EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Habitantes da capital francesa têm mais probabilidades de morrer devido às altas temperaturas

As pessoas usam um guarda-chuva para se abrigarem do sol perto da Pirâmide du Louvre, Paris, Junho de 2019.
As pessoas usam um guarda-chuva para se abrigarem do sol perto da Pirâmide du Louvre, Paris, Junho de 2019. Direitos de autor KENZO TRIBOUILLARD/AFP or licensors
Direitos de autor KENZO TRIBOUILLARD/AFP or licensors
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os habitantes da capital francesa têm mais probabilidades de morrer devido às altas temperaturas do que os habitantes de outras 854 zonas urbanas da Europa

PUBLICIDADE

Os parisienses enfrentam o maior risco de morrer devido ao calor quando comparados com outras cidades europeias, de acordo com um novo estudo publicado na revista Lancet Planet Health.

A capital francesa registou os maiores riscos de mortalidade relacionados com a temperatura em todos os grupos etários, entre 854 cidades e áreas urbanas europeias incluídas no estudo.

O estudo avaliou as mortes em toda a Europa causadas por "condições de temperatura não ideais" de janeiro de 2000 a dezembro de 2019.

Para os residentes idosos com 85 anos ou mais, o excesso de mortes devido ao aumento da temperatura foi 1,6 vezes mais provável em Paris do que noutros locais.

A capital francesa foi seguida por Amesterdão e Zagreb em termos de risco de mortes relacionadas com o calor.

Porque é que Paris corre mais riscos do que outras cidades europeias?

A mortalidade relacionada com o calor em Paris aumentou devido à vaga de calor de 2003, que afetou a França de forma particularmente grave, segundo o relatório. As condições socioeconómicas e as políticas de adaptação também têm impacto nas populações vulneráveis.

As ondas de calor tornaram-se cada vez mais comuns e intensas em Paris, enquanto a falta de vegetaçãona cidade tem sido um ponto de discussão frequente.

Estes episódios de mau tempo estão a tornar-se cada vez mais comuns devido às alterações climáticas. Os cientistas alertaram para o facto de que, a menos que as pessoas e os governos tomem medidas drásticas, estes episódios só irão piorar.

Paris é também particularmente vulnerável, uma vez que as casas da cidade utilizam zinco - um metal que absorve o calor - nos seus telhados, exacerbando as altas temperaturas, acrescentou o relatório.

Embora a vulnerabilidade às mortes relacionadas com o calor aumente com a idade, o relatório concluiu também que o calor extremo afeta todas as idades de forma mais homogénea do que o frio extremo.

Como é que Paris se está a preparar para as futuras vagas de calor?

Vários outros relatórios afirmam que Paris está a "sobreaquecer" e que poderá registar ondas de calor 34 dias por ano até 2080, em comparação com a média de 14 dias por ano na década de 2010.

Este fato levou os responsáveis políticos a adaptarem-se à "nova realidade" causada pelas alterações climáticas.

Um relatório recente alertou para a possibilidade de temperaturas sufocantes de mais de 50°C na capital francesa até meados do século.

"Estamos numa nova situação climática em que algumas pessoas já estão a sofrer e que vai piorar ainda mais", alertou o deputado Alexandre Florentin, do Partido Verde, em 2022.

Um "plano de ação climática" apresentado após a vaga de calor de 2003tem como objectivo tornar Paris neutra em termos de carbono até 2050 e evitar que se torne uma "ilha de calor".

O relatório apela à adoção de políticas mais robustas para resolver o problema, especialmente nas cidades, que estão a sofrer cada vez mais com a alteração das condições climáticas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Quais são as regiões do mundo mais vulneráveis às ondas de calor?

Ondas de calor estão a escurecer as florestas europeias

Porque é que a Europa é particularmente afetada por ondas de calor?