Poderá a Catalunha aprender a viver com a seca?

Poderá a Catalunha aprender a viver com a seca?
Direitos de autor euronews
De  Jeremy Wilks
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O principal reservatório que alimenta Barcelona está quase vazio e as estações de regeneração e dessalinização de água estão a funcionar à sua máxima capacidade. Enquanto isso, as empresas privadas estão a fazer os seus próprios esforços para economizar e reciclar a água. Será suficiente?

PUBLICIDADE

"Vamos mudar porque não temos outra opção", diz o cientista Vicenç Acuña, enquanto aponta para o reservatório quase vazio de Sau, na Catalunha. Deveríamos estar a olhar para um enorme lago artificial, mas, em vez disso, a parede de betão da barragem do reservatório está nua, elevando-se acima do vale e das restantes águas castanhas, dezenas de metros abaixo. Há quase quatro anos que não chove o suficiente nesta região e esta barragem, uma das principais fontes de abastecimento da região de Barcelona, está abaixo dos 15 por cento da sua capacidade.

Aqui, no interior da Catalunha, perto da cidade de Vic, as colinas eram conhecidas pelas cascatas e quedas de água, mas hoje são um atrativo para turistas e jornalistas que vêm fotografar um vale outrora inundado, que se transformou num gigantesco poço de poeira.

No início de fevereiro, a região declarou emergência oficial de seca, limitando o consumo de água para a agricultura, indústria e uso privado, como encher piscinas.

O fevereiro mais quente de que há registo

Tivemos o fevereiro mais quente de que há registo. Dados do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas.
Tivemos o fevereiro mais quente de que há registo. Dados do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas.euronews

A nossa visita à Catalunha surge quando o Serviço de Monitorização das Alterações Climáticas do Copernicus informa que o mês de fevereiro foi o mais quente de que há registo a nível mundial, com uma temperatura 0,8 graus Celsius acima da média de 1991-2020.

Há nove meses consecutivos que registamos temperaturas quentes recorde para esta época do ano.

Na Europa, registaram-se importantes anomalias relacionadas com o calor em muitos países. Dados do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas
Na Europa, registaram-se importantes anomalias relacionadas com o calor em muitos países. Dados do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticaseuronews

Na Europa, registaram-se importantes anomalias relacionadas com o calor em muitos países. As temperaturas na Roménia foram 6,8 graus acima da média para fevereiro, na Suíça foram 4,6 graus acima da média e em Inglaterra foram 2,9 graus acima da média para o mês.

A temperatura da superfície do oceano, fora das regiões polares, também bateu um novo recorde absoluto, com uma média de 21,06 graus Celsius em fevereiro.

A temperatura da superfície do oceano, fora das regiões polares, bateu um novo recorde absoluto. Dados do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas
A temperatura da superfície do oceano, fora das regiões polares, bateu um novo recorde absoluto. Dados do Serviço Copernicus para as Alterações Climáticaseuronews

De que forma a Catalunha está a adaptar-se?

Atualmente, existe uma pressão crescente para acelerar os esforços de adaptação na Catalunha, uma região que não é alheia à seca. Muitas das instalações atualmente existentes foram construídas em resposta a um longo período sem chuva significativa, no final da década de 2000.

A região, também não é a única a sofrer com a falta de chuva. Temperaturas acima da média e de longa duração, períodos de calor e precipitação escassa conduziram a condições de seca severa em toda a região mediterrânica, afetando numerosas zonas do sul de Itália, sul de Espanha, Malta, Marrocos, Argélia e Tunísia.

O que é que implica realmente a adaptação à seca? Acuña, investigador do Instituto Catalão de Investigação da Água, disse que o primeiro passo é "reconsiderar as atividades que se fazem e aquelas que não se querem mudar por qualquer razão, é preciso ser mais eficiente na utilização da água".

"É preciso utilizar menos água para o mesmo fim ou reutilizar a água localmente para não depender tanto da água natural dos rios", acrescentou.

Muitas das iniciativas de adaptação na região provêm de empresas privadas. O Hotel Samba, na popular estância balnear de Lloret de Mar, é frequentemente citado como um exemplo de gestão avançada da água. Há 25 anos começou a reciclar a água dos chuveiros e lavatórios para utilização nos sistemas sanitários do hotel. Em 2023, pouparam mais de 10.000 m3 de água, segundo a gestora de sustentabilidade Laura Pérez Flores.

