EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Adiada decisão sobre sanções a Portugal por défice excessivo

Adiada decisão sobre sanções a Portugal por défice excessivo
Direitos de autor 
De  Euronews com Com Lusa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Comissão Europeia adiou para julho a decisão sobre sanções a Portugal e a Espanha por défice excessivo em 2015 e pede mais medidas aos dois países.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia adiou para julho a decisão sobre sanções a Portugal e a Espanha por défice excessivo em 2015 e pede mais medidas aos dois países.

A fragilidade das duas economias e os esforços para as reformar foram os argumentos usados pelo comissário europeu para os Assuntos Económicos e Financeiros.

“Levámos também em conta – e penso que ninguém nos deve condenar por isso -, o facto de que estes dois países sofreram fortemente o impacto da crise, de que ainda têm taxas de desemprego extremamente altas e que, tanto um como o outro, fizeram esforços significativos ao nível das reformas; aliás, tal como a Itália”, disse Pierre Moscovici.

Na conferência de imprensa de apresentação das decisões tomadas pelo executivo comunitário no quadro do semestre europeu de coordenação de políticas económicas, Pierre Moscovici disse que a Comissão preferiu concentrar-se no que “é mais premente”, ou seja, dar orientações orçamentais a ambos os países, no sentido de levarem a cabo “esforços estruturais que são exigentes”.

Bruxelas considera esses esforços suplementares “realistas”, com vista à redução do défice, dando um ano suplementar para corrigir o défice excessivo, até 2016 para Portugal e até 2017 para Espanha.

A Comissão Europeia pede a Portugal que o défice deste ano fique em 2,3%, o que poderá exigir poupanças de 750 milhões de euros.

No caso da Itália, foi também concedida a flexibilidade pedida pelo governo de Roma para reavivar o crescimento anémico e lidar com o custo do fluxo de refugiados.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Emmanuel Macron em missão no Pacífico para travar os motins na Nova Caledónia

Ucrânia não consegue garantir eletricidade pela primeira vez desde a invasão russa

Extrema-direita: Krah anuncia demissão de liderança da AfD após escândalos