EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

25 países enfrentam "stress hídrico extremo" todos os anos e três são na Europa

Um homem retira água potável de uma fonte em Sidi Bou Said, a norte de Tunes.
Um homem retira água potável de uma fonte em Sidi Bou Said, a norte de Tunes. Direitos de autor AP Photo/Hassene Dridi
Direitos de autor AP Photo/Hassene Dridi
De  Rosie Frost
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Mais de duas dúzias de países estão a utilizar a maior parte do seu abastecimento de água renovável todos os anos, o que os torna vulneráveis à seca

PUBLICIDADE

Um quarto da população mundial está a enfrentar um stress hídrico extremo, de acordo com uma nova investigação.

Os países em maior risco utilizam regularmente 80% do seu abastecimento de água renovável para irrigar as culturas, a pecuária, a indústria e as necessidades domésticas todos os anos.

Mesmo uma seca de curta duração pode pô-los em risco de ficarem sem água ou de o governo fechar as torneiras para conservar o que resta.

"Viver com este nível de stress hídrico põe em risco a vida das pessoas, o emprego, a segurança alimentar e energética", lê-se no relatório do World Resources Institute (WRI).

Os seus autores acrescentam que a água é essencial para promover uma sociedade equitativa, cultivar alimentos, produzir eletricidade, manter a saúde e cumprir os objetivos climáticos mundiais.

O crescimento demográfico, o desenvolvimento económico e as alterações climáticas vão agravar a situação se não houver uma gestão adequada dos nossos abastecimentos.

Quais são os países que enfrentam o maior stress hídrico?

O WRI afirma que 25 países estão atualmente expostos a um stress hídrico extremamente elevado todos os anos. No seu conjunto, estes países albergam um quarto da população mundial.

No topo da lista está o Bahrein, com o Chipre em segundo lugar na classificação do WRI. Dois outros países europeus também figuram na lista: a Bélgica ocupa o décimo oitavo lugar e a Grécia o décimo nono.

As regiões mais afetadas do mundo são o Médio Oriente e o Norte de África, onde 83% das pessoas estão expostas a um stress hídrico extremamente elevado. Prevê-se que este número aumente para 100 por cento em 2050.

PETROS KARADJIAS/AP2008
Chipre é um dos 25 países que enfrentam anualmente stress hídrico extremoPETROS KARADJIAS/AP2008

A procura de água está a aumentar

A nível mundial, prevê-se que a procura de água aumente entre 20 e 25 por cento até 2050. Já mais do que duplicou desde 1960.

Embora a procura de água tenha estabilizado na Europa e nos EUA devido ao investimento na eficiência, o comércio internacinal faz com que o problema v´´a além fronteiras.

Embora a maioria dos países da África Subsariana não enfrente atualmente um stress hídrico extremo, a procura está a crescer mais rapidamente do que em qualquer outra região do mundo. E, com o aumento da utilização da água, poderá haver um grande crescimento económico, prevendo-se que África seja a região com o crescimento económico mais rápido do mundo.

Mas o aumento da procura, associado a uma gestão incorreta dos recursos, ameaça esse crescimento. Dados do WRI mostram que 31% do produto interno bruto (PIB) mundial - quase 65 mil milhões de euros - estará exposto a um stress hídrico extremo até 2050.

Apenas quatro países, Índia, México, Egipto e Turquia, são responsáveis por metade do PIB exposto.

Por que razão o stress hídrico é um problema?

A escassez de água tem um impacto generalizado em tudo, desde a energia à alimentação e à saúde. Na Índia, por exemplo, a falta de água para arrefecer as centrais térmicas entre 2017 e 2021 resultou na perda de energia suficiente para abastecer 1,5 milhões de casas durante cinco anos.

O WRI afirma que cerca de 60% da agricultura de regadio mundial também já está a enfrentar um stress hídrico extremamente elevado. Particularmente ameaçadas estão culturas como a cana-de-açúcar, o trigo, o arroz e o milho.

É necessária vontade política e financiamento para impedir que o stress hídrico provoque crises de água. Cidades como Singapura e Las Vegas já provaram que as sociedades podem prosperar mesmo nos cenários de maior escassez de água.

As soluções incluem medidas como tornar a agricultura mais eficiente, tratar e reutilizar as águas residuais, dessalinizar e eliminar as ervas sedentas de água.

PUBLICIDADE

"De facto, a investigação do WRI mostra que resolver os desafios globais em matéria de água é mais barato do que se possa pensar", afirmam os autores do relatório.

O relatório concluiu que poderia custar ao mundo apenas 1% do PIB mundial ou 0,27 euros por pessoa, por dia, entre 2015 e 2030.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Inundações ameaçam um em cada oito europeus e 11% dos hospitais

Cozinhar com combustíveis "sujos" e prejudiciais para o clima mata milhões de pessoas todos os anos. Como é que a Europa pode ajudar?

Camiões e autocarros deverão reduzir as emissões de CO2 em 90% até 2040