EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Arquitetos enfrentam o desafio de construir durante a crise climática

Uma casa redonda "resistente a furacões" em construção em Mexico Beach, na Florida - também construída segundo normas mais sustentáveis do que o habitual.
Uma casa redonda "resistente a furacões" em construção em Mexico Beach, na Florida - também construída segundo normas mais sustentáveis do que o habitual. Direitos de autor AP Photo/Chris Carlson
Direitos de autor AP Photo/Chris Carlson
De  Lottie Limb
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Desde a eficiência energética até à reabilitação e à pegada de carbono, eis algumas noções básicas de design sustentável.

PUBLICIDADE

Embora o isolamento seja uma ferramenta fundamental para reduzir o consumo de energia - protegendo as pessoas de temperaturas extremas e de faturas de energia voláteis - a ideia da casa como o castelo do proprietário já não se sustenta.

O ambiente construído é responsável por 39% das emissões anuais de carbono em todo o mundo e a maior parte da energia utilizada numa casa ou escritório é para regular a temperatura. O aquecimento ou o ar condicionado podem proporcionar algum alívio a curto prazo, mas não podemos separá-los da crise mais vasta para a qual estes dispositivos estão, à sua maneira, a contribuir.

A arquitetura resistente ao clima também corre o risco de ser contraproducente quando se fortalece contra o nosso mundo de aquecimento de uma forma descuidada. "É importante garantir que o foco na resiliência não leve a uma engenharia excessiva dos edifícios, resultando em maiores emissões de carbono e custos", diz Brigitte Clements, presidente da Architects Climate Action Network (ACAN) no Reino Unido.

Aqui, analisamos alguns edifícios que utilizam menos energia e tiram o máximo partido de métodos e materiais sustentáveis.

2226: O edifício austríaco sem necessidade de aquecimento ou refrigeração

2226 Lustenau, Austria. The building has no heating, ventilation or cooling system; the flow of energy is controlled by software.
2226 Lustenau, Austria. The building has no heating, ventilation or cooling system; the flow of energy is controlled by software.Eduard Hueber/Baumschlager Eberle Architekten

Este bloco de escritórios de aspeto simples em Lustenau, Áustria, utiliza algumas técnicas antigas. É branco, para refletir o calor, e tem janelas profundas para ajudar a manter as pessoas frescas.

Mas há algo mais surpreendente a acontecer no interior: o edifício mantém-se entre os 22 e os 26 graus Celsius sem qualquer sistema artificial de aquecimento ou refrigeração**.** A Baumschlager Eberle Architekten, a empresa de arquitetura por detrás do edifício, criou o princípio 2226, que utiliza software para controlar as aberturas das janelas.

O conceito aproveita a massa térmica do edifício, explica Daniel Pöhner, diretor da Baumschlager Eberle Architekten. Deteta os níveis de CO2, temperatura e humidade, abrindo e fechando as janelas em conformidade.

"Na Europa, é possível utilizar as diferenças de temperatura entre a noite e o dia - é esse o truque básico", afirma. Durante os verões quentes, as janelas abrem à noite para arrefecer a corrente de ar, enquanto o calor residual das pessoas é retido durante o inverno.

Existe um interesse crescente no método 2226, particularmente no Reino Unido, onde a empresa está agora a estudar a sua primeira adaptação.

"Não é uma solução que funcione como um edifício 2226 puro em nenhuma região do mundo", reconhece Pöhner. "Onde a humidade é muito elevada durante todo o ano e onde o calor é superior a uma média de 25ºC durante todo o ano, temos problemas. Mas em toda a Europa, com exceção talvez do sul de Espanha, não há absolutamente nenhum problema com isto".

Lustenau já está a passar por variações de temperatura mais extremas, acrescenta, de -16C no inverno a +30C no verão, e o sistema continua a funcionar bem.

Casa de tijolo: O edifício dinamarquês com isolamento mínimo

The Brick House, with insulating clay blocks. The architects were briefed to build a house with a minimal lifespan of 150 years - so studied resilient houses from history.
The Brick House, with insulating clay blocks. The architects were briefed to build a house with a minimal lifespan of 150 years - so studied resilient houses from history.Laura Stamer

Esta casa de tijolo na Dinamarca adota uma abordagem distinta ao isolamento, utilizando muito pouco. Os arquitetos inspiraram-se nas casas tradicionais dinamarquesas para criar uma construção duradoura com paredes "respiráveis".

Apenas blocos de argila e tijolos são utilizados para a construção, com espaços que permitem a passagem do ar. Os tijolos de poroton são um bom regulador de temperatura devido à sua massa térmica - proporcionando calor durante o inverno e arrefecimento e absorção de alguma humidade da casa durante o verão.

"Não precisamos de reinventar a roda para resolver a atual crise climática", disse o arquiteto Uffe Leth à Euronews Green. "Muitos dos bons materiais e soluções existem nos nossos edifícios históricos e a chave é usar esses edifícios e materiais tanto quanto possível e só construir novos quando for mesmo necessário."

Uma década depois de a Brick House ter sido projetada pela primeira vez como parte de uma iniciativa de "mini casas CO2" em Nyborg, há coisas que fariam de forma diferente?

