EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Quais as consequências do referendo italiano para a União Europeia?

Quais as consequências do referendo italiano para a União Europeia?
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O referendo que se realiza no próximo domingo em Itália não é uma consulta à permanência dos transalpinos na União Europeia, como no caso do Brexit, mas muitos analistas acreditam que pode voltar a ab

PUBLICIDADE

O referendo que se realiza no próximo domingo em Itália não é uma consulta à permanência dos transalpinos na União Europeia, como no caso do Brexit, mas muitos analistas acreditam que pode voltar a abalar a economia e a política dos ainda 28. O referendo diz respeito à reforma constitucional proposta pelo primeiro-ministro Matteo Renzi, mas é também visto como uma aprovação ou recusa às políticas de Renzi.

Giovanni Collot, um italiano que trabalha na Bélgica acredita que “se o não ganha, o governo vai perder legitimidade e a oposição vai ganhar poder. Tendo dito isto, acredito que dizer que os bancos vão parar de investir em Itália ou que a União Europeia vai tratar Itália como um país de segunda é exagerado”.

A terceira economia da zona euro está a passar por graves problemas no setor bancário. Os grandes bancos acumulam cerca de 360 mil milhões de euros de crédito mal parado.
E todos estes argumentos estão a ser usados pelos movimentos mais populistas.

Mario Telo, professor do Instituto de Estudos Europeus, em Bruxelas lembra que “uma possível vitória do Não vai integrar-se no alargamento crescente, em vários países ocidentais, das forças nacionalistas, proteccionistas e populistas. É o resultado da mundialização e muitas das vítimas dessa mundialização votam nos partidos extremistas e nacionalistas”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Impacto do referendo italiano na União Europeia

Itália: Oposição contesta reforma constitucional e apela a votar "Não" no referendo

Valerio Onida: "A reforma não promete melhorar o funcionamento das instituições italianas"