia do Norte testou drone marítimo com armas nucleares em resposta a exercícios dos EUA e aliados

Conheça o primeiro reator do mundo que irá alimentar a Terra utilizando a mesma reação nuclear do Sol