O conceito de cidade dos 15 minutos foi alvo das teorias da conspiração

Protestos em Oxford contra o alegado "confinamento climático", informação falsa difundida nas redes sociais
Protestos em Oxford contra o alegado "confinamento climático", informação falsa difundida nas redes sociais   -  Direitos de autor  Thames Valley Police
De  euronews

Retirar os carros das ruas da cidade para reduzir as emissões e proteger os residentes da poluição atmosférica é uma escolha óbvia para os ambientalistas.

Mas as medidas para reduzir o tráfego em Oxford, Inglaterra, tornaram-se um ponto de viragem improvável nas últimas semanas, com uma publicação que alegava que a região tinha decretado "confinamentos climáticos", o que é falso, a tornar-se viral.

O que é que a câmara de Oxford está a fazer para reduzir o tráfego?

“Devemos colocar as pessoas, não os carros, em primeiro lugar nos sistemas de transporte.” Estas foram as palavras do diretor do Programa Ambiental da ONU, Erik Solheim, em 2016.

Há anos que as cidades europeias tentam corrigir este desequilíbrio através de várias medidas, como reforçar as ciclovias em Berlim ou tornar o centro da cidade de Pontevedra, em Espanha, numa zona pedestre.

Várias cidades britânicas aderiram ao programa Low Traffic Neighbourhoods - LTNs (bairros de baixo tráfego), que diminuem o número de carros que passam em ruas residenciais, através da construção de barreiras. Tem sido uma característica das cidades desde a década de 1960, mas a pandemia catalisou a sua implantação em Londres e outras cidades como Oxford. 

O Conselho do Condado de Oxfordshire votou a favor de tornar permanentes alguns LTNs temporários em julho de 2022, após uma consulta pública.

Getty Images
O Conselho do Condado de Oxfordshire tornou permanentes alguns Low Traffic NeighbourhoodsGetty Images

Agora, noutra tentativa de reduzir o congestionamento, o Conselho do Condado de Oxfordshire aprovou em 29 de novembro de 2022 um novo plano para testar o tráfego, com o objetivo de limitar, nas horas de ponta, o tráfego em ruas movimentadas. Isso exigirá que os carros obtenham licenças para viajar por essas rotas. As câmaras de trânsito serão usadas para identificar as matrículas e multar aqueles sem permissão.

Separadamente, a Câmara Municipal de Oxford aprovou o conceito de cidade de 15 minutos no seu Plano Local 2040 publicado em setembro.

Em dezembro, posts nas redes sociais começaram a difundir informações falsas, alegando que seria usado um sistema de vigilância para restringir as pessoas a um raio de 15 minutos de suas casas.

Os vereadores começaram a ser alvo de uma chuva de insultos, originando uma declaração conjunta das autoridades do condado e da cidade a desmentir essa informação.

Mas nessa altura as teorias já tinham adquirido vida própria.

O que são as cidades dos 15 minutos?

O professor catedrático na Universidade de Paris IAE - Pantheon Sorbonne, Carlos Moreno, discutiu este conceito durante a conferência do clima da ONU, a COP21 em 2015, após anos de investigação sobre como otimizar a vida na cidade.

No raio de 15 minutos a pé ou de bicicleta, diz o professor da Panthéon-Sorbonne, “as pessoas devem poder viver a essência do que constitui a experiência urbana: ter acesso ao trabalho, casa, alimentação, saúde, educação, cultura e lazer."

“Na verdade, trata-se de liberdade de escolha”, disse o britânico Tom Jones, ativista empenhado na promoção da utilização da bicicleta, ao Euronews Green.

“Defendemos que não devemos construir novas casas em locais onde as pessoas depois têm de conduzir para comprar um pacote de leite, ir à escola ou ao médico, porque não há lojas, escolas ou consultórios perto.”

O pai de quatro filhos acrescenta que “um bairro adequado de 15 minutos libertaria os meus filhos de serem reféns na nossa casa por causa de todas as viagens de carro de menos de um ou dois quilómetros, que passam em frente à nossa porta”.

"Por que é que uma rua barulhenta e poluída tem de ser uma barulhenta e poluída?", pergunta Carlos Moreno. "Por que é que não pode ser uma rua com jardim e árvores?"

As coisas poderiam ser diferentes e têm sido. O apelo de ter comodidades próximas é obviamente anterior a 2015.

A Associação de Planeamento Urbano e Rural do Reino Unido também tem proposto bairros de 20 minutos, apontando para o sucesso do conceito em Paris e Melbourne.

Como é que as cidades dos 15 minutos foram apanhadas na conspiração do 'confinamento climático'?

A pandemia deu nova vida à ideia de “espaço de tamanho humano”, nas palavras de Moreno.

Mas também alimentou as ideias distorcidas dos negacionistas que alegavam que os confinamentos da COVID eram os precursores da 'tirania verde' dos governos. Eles acreditam que as elites globais estão ansiosas para limitar as pessoas sob o pretexto das alterações climáticas.

O conceito de cidade dos 15 minutos foi arrastado para esta ideia de "confinamento climático", com os defensores das teorias da conspiração a apresentá-lo como uma conspiração comunista para tornar as pessoas mais fáceis de controlar.

No passado fim de semana, centenas de pessoas saíram às ruas de Oxford com cartazes como "NO TO 15 MIN CITY | COMMUNISM | WE DO NOT CONSENT.” Num vídeo compartilhado milhares de vezes, uma menina de 12 anos diz não aos bairros dos 15 minutos, alegando que “em breve se tornarão zonas de reconhecimento facial de identificação digital”.

Quem está a promover as teorias da conspiração sobre o plano de Oxford?

Segundo o site DeSmog, o grupo que lidera chama-se 'Not Our Future' e foi criado há alguns anos. É apoiado por uma rede de negacionistas e teóricos da conspiração de todo o mundo.

Jennie King, responsável pela investigação e política climática do think tank Institute for Strategic Dialogue (ISD), disse ao DeSmog que a pandemia foi um ponto de viragem para esses atores, que estão a explorar o trauma que milhões de pessoas viveram.

“Este trauma está a ser usado como arma pelo lóbi anticlima, que agora condena qualquer política pública como uma ‘violação das liberdades civis’ e faz comparações diretas com a COVID”.

“Aquilo a que estamos a assistir”, explica Tom Jones, do Family ByCycle, “é uma campanha de desinformação superficial, mas cuidadosamente calculada, com a intenção de manipular respostas emocionais e coletivas de pessoas que têm tanto medo de serem controladas, que não perceberam que já aconteceu com eles.”