Quais são as regiões do mundo mais vulneráveis às ondas de calor?

Mulher a beber água numa fonte pública no Castelo Sforza em Milão, Itália
Mulher a beber água numa fonte pública no Castelo Sforza em Milão, Itália Direitos de autor P Photo/Luca Bruno
De  Rosie Frosteuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Cientistas britânicos afirmam que extremos de calor sem precedentes combinados com vulnerabilidade socioeconómica colocam certos países em perigo perante a ameaça das mudanças climáticas

PUBLICIDADE

Os cientistas identificaram quais as regiões do mundo que enfrentam maiores riscos à medida que as mudanças climáticas tornam as ondas de calor mais longas, frequentes e intensas.

As regiões que não estão preparadas serão aquelas onde os efeitos devastadores das temperaturas escaldantes serão sentidos com mais intensidade, alertaram os cientistas.

Cientistas da Universidade de Bristol no Reino Unido mostraram que extremos de calor sem precedentes combinados com vulnerabilidade socioeconómica colocam certos lugares em perigo.
O Afeganistão e a América Central estão entre as regiões de maior risco.

Pequim e a Europa Central também estavam na lista de pontos críticos de ondas de calor.
Se temperaturas recordes ocorressem nessas áreas densamente povoadas, os cientistas dizem que milhões de pessoas seriam adversamente afetadas.

Cientistas dizem que calor extremo pode acontecer em qualquer lugar

Os cientistas usaram dados climáticos e modelagem para identificar onde é mais provável que os recordes de temperatura sejam quebrados expondo as comunidades aos perigos de temperaturas extremas.

Eles descobriram que “extremos estatisticamente implausíveis” ocorreram em 31% das regiões analisadas entre 1959 e 2021.

Não foi identificado nenhum padrão específico para a ocorrência dessas anormalidades de temperatura. Isso significa que esses extremos, em que os recordes atuais são quebrados por margens que parecem impossíveis até que ocorram, podem acontecer em qualquer lugar.

Neste estudo mostramos que tais eventos recorde podem ocorrer em qualquer lugar
Dann Mitchell
Co-autor do estudo

“Constatámos que algumas das ondas de calor mais inesperadas em todo o mundo levaram a dezenas de milhares de mortes”, diz o co-autor Dann Mitchell, professor de Ciências Atmosféricas do Instituto Cabot para o Meio Ambiente da Universidade de Bristol.

“Neste estudo, mostramos que tais eventos recorde podem ocorrer em qualquer lugar”.

Os cientistas acrescentam que os países que ainda não sofreram ondas de calor intensas são particularmente suscetíveis a danos. Muitas vezes, as medidas de adaptação só são introduzidas depois de sentidos os piores efeitos.

Populações em crescimento, juntamente com cuidados de saúde limitados e provisão de energia, também aumentam os riscos.

Michel Spingler/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.
Cientistas afirmam que ondas de calor extremas podem acontecer em qualquer lugar do mundoMichel Spingler/Copyright 2022 The AP. All rights reserved.

Onde é que que os riscos de calor extremo são mais elevados?

Apesar da ênfase na onipresença desses eventos, algumas partes do mundo enfrentam maior risco de calor extremo.

O Afeganistão, que o estudo identifica como “um dos países menos desenvolvidos do mundo”, é uma preocupação particular. Embora a região geralmente tenha verões quentes, um evento climático anormal pode fazer com que as temperaturas se aproximem dos limites tolerados pelo corpo humano.
O crescimento populacional projetado também eleva os riscos potenciais associados às temperaturas mais altas.

Na América Central, a Guatemala, El Salvador, Honduras, Nicarágua, Costa Rica e Panamá também foram destacados pelos autores do estudo. O calor extremo nesses países pode atingir valores bem acima dos valores normais. Isso torna difícil a adaptação a temperaturas elevadas no futuro.

Alemanha, Bélgica e Países Baixos também estão prestes a enfrentar uma onda de calor recorde e a densidade populacional representa um risco. Mas, como nações desenvolvidas, é muito mais provável que tenham planos para mitigar estes riscos.

Regiões em risco precisam de planos de ação para mitigar ondas de calor

Os cientistas da Universidade de Bristol já aconselharam os políticos dessas regiões em risco para que façam planos de ação para reduzir o risco de mortes e outros danos associados aos extremos climáticos.

“Como as ondas de calor ocorrem com mais frequência, precisamos estar melhor preparados”, diz a  autora principal e cientista do clima, Dra. Vikki Thompson.

Como as ondas de calor ocorrem com mais frequência, precisamos estar melhor preparados
Vikki Thompson
Autora principal e cientista do clima

Isso significa melhorar a nossa compreensão relativamente às comunidades que não estão preparadas para os extremos climáticos e como priorizar a mitigação nas regiões mais vulneráveis. À medida que as mudanças climáticas aumentam de frequência, intensidade e duração cresce o potencial para milhares de mortes em excesso a nível global.

PUBLICIDADE

“Identificamos regiões que podem ter tido sorte até agora – algumas dessas regiões têm populações em rápido crescimento, algumas são países em desenvolvimento, algumas já são muito quentes”, acrescenta a Dra. Thompson.

“Precisamos perguntar se os planos de ação para combater o calor são suficientes nessas regiões.”

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Terra está a entrar em "zona de perigo", alertam cientistas

Habitantes da capital francesa têm mais probabilidades de morrer devido às altas temperaturas

Onda de calor agrava fogos e obriga à deslocação de milhares de pessoas em França