"Hoje em dia, provavelmente teríamos ainda mais cuidado ao considerar a pegada de carbono de cada material individual. Especialmente os tijolos da fachada e as telhas são pesados em termos de carbono e beneficiariam se não fossem novos, mas reciclados ou de outro material completamente diferente", disse Leth.

Um projeto recente utiliza tijolos de poroton e um telhado de colmo; este pavilhão mostra que os materiais de construção tradicionais podem ser combinados com materiais biogénicos, com resultados técnica e esteticamente agradáveis.

The Thatched Brick Pavilion, a shared project between Leth & Gori, Rønnow Architect and Cinark.
The Thatched Brick Pavilion, a shared project between Leth & Gori, Rønnow Architect and Cinark.Kim Høltermand

O que é a Passivhaus e qual a dimensão da solução?

Quando se trata de construir edifícios sustentáveis e eficientes do ponto de vista energético, um conceito tem dominado nos últimos anos: Passivhaus.

PUBLICIDADE

Esta norma de baixa energia cria um "envelope super estanque ao ar", diz Mike Eliason, arquiteto e investigador que vive nos Estados Unidos e que fez formação na Alemanha durante a ascensão da Passivhaus. Os edifícios certificados utilizam pouca energia para aquecimento e arrefecimento e têm um sistema de ventilação com recuperação de calor.

Existem diferentes formas de construir uma "Casa Passiva", e Eliason, o fundador do Larch Lab, é um grande defensor da madeira maciça . "São como dois grandes sabores que combinam muito bem", explica. "O desempenho torna-se melhor com ambos, em termos de carbono incorporado e desempenho energético."

O carbono incorporado refere-se às emissões de gases com efeito de estufa causadas pela construção de novos edifícios e infraestruturas - por oposição à utilização operacional de energia. As camadas comprimidas de madeira oferecem uma alternativa forte ao betão e ao aço; têm boas propriedades térmicas e são resistente ao fogo.

A lista de possibilidades de base biológica continua, e Eliason sublinha a importância de nos  concentrarmos no tecido e no futuro.

"No Larch Lab, pensamos em como os locais que estamos a construir agora podem e devem ser resistentes a um clima que ainda não existe", afirma. "Daqui a 40, 50 anos, as coisas vão ser muito mais quentes e muito mais secas. Será que estamos a planear os nossos edifícios e os nossos bairros de forma a ter isso em conta?"

PUBLICIDADE

Baugruppen: Porque é que a construção coletiva é uma resposta às alterações climáticas?

Em 2021, uma onda de calor que se formou sobre o noroeste do Pacífico contribuiu para centenas de mortes. Eliason recorda que muitas das vítimas eram residentes idosos que viviam em casas sem ar condicionado ou refrigeração, sem capacidade de ventilação cruzada e sem uma comunidade para os controlar.

O acidente sublinhou a necessidade de habitações orientadas para a comunidade como resposta às alterações climáticas:  Baugruppen (literalmente "construção em grupo" em alemão) é o que melhor articula essa visão para Eliason - uma forma de co-habitação urbana multigeracional.

No Reino Unido, um projeto premiado em Goldsmith Street, Norwich, mostra que as normas Passivhaus também podem ser cumpridas num desenvolvimento denso de habitação social.

As 100 casas concebidas pelos arquitetos Mikhail Riches e Cathy Hawley para o Conselho Municipal de Norwich, em 2019, foram anunciadas como algumas das habitações com maior eficiência energética alguma vez construídas no Reino Unido, com um design solar passivo que ajuda os residentes a poupar dinheiro.

Carbono incorporado

"Os arquitetos têm uma enorme responsabilidade quando se trata de encontrar soluções para edifícios mais amigos do clima e edifícios que sejam resilientes", diz Leth, mas muitas das respostas estão nas obras existentes. "Não podemos construir a nossa saída da crise climática, mas podemos ir bastante longe se pararmos de construir e começarmos a reutilizar."

PUBLICIDADE

O orçamento de carbono remanescente para os edifícios numa trajetória de 1,5C é, de facto, muito pequeno. De acordo com a iniciativa Science Based Targets (SBTi), as emissões de carbono incorporadas nos novos edifícios têm de ser reduzidas em cerca de 99% até 2050 em relação ao que é prática comum atualmente.

Como escreve o cofundador da Architects Climate Action Network (ACAN), Joe Giddings, para a Architectural Review, isso equivale a cerca de 10 kg de dióxido de carbono por metro quadrado de área útil, o equivalente a 20 litros de betão ou meio litro de alumínio.

Trabalhar com o que temos é, portanto, a única forma racional de avançar. "A prioridade óbvia é garantir que o stock de edifícios existentes é atualizado tendo em conta o carbono durante toda a vida útil", afirma a presidente da ACAN, Brigitte Clements.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas dizem que Terra está a aquecer a um ritmo recorde, mas ainda há tempo para travar aceleração

Maio bate recorde de temperatura global pelo 12º mês consecutivo. Será que La Niña trará um clima mais fresco?

"O impacto é enorme”: agricultores da Sicília lutam para sobreviver na pior seca dos últimos 30 anos