O hotel está agora a trabalhar com cientistas para reutilizar a água dos chuveiros e dos lavatórios para cultivar plantas. "Há uma série de legumes comestíveis que estamos a experimentar para ver se é viável a sua irrigação com esta água cinzenta", explicou Pérez Flores.

Outra iniciativa privada de poupança de água apoiada pela Parceria Catalã para a Água encontra-se na empresa de transformação de carne Grup Viñas. Inicialmente, a empresa investiu na sua própria estação de tratamento de água, de forma a reduzir as taxas que pagava à empresa de água local, mas agora, começou a reutilizar a água nas suas instalações para limpeza.

No entanto, a direção expressa alguma frustração com as limitações que a legislação espanhola impõe à reutilização da água. Atualmente, só estão autorizados a utilizar 10 por cento da água tratada. Nuria Romero, Diretora de sustentabilidade, disse ao Euronews: "Pedem-nos para reduzir o consumo e estamos a despejar água limpa no sistema de esgotos, quando essa água poderia ser utilizada para outros fins."

Atualmente, menos de metade da água consumida na região da Grande Barcelona provém de fontes convencionais, como reservatórios. Pelo menos 25 por cento da procura é satisfeita pela estação de dessalinização de El Prat de Llobregat, perto do aeroporto. A enorme instalação funciona a 100 por cento da sua capacidade 24 horas por dia, sete dias por semana, aspirando água do mar do Mediterrâneo a cerca de 2 km da costa e transformando-a em água potável para a população.

A instalação pública funciona com energia renovável e, apesar do seu custo, o governo catalão está empenhado em expandir este tipo de instalação de dessalinização, que é mais comum no Médio Oriente e em zonas da Ásia.

"O processo de remoção do sal da água do mar é sempre dispendioso. Requer uma grande quantidade de energia, o que aumenta os custos de produção. Mas já não é uma questão de custos mais altos ou mais baixos, é uma questão de disponibilidade de água para a população", explicou o diretor da estação, Carlos Miguel.

PUBLICIDADE

Ao lado, existe uma unidade de regeneração de água de baixo custo que também está a funcionar na sua capacidade máxima. A água proveniente da estação de tratamento de águas residuais é processada através de uma série de membranas e sistemas de filtragem, tratando 180 000 m3 de água por dia e satisfazendo mais 25 por cento da procura.

A legislação europeia implica que a água regenerada não pode ser simplesmente bombeada para a rede de abastecimento público, pelo que é transportada cerca de 16 km a montante para ser reintroduzida no rio Llobregat. A água reciclada mistura-se com a água natural do rio antes de ser novamente extraída alguns quilómetros a jusante, filtrada e introduzida no sistema de água potável. O processo, que é raro na Europa, tem a vantagem adicional de apoiar os ecossistemas naturais nos troços inferiores do rio.

Olhando para o futuro, estes ciclos artificiais são considerados a única forma da região de Barcelona poder satisfazer de forma sustentável as necessidades dos 6 milhões de pessoas que vivem na zona e dos milhões de turistas que a visitam todos os anos. As autoridades locais estão a planear investir 407 milhões de euros em projetos para atingir o objetivo de reutilizar 70 por cento da água na Catalunha até 2040.

No entanto, Acuña está preocupado com o futuro próximo. Refletindo sobre a barragem vazia de Sau, adverte para "uma catástrofe dentro de alguns meses neste verão", se não houver chuvas significativas. Segundo ele, a Catalunha precisa de cerca de 550 mm de chuva nesta primavera para inverter o problema da seca.

"Precisamos que os governos pressionem realmente a sociedade através de incentivos fiscais ou de medidas diferentes, de novas leis, para promover realmente a transição para uma sociedade eficiente em termos de água", concluiu.

PUBLICIDADE

Fontes adicionais: Euronews / Serviço Copernicus para as Alterações Climáticas implementado pelo ECMWF, Associated Press. Agradecimentos especiais à Parceria Catalã para a Águ

Partilhe esta notícia