A era dos 'mega incêndios florestais' começou em Espanha: Será culpa das mudanças climáticas?

Um incêndio florestal nas colinas perto de Villanueva de Viver, 24 de Março de 2023
Um incêndio florestal nas colinas perto de Villanueva de Viver, 24 de Março de 2023 Direitos de autor Lorena Sopena/Europa Press via AP
De  Angela Symons com AP, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os grandes incêndios florestais começaram mais cedo este ano, em Espanha. Será que é culpa das mudanças climáticas? Os cientistas acreditam que sim.

PUBLICIDADE

Os incêndios florestais em Espanha forçaram mais de 1.500 pessoas a fugir das suas casas e os bombeiros ainda lutaram contra as chamas na província de Castellon, em Valência, até domingo. Mais de 4.000 hectares de terra foram engolidos pelas chamas.

Isto marcou um início precoce da época de incêndios florestais no país, em condições secas e temperaturas elevadas, que ultrapassaram os 30ºC em Valência, no domingo.

"Estamos a olhar para o primeiro grande incêndio, infelizmente, este ano", disse o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez. "E está também a ocorrer fora de época".

No ano passado, a Espanha sofreu quase 500 incêndios que devastaram enormes extensões de terra e ceifaram vidas.

Como grande parte da Europa, a nação viveu temperaturas recordes em 2022. Após uma seca invernal, estas condições parecem continuar em 2023.

O que causou o recente incêndio florestal em Espanha?

A causa do incêndio ainda está a ser investigada. O jornal regional Las Provincias diz que a polícia acredita que pode ter tido origem numa faísca de uma máquina utilizada para recolher lenha.

As condições climatéricas quentes e secas ajudaram a propagação do fogo.

A combinação de altas temperaturas e vento oeste nas últimas semanas, com a falta de chuva nos últimos meses, fez com que o solo superficial fosse muito seco em 100% do território", disse a agência meteorológica de Valência, AEMET, na sexta-feira.

As temperaturas estavam acima dos 25ºC quando o incêndio deflagrou, e a humidade relativa afundou-se abaixo dos 30% após um inverno invulgarmente seco na área.

500 bombeiros apoiados por 20 aviões e helicópteros tentaram controlar as chamas perto da aldeia de Villanueva de Viver. Os bombeiros disseram que um tal incêndio era mais típico do verão do que da primavera.

Segundo Ximo Puig, presidente da região de Valência, o incêndio tornou-se mais "voraz" pelas temperaturas de verão.

Março de 2023 está a tornar-se o segundo mais quente registado em Valência desde 2001. Devido ao risco extremo de incêndios florestais na região, foi proibido iniciar qualquer tipo de fogo.

Será a vaga de calor em Espanha um resultado da mudança climática?

À medida que o nosso clima aquece, os fogos ardem mais frequente e intensamente. Também estão a começar uma estação mais cedo, como se viu em Espanha.

Como grande parte da Europa, a Espanha tem vivido um inverno quente e seco. Se o país enfrentar "outro verão em que as temperaturas não descem abaixo dos 35°C durante 20 dias e não chove durante quatro meses, a vegetação poderá arder" com o primeiro relâmpago, adverte o especialista em incêndios florestais, Pablo Martin Pinto.

Os gases com efeito de estufa libertados pela atividade humana estão a provocar o aumento da temperatura global. Como o vidro numa estufa, o CO2, o metano, o óxido nitroso e outros gases aprisionam o calor do sol, fazendo com que menos calor regresse ao espaço.

A concentração de CO2 na atmosfera aumentou em 48% entre 1750 e 2020, de acordo com a Comissão Europeia.

A temperatura média do planeta subiu 1,1C desde os níveis pré-industriais.

O aquecimento global também aumenta a evaporação na terra, o que pode agravar a seca, criar condições mais propícias ao fogo, e levar a uma estação de incêndios mais longa.

PUBLICIDADE

Os incêndios florestais estão a piorar em Espanha?

Em 2022, 306.000 hectares foram perdidos devido a incêndios em Espanha. Isto foi mais de três vezes superior ao ano anterior, de acordo com o Statistica. O pior incêndio do país devastou 60.000 hectares de Sierra de la Culebra no noroeste do país.

Pablo Martin Pinto diz que os incêndios foram causados por "situações atmosféricas extraordinárias" desencadeadas em parte pelos efeitos das alterações climáticas. "É provável que tais condições se tornem mais frequentes", acrescenta.

"Estamos a passar da era dos grandes incêndios florestais para os mega incêndios florestais em Espanha", diz o professor da Universidade de Valladolid, avisando que as grandes chamas estão "aqui para ficar".

Os incêndios não só destroem terras e casas, como expõem as pessoas a níveis perigosos de poluição atmosférica. As partículas de fumo, incluindo o monóxido de carbono, podem espalhar-se por milhares de quilómetros, causando problemas respiratórios, dores de cabeça e náuseas.

Os incêndios de alta intensidade também podem danificar o solo, causando erosão, reduzindo os nutrientes e impedindo a absorção de água. Tudo isto leva à perda de biodiversidade.

PUBLICIDADE

Como podemos reduzir o risco de incêndios florestais?

Os especialistas dizem que a conservação das florestas de Espanha é fundamental para enfrentar o risco de incêndios florestais.

As florestas "devem ser protegidas" cuidando do mato que pode gerar incêndios, diz Jose Angel Arranz Sanz, diretor de políticas florestais na região de Castilla y Leon.

Martin Pinto defende a criação de áreas "mais resilientes" com uma variada "paisagem de retalhos" composta por "áreas florestais arborizadas... e explorações pecuárias, intercaladas com áreas de mato".

Onde as paisagens florestais são mais homogéneas, "isso limita realmente a capacidade de impedir a propagação de um incêndio", adverte ele.

O guarda-florestal Jorge de Dios, que representa um sindicato regional de trabalhadores ambientais, diz que são necessários mais recursos, alertando para a falta de bombeiros treinados para enfrentar tais situações.

PUBLICIDADE

"Vamos ver cada vez mais incêndios, e mais incêndios maiores", disse ele, lembrando que a maioria dos bombeiros locais "não são profissionais e não têm formação suficiente", ecoando as preocupações também levantadas pelos bombeiros regionais.

A Greenpeace também instou as autoridades a adoptarem uma nova abordagem centrada na ação preventiva precoce para minimizar os riscos.

"Os incêndios devem estar no topo da agenda política e não devem ser combatidos apenas quando há calor e fogo, mas através de uma ação preventiva precoce com uma gestão ambiental adequada a esta nova realidade", diz Monica Parrilla da Greenpeace Espanha.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Fogos: Castelo Branco será base de 2 aviões financiados pela UE

"Tínhamos esperança": Ativistas do clima partilham opiniões sobre os últimos 5 anos de política europeia

Como 2023 bateu todos os recordes climáticos