EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

O Prosecco pode desaparecer devido às alterações climáticas

O Prosecco é uma das bebidas favoritas do mundo, mas as alterações climáticas estão a ameaçar as colheitas.
O Prosecco é uma das bebidas favoritas do mundo, mas as alterações climáticas estão a ameaçar as colheitas. Direitos de autor canva
Direitos de autor canva
De  Charlotte Elton
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Alguns dos vinhos preferidos da Europa poderão ser dizimados pelas alterações climáticas, alertam os especialistas.

PUBLICIDADE

As alterações climáticas podem levar ao desaparecimento do Prosecco e de outros vinhos europeus populares, segundo um novo estudo.

O Prosecco - um vinho branco espumante produzido nas vinhas de montanha de Itália - é uma das bebidas mais apreciadas do continente.

Mas as colheitas de uvas estão a diminuir, devastadas por uma combinação mortal de condições meteorológicas extremas e degradação do solo.

Uma nova análise - publicada na revista iScience no mês passado - descreve a colheita como "frágil e ameaçada".

"O risco não é apenas a perda de um produto agrícola ou a alteração da paisagem, com um impacto negativo na economia local", afirma o autor principal do estudo, Paolo Tarolli, da Universidade de Pádua, em Itália. "O risco é perder a história de comunidades inteiras e as suas raízes culturais".

Outras colheitas como o Grand Cru e o Cabernet Sauvignon podem também estar ameaçadas.

Porque é que o Prosecco está ameaçado?

O clima extremo está a dificultar a vida aos produtores de Prosecco.

A precipitação súbita e intensa desencadeia a erosão repentina do solo e as "falhas de declive" - quando a terra desliza - nas vinhas íngremes do Norte de Itália.

A seca é outro problema, tornando a irrigação das culturas extremamente difícil.

Canva
Italy's northern regions are famous for their Prosecco harvests.Canva

Este ano, os produtores de Prosecco foram atingidos por chuvas e granizo na primavera, seguidas de um verão extremamente quente.

O clima instável - desencadeado pelas alterações climáticas - poderá reduzir as colheitas de uvas para vinho em Itália até um quinto, segundo as estimativas dos produtores.

Porque é que o Prosecco é cultivado na encosta de uma montanha?

O sabor único do Prosecco deve-se à sua origem a grande altitude.

As uvas cultivadas nas montanhas são mais pequenas e têm uma maior proporção de pele e sumo, o que lhes confere um sabor intenso. Também apanham muito sol - mas as temperaturas frescas da altitude impedem-nas de queimar

A procura desta colheita é enorme, tendo registado um aumento de mais de 33% em cinco anos. Em comparação, a procura de champanhe francês cresceu apenas um por cento durante o mesmo período.

Mas fazer uma colheita em locais de tão grande altitude não é fácil. Reconhecendo a dificuldade, a prática de cultivar uvas em encostas com mais de 30% de inclinação é designada por "viticultura heroica".

Segundo Paolo Tarolli, as alterações demográficas e o êxodo das populações das zonas rurais provocaram uma grave escassez de mão de obra nas montanhas.

A devastação causada pelas alterações climáticas tornará muito mais difícil o recrutamento da próxima geração de viticultores.

"A nova geração não está disposta a continuar a trabalhar em condições extremas se os benefícios económicos forem insignificantes", adverte Tarolli. 

PUBLICIDADE

Que outras culturas estão ameaçadas pelas alterações climáticas?

Não são apenas as uvas - as alterações climáticas estão a dizimar culturas em todo o mundo.

O arroz no norte de Itália, o azeite em Espanha e a cevada no Reino Unido registaram reduções drásticas de rendimento nos últimos anos devido às condições ambientais.

O Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas alertou para o facto de que, se atingirmos 1,5°C de aquecimento, cerca de 8% das terras agrícolas do mundo tornar-se-ão impróprias para a agricultura.

Há 66% de probabilidades de a temperatura média global anual atingir 1,5 ºC acima das temperaturas pré-industriais nos próximos cinco anos, de acordo com um relatório da Organização Meteorológica Mundial publicado em maio.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O verão mais quente de sempre? Especialistas revelam o que pode estar reservado para a Europa nos próximos meses

Espanha registou 22 mil mortes relacionadas com o calor nos últimos oito anos. Como é que um novo mapa pode ajudar?

Abril bate recordes de temperatura global pelo 11º mês consecutivo. Qual o papel do El Nino?