EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Maio bate recorde de temperatura global pelo 12º mês consecutivo. Será que La Niña trará um clima mais fresco?

 Uma mulher segura um guarda-chuva para se proteger do sol durante um dia quente e soalheiro em Madrid, Espanha, a 18 de julho de 2022.
Uma mulher segura um guarda-chuva para se proteger do sol durante um dia quente e soalheiro em Madrid, Espanha, a 18 de julho de 2022. Direitos de autor Manu Fernandez/Manu Fernandez
Direitos de autor Manu Fernandez/Manu Fernandez
De  Greta RuffinoEuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Uma agência das Nações Unidas prevê condições mais favoráveis com La Nina, a partir deste verão, após o fenómeno El Niño.

PUBLICIDADE

O mês de maio de 2024 foi o mais quente alguma vez registado, marcando o 12.º mês recorde de calor consecutivo, afirmaram os cientistas do Copernicus.

No mês passado, a temperatura média mundial foi 1,52 °C mais elevada do que a média registada entre 1850 e 1900, antes da industrialização, de acordo com o serviço de monitorização do clima da UE.

Este é o 12º mês consecutivo em que as temperaturas foram mais altas do que as anteriormente registadas, com a temperatura média global do ar à superfície 0,65°C mais alta do que a média de 1991 a 2020.

"É chocante, mas não surpreendente, que tenhamos atingido esta série de 12 meses. Embora esta sequência de meses recorde acabe por ser interrompida, a marca global das alterações climáticas mantém-se e não há sinais à vista de uma alteração desta tendência", afirma Carlo Buontempo, diretor do Serviço Climático Copernicus (C3S).

O que é o La Niña e como poderá seguir-se ao El Niño?

O aumento do calor nos oceanos é um reflexo deste período invulgarmente quente.

Em 2023, os oceanos que rodeiam a Europa registaram a temperatura média à superfície do mar mais elevada de que há registo, segundo a Organização Meteorológica Mundial (OMM).

Desde julho do ano passado, o fenómeno meteorológico El Niño tem contribuído para o aumento das temperaturas globais e das condições meteorológicas extremas em todo o mundo, mas os cientistas defendem que o aquecimento global causado pelo homem foi o principal responsável.

No entanto, a OMM acredita que o El Niño de 2023/24 está a dar sinais de estar a terminar e poderá ser seguido por condições mais favoráveis do La Niña a partir de junho.

O fenómeno La Niña caracteriza-se por temperaturas da superfície do mar mais baixas do que a média no Pacífico equatorial central e oriental, resultando normalmente em padrões meteorológicos opostos aos associados ao El Niño, em especial nas regiões tropicais.

Este arrefecimento é acompanhado por alterações na circulação do ar tropical, incluindo modificações nos padrões de vento, pressão atmosférica e precipitação.

O que é que o La Nina significa para o aquecimento global?

O El Niño e o La Niña começam normalmente na primavera ou no verão no Hemisfério Norte.

A transição da fase quente do El Niño para a fase neutra ou mais fria do La Niña ocorre, em média, a cada três a cinco anos.

No entanto, esta transição não assinala uma mudança na tendência atual do aquecimento global.

"Todos os meses desde junho de 2023 estabeleceram um novo recorde de temperatura - e 2023 foi, de longe, o ano mais quente de que há registo", afirma Ko Barrett, Secretário-Geral Adjunto da OMM.

"O fim do El Niño não significa uma pausa nas alterações climáticas a longo prazo, uma vez que o nosso planeta continuará a aquecer devido aos gases com efeito de estufa que retêm o calor. As temperaturas excecionalmente elevadas da superfície do mar continuarão a desempenhar um papel importante durante os próximos meses".

Os últimos nove anos foram os mais quentes de que há registo, mesmo com um La Niña plurianual a arrefecer as temperaturas de 2020 até ao início de 2023.

"O nosso clima continuará a ser mais extremo devido ao calor e à humidade adicionais na nossa atmosfera", afirma Ko Barrett, que lidera uma delegação da OMM na atual Conferência das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas, em Bona, na Alemanha.

"As condições do La Niña seguem-se geralmente a fortes fenómenos de El Niño, o que está de acordo com as previsões recentes dos modelos, embora subsista uma grande incerteza quanto à sua força ou duração".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cientistas dizem que Terra está a aquecer a um ritmo recorde, mas ainda há tempo para travar aceleração

Temperaturas na Europa estão a subir mais rápido do que noutros continentes

Quais os efeitos a longo prazo das ondas de calor marítimas?