EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Avaria no GPS obriga avião da Finnair a regressar a Helsínquia

Avião da Finnair's ATR-72 na pista em Tartu
Avião da Finnair's ATR-72 na pista em Tartu Direitos de autor euronews-screengrab / Eesti Rahvusringhääling (ERR) via EBU
Direitos de autor euronews-screengrab / Eesti Rahvusringhääling (ERR) via EBU
De  Christophe Debets com Eesti Rahvusringhääling (ERR)
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A companhia aérea finlandesa teve de cancelar o seu voo para Tartu, na Estónia, em dois dias consecutivos. O motivo foi uma perturbação da navegação por satélite, pela qual os serviços secretos russos são considerados responsáveis.

PUBLICIDADE

Pela segunda vez em 48 horas, um avião finlandês regressou a Helsínquia pouco antes de aterrar em Tartu, na Estónia, devido a problemas de navegação por satélite. De acordo com a companhia aérea finlandesa Finnair, os voos previstos para sexta-feira e sábado à noite foram afetados.

De acordo com a Autoridade de Aviação da Estónia, estas perturbações têm ocorrido diariamente desde o final de 2022, não só na Estónia mas também noutros países que fazem fronteira com a Rússia.

No final de março, foi noticiado que cerca de 1600 voos sobre o nordeste da Europa foram afetados por um ataque de interferência de GPS sem precedentes que durou 63 horas. A interferência no sinal do GPS está também a ocorrer na Ucrânia, no Mar Negro e no Mediterrâneo Oriental.

Além da alegada interferência, que leva à perda do sinal GPS, foi também detectada uma falsificação da posição indicada pelo sistema GPS. Trata-se do envio de um sinal GPS falso e, consequentemente, da apresentação de posições e altitudes incorretas aos pilotos.

O especialista em aviação Sven Kukemelk suspeita que os serviços secretos russos estejam por detrás do “empastelamento” do sinal enviado pelo GPS. No entanto, é possível que se trate apenas de um efeito secundário da guerra: "Aparentemente, há aqui alguns sinais que os russos estão a tentar bloquear para nós e vice-versa. Utilizam tecnologia de radar para monitorizar o movimento de unidades militares. Normalmente, são acordadas determinadas frequências entre os países para este efeito, mas é claro que esses acordos não se aplicam em caso de guerra", diz Kukelmek.

Como os aviões devem ter vários sistemas de navegação, a interferência do GPS não deve constituir uma ameaça imediata para a aviação civil.

O chefe da gestão do tráfego aéreo do prestador de serviços de navegação aérea da Estónia, EANS, Mihkel Haug, alertou para a necessidade de não se confiar demasiado na navegação por satélite: "A diretiva geral da União Europeia e do setor da aviação em geral era mudar para o GPS. Na situação atual, temos de reavaliar isso".

O Ministro dos Negócios Estrangeiros da Estónia, Margus Tsahkna, descreveu a perturbação do tráfego aéreo como um "ataque híbrido". Tenciona levantar a questão junto dos países aliados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleitores da minoria russa na Estónia prontos a votar nas próximas eleições europeias

Desprezo e simpatia: políticos da UE divididos quanto à morte do presidente iraniano Raisi

Milhares saíram à rua em Madrid em defesa do sistema de saúde pública