EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Cientistas afirmam que esta é a melhor dieta para apoiar a biodiversidade e a segurança alimentar

Felizmente, a dieta considerada mais propícia à biodiversidade e à segurança alimentar é aquela que você provavelmente conhece.
Felizmente, a dieta considerada mais propícia à biodiversidade e à segurança alimentar é aquela que você provavelmente conhece. Direitos de autor Brooke Lark
Direitos de autor Brooke Lark
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A melhor dieta para apoiar a biodiversidade e a segurança alimentar? Estudo mostrou que a biodiversidade agrícola e a diversidade de variedades e espécies de plantas alimentícias eram maiores na dieta mediterrânea

PUBLICIDADE

A nossa escolha de dieta tem consequências importantes para o meio ambiente e as mudanças climáticas.

Com secas e doenças ameaçando os sistemas alimentares, agora é ainda mais crucial que tentemos fazer a diferença com o que comemos.

Felizmente, a dieta considerada mais propícia à biodiversidade e à segurança alimentar é aquela com a qual você provavelmente está familiarizado.

Segundo um estudo publicado no mês passado, seguir essa dieta pode combater “o duplo fardo das mudanças climáticas e das doenças não transmissíveis”.

Como é que as nossas escolhas alimentares afetam o meio ambiente?

A população global está prevista para aumentar para 10,9 bilhões até o final do século. Como tal, a produção de alimentos deve aumentar em quase 50% para atender às demandas de abastecimento, estima a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

É provável que isso dificulte o crescimento sustentável e pressione os recursos naturais.

Os atuais sistemas agrícolas e alimentares são “considerados como um dos principais impulsionadores da degradação ambiental e das mudanças climáticas”, de acordo com um novo estudo publicado na Advances in Nutrition.

Os cientistas gregos por trás do estudo acrescentam que a produção agrícola ocupa aproximadamente 40% da terra global. A pecuária e o cultivo de alimentos para o gado representam 75% de todas as terras agrícolas.

Como tal, o uso de irrigação, fertilizantes e pesticidas pode causar o esgotamento dos recursos naturais e a degradação ambiental, dizem os pesquisadores.

“Além disso, a produção de alimentos constitui o principal consumidor de água doce e é responsável por até 30% das emissões globais de gases de efeito estufa.”

Qual é a melhor dieta para o meio ambiente?

Em resposta a esta situação crítica, o estudo analisou os benefícios relativos de diferentes dietas para o desenvolvimento sustentável e a segurança alimentar.

Os cientistas, de várias universidades e instituições gregas, compararam a dieta mediterrânea com as dietas do “tipo ocidental” na Bélgica, Suíça, Alemanha, Áustria, Dinamarca e Suécia.

Sua pesquisa concluiu que a dieta mediterrânea é a melhor para o nosso planeta. Usado em países como Itália, Chipre e Grécia, foi considerado o mais favorável para a biodiversidade e diversidade de plantas alimentícias.

A dieta mediterrânea é melhor para a biodiversidade

A dieta mediterrânea é rica em alimentos vegetais como vegetais, frutas e grãos - embora tenha muitas variações entre os países. Também é geralmente baixo no consumo de produtos de origem animal.

Isso significa que traz vantagens para a nossa saúde, como a redução do risco de doenças crônicas, além de ter baixo impacto ambiental.

PUBLICIDADE

O estudo mostrou que a biodiversidade agrícola e a diversidade de variedades e espécies de plantas alimentícias eram maiores na dieta mediterrânea do que nos padrões alimentares do tipo ocidental.

Os pesquisadores também descobriram que a dieta “está associada a menores emissões de gases de efeito estufa, consumo de água, uso da terra e requisitos de energia”.

A dieta ocidental – que os cientistas identificam como contendo muita carne, laticínios e alimentos processados – é baseada em métodos de produção agrícola que “prejudicam os ecossistemas, aumentam o uso de combustíveis fósseis e aumentam as emissões de gases de efeito estufa”.

O estudo conclui que a adoção da dieta mediterrânea pode ajudar a estabelecer um ambiente mais biodiverso e colocar menos pressão sobre os recursos naturais.

PUBLICIDADE

Como comer a dieta mediterrânea

Para seguir uma dieta mediterrânea, você deve fazer das frutas e vegetais seus alimentos principais, junto com grãos integrais como aveia, arroz integral e pão integral.

Legumes como feijão, lentilha e grão de bico são uma ótima fonte de proteína. Você também deve incluir gorduras saudáveis, como azeite e abacate.

Os alimentos que você deve reduzir incluem carne processada, como salsichas e cachorros-quentes, e grãos refinados, como pão branco.

A dieta mediterrânea também é pobre em alimentos altamente processados, como refeições prontas, e em produtos com adição de açúcar, como refrigerantes.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

OMC chega a acordos sobre pescas, alimentação e vacinas

Alimentação sustentável: o futuro verde da nutrição

Cultivar no Espaço: O futuro da alimentação espacial