EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Deslizamento de terras tóxicas ameaça aldeia dinamarquesa

A área afetada por um deslizamento de vários milhões de toneladas de solo contaminado perto da aldeia de Oelst, Randers, Dinamarca.
A área afetada por um deslizamento de vários milhões de toneladas de solo contaminado perto da aldeia de Oelst, Randers, Dinamarca. Direitos de autor Bo Amstrup/Ritzau Scanpix via AP
Direitos de autor Bo Amstrup/Ritzau Scanpix via AP
De  Euronews Green com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Ao fim de nove dias, a Nordic Waste - a empresa que explorava o local - desistiu de controlar o deslizamento de terras.

PUBLICIDADE

As autoridades dinamarquesas estão a trabalhar contra o relógio para impedir que um deslizamento de terra contaminada, que se move lentamente, atinja uma fonte de água próxima.

Os funcionários públicos e a empresa que explorava o local estão a discutir sobre quem deve pagar a enorme limpeza.

O monte de terra, com 75 metros de altura, encontra-se na fábrica de reprocessamento Nordic Waste, a sul da cidade de Randers, no noroeste da Dinamarca. 

Contendo cerca de 3 milhões de metros cúbicos de solo contaminado com metais pesados e produtos petrolíferos, está a deslocar-se lentamente em direção à aldeia de Ølst, que tem 400 habitantes.

Inicialmente, o deslizamento de terras deslocava-se a um ritmo de 40 centímetros por hora em direção a um curso de água ligado ao Mar Báltico através do fiorde de Randers, tendo entretanto abrandado para cerca de 2 metros por dia.

Um monte de terra de 75 metros de altura, no local da fábrica de reprocessamento Nordic Waste, com 3 milhões de metros cúbicos de solo contaminado.
Um monte de terra de 75 metros de altura, no local da fábrica de reprocessamento Nordic Waste, com 3 milhões de metros cúbicos de solo contaminado.Bo Amstrup/Ritzau Scanpix via AP

O problema começou a 10 de dezembro e, nove dias depois, a Nordic Waste desistiu de o controlar, deixando a tarefa para o município de Randers, que tem vindo a reencaminhar a corrente através da colocação de tubos que lhe permitem passar pelo local em segurança.

O ministro do Ambiente, Magnus Heunicke, disse na sexta-feira que as autoridades estão a trabalhar na extensão desses tubos e que está a ser construído um muro de estacas-prancha, juntamente com várias bacias para a água contaminada.

A água da chuva e a neve derretida são os maiores problemas, disse Heunicke. Na semana passada, o Oeste da Dinamarca registou grandes quantidades de neve e chuva.

"Trata-se de separar a água poluída da água limpa", disse numa conferência de imprensa, acrescentando que o trabalho é "extremamente difícil".

A primeira-ministra Mette Frederiksen disse que "é claro que seria totalmente injusto se as crianças de Randers ou os idosos tivessem de pagar esta fatura".
A primeira-ministra Mette Frederiksen disse que "é claro que seria totalmente injusto se as crianças de Randers ou os idosos tivessem de pagar esta fatura".Bo Amstrup/Ritzau Scanpix via AP

Acontecimento natural ou causado pela atividade humana?

A United Shipping and Trading Company (USTC), que está por detrás da Nordic Waste, atribuiu anteriormente o deslizamento de terras a condições climáticas fora do seu controlo.

A zona "foi exposta a enormes quantidades de chuva, uma vez que 2023 foi o ano mais húmido de sempre na Dinamarca. Esta situação resultou numa catástrofe natural de um calibre nunca antes visto na Dinamarca", afirmou.

Esta segunda-feira, um relatório do Serviço Geológico da Dinamarca e da Gronelândia (GEUS) afirmou que o depósito contínuo de solo sobre um poço de argila inclinado na Nordic Waste foi a principal causa do deslizamento de terras.

O deslizamento de terras "não pode ser considerado um 'acontecimento natural raro e inevitável'", afirmou o GEUS.

Pensa-se que contém algum material trazido da Noruega. A GEUS acrescentou que se registaram deslizamentos de terras na região desde 2021.

Está a mover-se a um ritmo de até 40 centímetros por hora em direção a uma corrente ligada ao Mar Báltico através do Fiorde de Randers.
Está a mover-se a um ritmo de até 40 centímetros por hora em direção a uma corrente ligada ao Mar Báltico através do Fiorde de Randers.Bo Amstrup/Ritzau Scanpix via AP

Quem vai pagar a limpeza?

Ainda não é claro quem terá de pagar a limpeza. A Nordic Waste foi declarada em falência no início desta semana, depois de a Agência de Proteção Ambiental dinamarquesa ter ordenado que fornecesse uma garantia de mais de 200 milhões de coroas dinamarquesas (17,7 milhões de euros) para evitar um desastre ambiental.

PUBLICIDADE

A primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, visitou o local esta segunda-feira e disse que seria injusto se os contribuintes dinamarqueses tivessem de pagar.

Nina Østergaard Borris, diretora-geral da Nordic Waste, afirmou que a recuperação do local demoraria cinco anos e que poderia custar milhares de milhões de coroas. 

A situação "é muito mais grave do que se poderia imaginar e a tarefa de salvar a zona é muito maior do que a Nordic Waste ou a USTC podem fazer", afirmou.

O caso deu início a um debate sobre se a Nordic Waste tem a responsabilidade moral de pagar. O governo atacou o sexto homem mais rico da Dinamarca, Torben Østergaard-Nielsen, que está por trás da USTC, por não pagar.

PUBLICIDADE

"Queremos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para que os poluidores paguem", disse Heunicke.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Islândia teme poluição do ar após erupção vulcânica

Poluição do ar na UE continua elevada e a causar muitas doenças

A sujidade do rio Sena pode fazer com que não haja natação no triatlo olímpico, dizem os organizadores