EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

"O impacto é enorme”: agricultores da Sicília lutam para sobreviver na pior seca dos últimos 30 anos

Barragem, Caltanissetta, Sicília.
Barragem, Caltanissetta, Sicília. Direitos de autor CIA
Direitos de autor CIA
De  Greta Ruffino
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A precipitação mais baixa dos últimos 30 anos faz temer a terceira pior crise de água na Sicília.

PUBLICIDADE

Nos últimos seis meses de 2023, caíram apenas 150 milímetros de chuva na Sicília, uma ilha que tem o dobro do tamanho de alguns países.

Poucos meses depois, o governo da região declarou estado de emergência devido à seca. Os especialistas alertaram para o facto de esta poder ser a terceira pior crise de água que a ilha alguma vez conheceu.

Uma vez que grande parte da população e da economia dependem da agricultura, a falta de água tem consequências generalizadas.

As alterações climáticas estão a deixar muitas zonas do sul da Europa em seca. Será que a crise da Sicília se deve a essas alterações ou será que o problema é a falta crónica de financiamento que o sul de Itália tem recebido do governo nacional?

Agricultores da Sicília lutam para alimentar os animais

Donatella Vanadia, veterinária e proprietária de uma empresa agrícola, viu como a produção de feno - alimento vital para o gado - foi severamente afetada pela seca.

Penso que a produção [de feno] não será superior a 30 ou 40%", diz à Euronews Green.

A colheita de ervas daninhas para fazer feno também é afetada pela imprevisibilidade das chuvas da primavera - a crise climática está a causar padrões climáticos invulgares em toda a Europa. 

A escassez de água pode fazer com que as vacas produzam menos leite, menos crias e, em casos extremos, que mais animais sejam enviados para abate.

"O impacto é enorme, agravado pelo dos anos anteriores. Isto também afeta os produtos dos animais, que não têm as condições fisiológicas adequadas. É uma verdadeira catástrofe iminente", acrescenta Vanadia.

Mesmo quando chove, reservatórios não conseguem armazenar água

Na Sicília, a água potável é normalmente extraída de aquíferos, camadas subterrâneas de rocha que contêm água, enquanto a água para as culturas é armazenada em grandes reservatórios que foram construídos após a Segunda Guerra Mundial. Ambos os sistemas dependem da abundante precipitação de inverno que outrora era comum, mas que se tornou cada vez mais escassa nos últimos anos.

"Desde 2003, e com um agravamento nos últimos anos, a Sicília registou uma redução da precipitação superior a 40%, o que resultou numa diminuição significativa da captação de água pelos principais reservatórios de abastecimento, com especial impacto na distribuição", explica o professor do Departamento de Agricultura, Alimentação e Ambiente da Universidade de Catânia, Giuseppe Luigi Cirelli.

"Acrescente-se a isto a falta de manutenção da rede de irrigação nos últimos 25 anos, que resultou numa redução significativa da capacidade dos reservatórios, mesmo quando tínhamos água", afirma Cirelli.

Barragem em Caltanissetta, na Sicília.
Barragem em Caltanissetta, na Sicília.CIA

Para agravar o problema, há atualmente mais pessoas a viver na zona de Catânia, a segunda maior cidade da Sicília a seguir à capital, Palermo.

O rebaixamento do lençol freático devido à crise climática tornou gradualmente mais difícil a infiltração de água nos aquíferos, resultando numa diminuição da água destinada a tornar-se água potável, explica Cirelli.

Uma outra razão que os especialistas atribuem à falta de intervenções e à descida dos níveis de água é a gestão fragmentada dos sistemas hídricos, que envolve várias entidades, o que complica a situação.

"Precisamos de passar de uma gestão fragmentada para uma abordagem centralizada que consolide os investimentos e adopte uma compreensão orgânica do território", diz à Euronews Green Antonio Coniglio, diretor da Acoset, uma empresa de distribuição de água e gestão de esgotos em Catânia.

"É evidente que, noutras partes de Itália, a questão foi abordada e as perdas foram reduzidas para menos de 50% devido à gestão centralizada e aos investimentos."

De acordo com Coniglio, 40 anos de negligência resultaram numa perda de água de 75%. Esta situação pode levar a restrições inevitáveis de água, o que significa que a água não está disponível em determinadas alturas do dia.

PUBLICIDADE
Vacas pastam em Vizzini, província de Catânia.
Vacas pastam em Vizzini, província de Catânia.Greta Ruffino/Euronews

Continuar a atividade agrícola familiar não é sustentável na Sicília

A agricultura está no sangue de muitos jovens sicilianos e estes querem continuar a cultivar a terra.

Mas a crise da água está mesmo a levar alguns jovens agricultores a fecharem as suas empresas e a abandonar a Sicília, como explica Riccardo Randello, presidente da AGIA Sicília (Associação de Jovens Empresários Agrícolas).

"As cadeias de abastecimento estão a sofrer muito e a produção está a diminuir. Dos citrinos à indústria do azeite, passando pela produção de cereais, praticamente todas as culturas mediterrânicas estão a sofrer o impacto desta seca", afirma.

"Prefiro chamar-lhe crise da água porque atribuí-la exclusivamente às alterações climáticas é incorreto. Atualmente, a crise é abrangente e grave, exigindo uma ação forte por parte dos governos", afirma.

A erva não cresce mais do que meros centímetros. Vizzini, província da Catânia.
A erva não cresce mais do que meros centímetros. Vizzini, província da Catânia.Greta Ruffino/Euronews

Como é que o Governo italiano está a tentar evitar a crise?

Este mês, o governo italiano afetou um montante inicial de 20 milhões de euros à Sicília para fazer face ao estado de emergência regional causado pela seca.

PUBLICIDADE

Para Graziano Scardino, presidente da Confederação Italiana de Agricultores da Sicília, os fundos são apenas a ponta do icebergue.

"A partir de hoje, infelizmente, o estado de emergência e mesmo o que está previsto no plano regional são completamente insuficientes", afirma.

"Infelizmente, não há nada que possa compensar as perdas dos agricultores; os prejuízos verificados ultrapassam hoje os mil milhões de euros. Acreditamos que, após as eleições europeias, a política deve intervir para garantir medidas de compensação sérias e não apenas regulamentos que ficam no papel", defende.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estado de emergência declarado na Sicília devido à seca. Racionamento da água já está em marcha

Seca em Espanha: Tenerife vai declarar emergência devido à falta de água

Seca: Governo anuncia cortes no abastecimento de água no Algarve