EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

ONU: uma em cada quatro pessoas sem acesso a água potável

AP
AP Direitos de autor Brian Inganga/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Brian Inganga/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nações Unidas destacam escassez de acesso no Dia Mundial da Água

PUBLICIDADE

Uma em cada quatro pessoas no mundo não tem acesso a água potável, segundo a ONU.

Para as populações de alguns bairros da capital venezuelana, Caracas, obter água em condições é uma tarefa praticamente quotidiana.

Jhonny Cuello, residente de Caracas:"Vimos aqui buscar água para beber cada duas semanas. E, para a casa, tenho de transportar todos os dias, porque às vezes só temos uma vez por semana, durante duas horas."

A escassez de água potável em Caracas é uma imagem espelhada nos quatro cantos do mundo, como lembra a ONU por ocasião do Dia Mundial da Água, assinalado esta quarta-feira.

Dez por cento da população global vive atualmente em áreas de stress hídrico elevado ou crítico. No nosso relatório, destacamos que até 3.500 milhões de pessoas vivem em condições de stress hídrico pelo menos um mês por ano.
Richard Connor
editor-chefe do Relatório de Desenvolvimento Mundial da ONU

Nos países em desenvolvimento, muitos dos problemas com a água potável estão ligados a um rápido crescimento da população e à falta de controlos sanitários, com importantes consequências para a saúde pública.

O mais recente relatório da ONU indica que dois mil milhões de pessoas simplesmente não têm acesso a água potável. 

As Nações Unidas organizam uma Conferência da Água, que decorre até sexta-feira em Nova Iorque.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Abastecimento de água potável em Malta sob ameaça. A culpa é das alterações climáticas, mas não só

Inundações ameaçam um em cada oito europeus e 11% dos hospitais

Cozinhar com combustíveis "sujos" e prejudiciais para o clima mata milhões de pessoas todos os anos. Como é que a Europa pode ajudar?